Como atender à crescente demanda por alimentos seguros e saudáveis? 

A nutrição por meio de fertilizantes nas folhas pode melhorar consideravelmente o desenvolvimento das culturas, ampliando o potencial das plantas.

0
277

Wladimir Chaga
Presidente da BRANDT do Brasil

Foto Shutterstock

Em todo o mundo, as pesquisas relacionadas à agricultura se voltam para soluções sustentáveis que atendam à crescente demanda por alimentos. Estimativas da FAO, agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para alimentação e agricultura, indicam que, até 2050, a população mundial deve chegar a 9 bilhões de pessoas e os governos de países em desenvolvimento precisam passar a investir anualmente US$ 44 bilhões em agricultura para alimentar a todos. De acordo com o Quadro Estratégico da FAO para 2022-2031, se faz necessário buscar sistemas agroalimentares cada vez mais eficientes e sustentáveis, a fim de se alcançar uma melhor produção, melhor nutrição, um melhor ambiente e uma vida melhor.

Nesse contexto, a ciência e a tecnologia têm grande importância. Cabem aos engenheiros agrônomos, profissionais essenciais neste mercado, buscarem e implementarem soluções cada vez mais sustentáveis, que promovam aumento de produção e segurança alimentar, mantendo o equilíbrio ambiental. O uso de fertilizantes é um caminho seguro, sustentável e eficiente para prover ao solo os nutrientes necessários para o cultivo de inúmeras culturas. Os diferentes tipos de fertilizantes disponíveis no mercado são capazes de recuperar solos degradados e tornar a terra mais produtiva, aumentando a produção por hectare. Com isso, é possível produzir mais utilizando uma parcela menor de terras, o que contribui para a preservação de matas nativas e para a redução de emissões dos gases responsáveis pelo efeito estufa.

Vale ressaltar que além do solo, é necessário cuidar das plantas ao longo do crescimento. A nutrição por meio de fertilizantes nas folhas pode melhorar consideravelmente o desenvolvimento das culturas, ampliando o potencial das plantas. Com o uso desses nutrientes, o agricultor pode ter resultados melhores na produção, o que tem impacto positivo no setor e na economia do país.

De acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária, o Brasil é o quarto país que mais utiliza fertilizantes nas lavouras, além de ser o quarto maior produtor de grãos e o segundo maior exportador do mundo. Entre as culturas que mais requerem o uso desses produtos estão a soja, o milho e a cana-de-açúcar. O principal nutriente utilizado pelos produtores brasileiros é o potássio, com 38%, seguido por fósforo, com 33%, e nitrogênio, com 29%. Estima-se que o Brasil seja responsável por alimentar uma em cada oito pessoas em todo o mundo.

Para cumprir a meta de alimentar 9 bilhões de pessoas em 2050, há muitos desafios a serem superados. Segundo Harold F. Reetz, em seu livro ‘Fertilizantes e seu Uso Eficiente (2016)’, “a extensão pela qual a produção mundial de alimentos depende do uso de fertilizantes irá, inevitavelmente, aumentar no futuro. Sem fertilizantes, o mundo poderia produzir somente cerca da metade dos alimentos básicos, e mais áreas sob florestas teriam que ser convertidas em áreas para a produção com culturas”.

Diante desse cenário, precisamos investir em ciência, tecnologia e inovação, visando ampliar a capacidade agrícola sem impactar negativamente o meio ambiente e a saúde das pessoas. Estamos correndo contra o tempo, mas seguros de que conseguiremos alcançar esse objetivo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!