27.3 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioAnimaisBovinosUso de pasto consorciado de gramíneas com leguminosas diminui impacto ambiental e...

Uso de pasto consorciado de gramíneas com leguminosas diminui impacto ambiental e eleva valor nutritivo

Foto – Ítalo Braz Gonçalves de Lima

Uma rede de pesquisas envolvendo o Campo Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) em Prudente de Morais, além de grupos como o Núcleo de Estudo em Forragicultura, da Universidade Federal de Lavras (Nefor/UFLA), tem revelado que a associação de gramíneas com leguminosas gera uma alimentação mais nutritiva e diversificada para animais, além de oferecer uma alternativa mais sustentável de entrada de nitrogênio, graças à fixação biológica do mesmo.

O nitrogênio (N) é considerado o principal nutriente para o crescimento e abundância das gramíneas, afetando diretamente na quantidade e no valor nutritivo da forragem disponível para bovinos, ovinos e bubalinos. A inserção de leguminosas, através de consórcio, tem o objetivo de introduzir N de uma forma eficiente e ecológica no pasto, oferecendo uma opção mais barata que a adubação nitrogenada tradicional, técnica ainda preferida pela maioria de produtores pecuários.

O pasto consorciado proporciona um aumento no aporte de N para os ruminantes ao mesmo tempo em que reduz o impacto ambiental da atividade pecuária. Isso ocorre por meio da fixação natural do nitrogênio atmosférico, resultante da simbiose realizada entre leguminosas e um grupo específico de microrganismos presentes no solo, os quais fornecem diversos compostos nitrogenados para esse tipo de planta, em troca de carboidratos.

Segundo Fernanda Gomes, pesquisadora da EPAMIG Centro-Oeste e uma das envolvidas nos trabalhos em pastos consorciados, a leguminosa aumenta a fertilidade do solo, além da quantidade e qualidade da forragem. “A composição celular da leguminosa permite que ela tenha maior digestibilidade dos nutrientes no rúmen, o que faz com que essa planta tenha maior valor nutritivo, melhorando a dieta do animal quando ingerida”, ressalta Gomes.

A pesquisadora lembra que o nitrogênio fornecido pela leguminosa é melhor aproveitado pelos microrganismos ruminais, pois essas plantas apresentam uma quantidade maior disponível da chamada “proteína verdadeira” em relação às gramíneas tropicais. Além disso, a presença de compostos secundários, como o tanino condensado, atua na diminuição da excreção do N pela urina, que é prejudicial ao meio ambiente por produzir um gás de efeito estufa muito estudado, o óxido nitroso (N₂O).

Outro benefício do uso de leguminosas em pastos consorciados é a permanência do nutriente no sistema, mesmo após o desaparecimento da planta. “O nitrogênio que adentra o terreno através da leguminosa mantém-se no solo em torno de um a dois anos após a morte da planta, por meio do processo de ciclagem desse nutriente através das excretas dos animais”, complementa a pesquisadora.

LEIA TAMBÉM:

Qualidade nutricional para bovinos Girolando melhora genética e produtividade
Brasil tem o maior rebanho bovino

Orientações para produtores

Para alcançar resultados positivos em pastagens consorciadas é necessário que as leguminosas forrageiras sejam adaptadas às condições ambientais e edáficas da região, além de serem resistentes a pragas e doenças. “Produtores que tenham interesse em criar pastos consorciados em suas propriedades precisam, primeiramente, avaliar relevo, tipo de solo, precipitação e temperatura da região para escolherem as leguminosas e gramíneas mais adaptadas à pastagem. Além disso, devem estar atentos à compatibilidade entre elas, pois a presença de duas espécies com diferenças fisiológicas, morfológicas, estruturais e nutricionais provoca competitividade entre elas, tanto acima quanto abaixo do solo, gerando uma gama de respostas que definirão sua produtividade, qualidade, vigor e persistência no campo”, detalha Fernanda Gomes.

Ainda segundo a pesquisadora, a prática de consorciar plantas de diferentes espécies em pastagem se estende a interações entre outros tipos, além das leguminosas. “Em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta, há a associação de pelo menos uma espécie destinada ao pastejo, normalmente gramíneas forrageiras, com uma cultura anual, como milho ou soja, e com espécies arbóreas, como eucalipto, mogno ou árvores nativas”, afirma Fernanda.

Atualmente, a EPAMIG desenvolve trabalhos com pastos consorciados em sistemas silvipastoris, implantados inicialmente pela pesquisadora Maria Celuta Machado Viana em Prudente de Morais (MG), e, desde 2020, tem pesquisado o consórcio entre a espécie capim-piatã e a leguminosa cratília, em parceria com a professora Ângela Lana, da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais.

Dentre as perspectivas futuras, Fernanda Gomes destaca a recuperação de áreas de vários campos experimentais da EPAMIG através da integração lavoura-pecuária, implantando pastos consorciados após a retirada da cultura anual. “Pretendemos também estudar duas leguminosas com hábitos de crescimento diferentes, a Desmodium ovalifolium e a Stylosanthes guianensis cv. Bela. Queremos verificar qual consórcio responde melhor quanto à produtividade do pasto, consumo da leguminosa, balanço do nitrogênio consumido pelos animais e emissão de metano, variáveis importantes em um sistema de produção de animal em pastagem”, conclui.

ARTIGOS RELACIONADOS

Erros na solução nutritiva da alface hidropônica

A produção hidropônica de alface tem se difundido cada vez mais no País, tendo em vista que essa hortaliça é a mais aceita pelos consumidores. A Enza Zaden e a Campo & Negócios apresentam um artigo com todas as informações da alface nesse sistema.

Tratamento de semente com fitohormônios – Que vantagens há?

Fitohormônios vegetais são substâncias naturais ou sintéticas que, quando aplicadas em plantas, geram mudanças metabólicas nas suas células e alteram processos vitais e estruturais....

Bayer introduz novo modelo de negócio na Show Rural Coopavel

A Bayer, multinacional de saúde e nutrição, anuncia que trará, nos próximos anos, novo modelo ...

Ácidos húmicos – Mais umidade para o solo

Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!