17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasComo a era digital mudou o mindset do agricultor?

Como a era digital mudou o mindset do agricultor?

Créditos Pixabay

*Por Max Ruben de Oliveira Schultz

É fácil perceber o grande impacto da pandemia na expansão da era digital no agronegócio e prever os seus efeitos para os próximos anos. De acordo com um estudo produzido pela McKinsey & Company, o agricultor brasileiro foi, na média global, o profissional que mais utilizou os meios digitais em suas atividades, acelerando mais a transformação digital de suas operações que países desenvolvidos.

A conclusão foi possível a partir de um comparativo entre os anos de 2019, 2021 e 2022. No ano anterior ao início da pandemia, 36% dos agricultores brasileiros utilizavam meios digitais para realizar compras de insumos e maquinários. Em 2021, houve um salto de 10 pontos percentuais no Brasil, com 46% dos produtores rurais lançando mão de ferramentas digitais para compra de produtos pertinentes à atividade. Já em 2022, o percentual nacional registrou uma leve redução para 41%, mas que não ameaça a posição do país na vanguarda da digitalização na agricultura. 

Outra conclusão positiva evidenciada pelo estudo é a de que cerca de 50% dos agricultores brasileiros já adotaram ou estão dispostos a adotar tecnologias agrícolas em suas operações. O pioneirismo dessa iniciativa se concentra entre os jovens produtores agrícolas e os grandes produtores de grãos, o que revela a conscientização acerca do uso de ferramentas e inovações tecnológicas como forma de otimizar e melhorar os produtos oferecidos no mercado, bem como impulsionar a competitividade internacional.

Sobre o uso do ambiente digital para a efetuação de compras de produtos, por parte dos produtores agrícolas brasileiros, o relatório revela que 71% deles preferem fazer as compras pelo formato híbrido, uma combinação entre o formato presencial com o digital – que engloba o uso de comércio eletrônico e troca de mensagens instantâneas. 

No entanto, uma das justificativas para a popularidade desse formato é a falta de confiança dos agricultores no processo de compra online, já que 41% deles apontaram esse desafio. 25% responderam que a falta de recomendações customizadas dos produtos, além da falta de atendimento ao cliente, alegada por 22% dos agricultores, também são barreiras que dificultam a adesão completa às compras online por parte do setor. Assim, surge a necessidade de investimentos na educação desses empresários até o aperfeiçoamento do formato de compras digital e investimentos em atendimento personalizado e de qualidade, garantindo ao produtor agrícola uma melhor jornada de compra.

Por mais que a era digital no campo seja, sim, inevitável, e representa uma tendência na qual todo o produtor deve se encontrar se deseja evoluir, oferecer soluções que realmente façam sentido e terminem por otimizar todas as áreas da produção agrícola é o que vai transformar esse cenário. Cabe ao segmento tecnológico entender a nova mentalidade do produtor rural, que, cada vez mais, aceita mudanças tecnológicas e compreende os benefícios de que a implantação de tecnologia especializada na gestão da lavoura faz toda a diferença dentro de uma estratégia voltada para o crescimento da produção. Isso engloba o controle sobre todos os aspectos da fazenda, desde insumos e produção até gestão de custos.

*Max Ruben de Oliveira Schultz é gestor de negócios do Agrotitan, software de gestão da Viasoft que oferece soluções em agronegócios para os setores de insumos agrícolas, cerealistas, agroindústrias, fazendas, algodoeiras, sementeiras, cooperativas e laticínios.

Enquanto o agronegócio continuar evoluindo para atingir novos horizontes, no que diz respeito à lucratividade e eficiência das práticas do gestor rural, as soluções tecnológicas deverão acompanhar essa evolução. Em outras palavras, como o ambiente digital expande as mais diversas tecnologias, é preciso contar com a solução certa para cada segmento do agronegócio, que ofereça funcionalidades especializadas e módulos facilitadores, especificamente projetados para as necessidades daquela produção rural. 

A estratégia omnichannel para interagir com o agricultor veio para ficar. Nos próximos anos, com o avanço do conhecimento e com mais agricultores tendo sucesso em suas experiências digitais, o caminho natural é de que o uso dessas ferramentas siga crescendo, o que cria novas oportunidades e traz modernização para todos os atores do ecossistema agrícola. 

ARTIGOS RELACIONADOS

A transformação digital chegou (e já faz tempo!) ao agronegócio

O agronegócio responde por quase 30% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A agropecuária se trata, portanto, de uma das forças impulsionadoras da economia nacional, com altas taxas de produção e exportação e que, assim como diversos outros setores, vem sendo fortemente impactada pela tecnologia nos últimos anos, antes mesmo da chegada da pandemia de Covid-19.

Plantio suspenso de morango

O plantio suspenso engloba vários sistemas de produções, NFT, aeroponia, aquaponia e sistema de fertirrigação por gotejamento em substrato. A denominação mais utilizada para os plantios suspensos é “produção fora de solo”.

Cafeicultores participam da Feira do Cerrado

Primeiro dia do evento organizado pela Cooxupé recebeu mais de 2,4 mil cooperados.

Traive destaca mudança de vida do produtor rural com dados e tecnologia

Fintech foi selecionada para participar do desafio das startups e no dia 28 de abril e fará apresentação para destacar as inovações e diferenciais da empresa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!