28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasBrazil Potash e Amaggi assinam acordos para comercialização e transporte da produção...

Brazil Potash e Amaggi assinam acordos para comercialização e transporte da produção do Cloreto de Potássio de Autazes, no Amazonas

Divulgação

As empresas Brazil Potash e Amaggi Exportação e Importação, juntamente com sua subsidiária de logística Hermasa Navegação da Amazônia, assinaram acordos para viabilizar a comercialização e o transporte do Cloreto de Potássio produzido pela Potássio do Brasil, controlada pela Brazil Potash, no município de Autazes (AM), a 112 Km de Manaus.

Ao todo, foram assinados três contratos comerciais. O primeiro deles foi um Acordo de Compra Mínima Garantida, com termos e condições para a comercialização de 500 mil toneladas de potássio por ano. O segundo contrato envolve a venda do restante da produção, de cerca de 1,9 milhão de toneladas anuais de potássio. O terceiro e último acordo refere-se ao transporte em barcaças da soma dessa produção, totalizando 2,4 milhões de toneladas de potássio por ano, durante um período de 15 a 17 anos, com opção mútua de prorrogação. Esse volume corresponde ao planejamento inicial de produção do Projeto Potássio de Autazes, que está sendo implantado pela Potássio do Brasil no interior do Amazonas e irá abastecer as principais regiões agrícolas do Brasil.

Com investimentos de aproximadamente US$ 2.5 bilhões, o empreendimento já possui a Licença Prévia (LP) e aguarda a Licença de Instalação (LI). Atualmente está em fase de licenciamento ambiental junto ao órgão ambiental do Amazonas.

Uma vez que o projeto esteja operando, como parte do contrato de transporte de barcaças, a Hermasa alocará os ativos e recursos necessários para o transporte coberto de Cloreto de Potássio principalmente do porto da Potássio do Brasil, próximo à vila de Urucurituba, no rio Madeira, até o porto de propriedade da Hermasa localizado em Porto Velho, no noroeste de Rondônia, ou pelos rios Amazonas e Tapajós para outros destinos.

“É uma mudança de jogo para a Potássio do Brasil assinar contratos vinculativos com a Amaggi. É a empresa ideal para a Potássio do Brasil contratar, pois consome grande quantidade de potássio para aplicação em suas terras de cultivo. Eles também possuem uma extensa rede de distribuição e logística por meio de sua subsidiária integral, Hermasa, que opera um terminal de transbordo de barcas para o oceano a apenas 40 milhas a montante de nosso projeto Autazes. Conheço Blairo Maggi há vários anos e estou animado por trabalhar com a Amaggi e sua talentosa equipe”, declarou o presidente da Brasil Potash, Stan Bharti.

Um dos acionistas da Amaggi, Blairo Maggi, destacou o cenário da agroindústria brasileira em relação ao comércio internacional de fertilizantes. “O Brasil é um país rico em conhecimento agropecuário, com grandes quantidades de terras cultivadas, água doce e temperatura ideal para permitir o cultivo o ano todo. No entanto, apesar de ser um dos maiores consumidores mundiais de potássio, globalmente, estamos fortemente expostos, uma vez que 98% desse nutriente essencial para as plantas são importados. Ter uma fonte doméstica de potássio convencional em larga escala – como proposto pela Potássio do Brasil – é importante para ajudar a garantir a segurança alimentar do Brasil e global. Estou, portanto, feliz que a Amaggi possa fazer parte deste importante projeto”, revelou.

ARTIGOS RELACIONADOS

Guaraná de Maués: do interior do Amazonas para os consumidores paulistas

Segundo dados da EMBRAPA, o Guaraná de Maués tem mais cafeína, em função do microclima da região e do sistema de beneficiamento ainda tradicional, e por isso a dose diária recomendada é de máximo 3g para não ter efeitos colaterais indesejados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!