27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesCafés com Origem Controlada ganham destaque

Cafés com Origem Controlada ganham destaque

A 11ª edição da SIC traz o tema origens produtoras para o centro dos debates durante o evento que acontece entre 8 e 10 de novembro no Expominas, em Belo Horizonte

Semana Internacional do Café (SIC), que acontece entre os dias 8 e 10 de novembro no Expominas, em Belo Horizonte, é reconhecida como o maior e mais importante evento do setor do café no Brasil e um dos principais do mundo. O encontro deste ano destaca um dos assuntos mais relevantes do mercado internacional na atualidade: a sustentabilidade, tendo como tema central “Origens produtoras – uma visão de futuro para uma nova cadeia do café”.

Fazendo referência ao novo cenário mundial, que leva em consideração práticas, bem como produção e consumo sustentáveis em todos os setores, com o tema escolhido, a organização do evento pretende, além de instruir, ampliar e trazer luz ao trabalho de excelência e sustentabilidade dos produtores de café brasileiros, visando uma maior promoção das origens produtoras de café no país.

O tema, bastante conhecido no mundo dos vinhos, teve seu primeiro registro de denominação de origem em 1756, com o intuito de demarcar e proteger a Região do Vinho do Porto, em Portugal, que por conta de sua fama conquistada pela qualidade, vinha sofrendo adulteração e pirataria. Assim se instituiu a lei que, posteriormente, se disseminou por toda Europa nos mais diferentes países como França, Itália, Espanha, entre outros.

No Brasil, essa estratégia de proteção e geração de valor para os produtos e serviços provenientes de determinadas origens chegou ao país em 1996, com a criação do marco legal da indicação geográfica (IG) pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), que se subdivide em dois tipos de registros: indicação de procedência (IP), que atesta a fama e notoriedade de determinado território reconhecido pela produção de determinado serviço ou produto; e denominação de origem (DO), que atesta o saber fazer, a qualidade e a exclusividade de determinado produto, pelas características únicas relacionadas também ao território.

“Quando falamos em café brasileiro, temos que levar em consideração não apenas a qualidade de nossos grãos, mas também a diversidade de cada uma das regiões produtoras. É esta variedade de terroir, cultura, clima e uma série de outros fatores que tornam a cafeicultura brasileira a mais respeitada do mundo”, afirma Caio Alonso Fontes, diretor da Espresso&CO e um dos realizadores da SIC.

“O café é o produto que detém maior número de registros de Indicação Geográfica no Brasil. São 35 regiões produtoras que contam com um total de 14 registros, sendo nove de Indicação de Procedência e cinco de Denominação de Origem. Dessas, Minas conta com nove regiões reconhecidas, sendo sete com Indicações Geográficas, quatro com denominações de origem e três com Indicações de Procedência. São esses registros que agregam valor ao café e identificam características únicas de cada região produtora”, explica a analista de agronegócios do Sistema Faemg Senar, Ana Carolina Gomes.

Com consumidores cada vez mais conscientes e exigentes, as origens produtoras se tornaram um diferencial importante para competir nos mercados nacional e internacional. Neste sentido, o Sebrae Minas tem se empenhado, juntamente com as regiões produtoras, na estruturação e promoção das origens de café do estado. Hoje são nove origens que contam com suas estratégias de marca territorial desenvolvidas e seus planos de ação para que, de olho no futuro e nas tendências, consigam impactar positivamente toda a cadeia produtiva do café e seus territórios. São elas: Chapada de Minas, Região das Matas de Minas, Campo das Vertentes, Mantiqueira de Minas, Região Vulcânica, Sudoeste de Minas, Canastra, Região de Campos Altos e Região do Cerrado Mineiro. “Todas elas participam de inúmeras ações estratégicas de valorização da origem, qualidade, gestão, mercado e muito mais”, explica o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Minas, Marcelo de Souza e Silva.

Desde seu lançamento, em 2013, a SIC gera grandes oportunidades para toda a cadeia do café brasileiro, olhando tanto para o mercado nacional quanto internacional. Neste ano, são esperadas mais de 20 mil pessoas, de até 40 países, abrindo espaço para conexões e transações comerciais para todo o setor.

A SIC tem foco nas transações B2B, incluindo desde produtores de café, passando por representantes de empresas que atuam em todas as etapas da cadeia produtiva de seleção, processamento e embalagem do grão – chegando até grandes e pequenos empresários do setor, como por exemplo pessoas que estejam se preparando para abrir uma cafeteria. Além disso, o evento conta com a participação de agrônomos, mestres de torra, baristas e representantes de setores complementares, como o de leites vegetais. 

A programação completa e os convidados confirmados podem ser conferidos no site oficial: www.semanainternacionaldocafe.com.br e também nas mídias sociais do evento.

Serviço:

11ª Semana Internacional do Café – SIC

#conectadospelocafé

Local: Expominas – Av. Amazonas, 6200 – Gameleira – Belo Horizonte

Datas: 8 a 10 de novembro

Horário: 10h às 19h

Informações: www.semanainternacionaldocafe.com.br 

Ingressos: Pessoa física: R$ 60,00 (para os três dias) 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!