23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosComo os organominerais se comportam no solo

Como os organominerais se comportam no solo

Os organominerais são verdadeiros aliados no cuidado do solo, promovendo a melhoria da estrutura, retenção de nutrientes e estimulando o desenvolvimento das plantas.

Synara Silva
Engenheira agrônoma e mestra em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
synarasilv@gmail.com

Sylmara Silva
Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia– UFLA
Sylmara-silva@hotmail.com

O crescimento da produção agrícola no País está atrelado ao aumento da demanda por diferentes insumos, como sementes, defensivos e também por fertilizantes.  No ano passado, o aumento dos preços dos fertilizantes devido à guerra na Ucrânia e a busca por alternativas mais sustentáveis, fizeram com que os fertilizantes organominerais ganhassem destaque na produção agrícola.

Cana plantada com fertilizante organomineral (direita) e com fertilizante padrão fazenda (esquerda)
Crédito: Synara Silva

Atrelado a este fator, estão sendo observadas situações de baixa eficiência do fertilizante mineral na lavoura, o que promove também, maior visibilidade do organomineral. Entre os principais motivos do baixo rendimento, podemos destacar as perdas por volatilização, lixiviação, fixação e salinização.

Estudos mostram que a eficiência da adubação mineral de nitrogênio, fósforo e potássio pode chegar a apenas 60%, 12% e 70%, respectivamente. Contudo, a eficácia do organomineral gira em torno de 70% a 80%.

Desta forma, a adubação com organomineral apresenta relevância para gerar retorno financeiro ao produtor rural, pela maior eficiência da adubação e assimilação dos nutrientes pelas plantas.

Os fertilizantes organominerais

Existem diversas definições na literatura sobre o que são os fertilizantes organominerais. De modo geral, considera-se que os fertilizantes organominerais são resultado da combinação de material orgânico com fertilizantes de origem mineral.

No ano passado, foi lançado pelo Governo Federal o ‘Plano Nacional de Fertilizantes (PNF) 2022–2050’. A iniciativa visa fortalecer a competitividade da produção e da distribuição de fertilizantes no Brasil de forma sustentável, diminuindo a necessidade de importações e ampliando a competitividade do agronegócio brasileiro no mercado internacional.

Dentro deste documento, os fertilizantes organominerais destaca-se como promissora para a nutrição de plantas, tanto sob o ponto de vista ambiental quanto econômico.

Para ser considerado um fertilizante organomineral, o produto deve atender a parâmetros determinados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conforme a Instrução Normativa n.º25, de 23 de julho de 2009 e n°61, de julho de 2020.

A normativa determina que o fertilizante organomineral é uma mistura de uma ou mais matérias-primas orgânicas, podendo ser de origem animal, vegetal ou turfa, enriquecida com macro e micronutrientes. Pode ser obtido de uma mistura física ou pela combinação de fertilizantes minerais e orgânicos.

Classes

A legislação também classifica os fertilizantes organominerais em duas classes:

I – Classe “A”: produto que utiliza, em sua produção, matéria-prima gerada nas atividades extrativas, agropecuárias, industriais, agroindustriais e comerciais, todas isentas de despejos ou contaminantes sanitários, resultando em produto de utilização segura na agricultura;

II – Classe “B”: produto que utiliza, em sua produção, quaisquer quantidades de matérias-primas orgânicas geradas nas atividades urbanas, industriais e agroindustriais, com seu uso autorizado pelo órgão ambiental.

 Os fertilizantes organominerais também devem respeitar as determinações de no mínimo 8% de carbono orgânico (COT), máximo de 30% de umidade, capacidade de troca de cátions (CTC) mínima de 80 mmol/kg¹ e no mínimo 10% de macronutrientes e micronutrientes.

Portanto, o organomineral representa uma forma de destinação correta de resíduos diversos, além de permitir a adição de matéria orgânica no solo, sendo escassa na maior parte do solo brasileiro.

Benefícios da matéria orgânica

Dentro da matéria orgânica, o organomineral é composto por substâncias não-húmicas, substâncias húmicas, aminoácidos, hormônios vegetais, além de macro e micronutrientes. Na composição das substâncias não-húmicas (30%), possui lipídeos, ácidos orgânicos, carboidratos e proteínas.

Já na composição das substâncias húmicas (70%), possui ácido húmico, fúlvico e huminas. Os ácidos húmicos possuem a maior predominância na fração orgânica, sendo o responsável pela proteção dos nutrientes da fração mineral.

O maior aproveitamento ocorre devido à liberação gradativa dos nutrientes, com menor exposição no solo (slow release), menor fixação diante do menor contato do fósforo ao óxido de ferro e alumínio, evita as perdas por volatilização, com a baixa transformação de amônio em nitrato pelas bactérias, e por fim, menor lixiviação de nitrogênio e potássio.

 A redução de perdas por lixiviação, volatilização e adsorção promove a maior capacidade de troca de cátions (CTC), estabilidade da temperatura, estruturação do solo, melhor aeração e maior desenvolvimento radicular. 

O húmus é o responsável por propiciar a maior retenção de água no solo, com o uso de organomineral, devido às características esponjosas. Desta forma, melhora a capacidade produtiva das plantas em relação aos principais processos biológicos, como germinação, crescimento, florescimento e a frutificação.

Para as plantas

Os benefícios às plantas são indiscutíveis. As substâncias húmicas liberam fitormônios no solo que, ao serem absorvidos pela planta, estimulam a divisão e expansão celular, com a maior emissão de raízes laterais.

O maior volume radicular aumenta a superfície de contato para absorção de água e nutrientes, e como consequência, possui maior tolerância a estresses abióticos e promove a maior produtividade.

Em relação à atividade microbiana no solo, a aplicação de organomineral tem relação direta com a biologia do solo. A presença de húmus ativa o crescimento de microrganismos, principalmente a maior proliferação de fungos e bactérias benéficos para o crescimento das plantas e a redução dos fungos patogênicos.

Com o maior estabelecimento no solo, utilizam da matéria orgânica para seu estabelecimento no solo e auxiliam na decomposição, além de melhorar a absorção dos nutrientes minerais.

Utilização na agricultura

Existem diversos trabalhos que relatam a eficiência do uso de fertilizantes organominerais, tanto em culturas perenes quanto em culturas anuais. Entre os principais cultivos com maior uso destes fertilizantes destacam-se o café, citros, pastagens, cana, hortaliças em geral, soja, milho e feijão.

A melhor época para a utilização do organomineral é no sulco do plantio, porém, também pode ser aplicado a lanço em adubações de cobertura. No Brasil, a maioria dos solos tem pH ácido e, na fração orgânica, o ácido húmico possui a maior predominância e apresenta solubilidade em meio alcalino.

Portanto, o ideal seria realizar a correção do solo por meio da calagem, antes do plantio, para aumentar a eficiência da sua adubação diante dos principais benefícios que a matéria orgânica promove.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fertilizantes organominerais aumentam porosidade do solo

Fabiano Pacentchuk Engenheiro agrônomo, mestre em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) fabianopacentchuk@gmail.com Margarete KimieFalbo Médica veterinária, doutora e professora do curso de Medicina Veterinária "...

ABAF participa do Seminário Conhecendo o Eucalipto e os Benefícios das Florestas Plantadas

Evento promovido pela Bracell acontece dia 19/07, às 13h, em Alagoinhas (BA) A Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) participa do Seminário Conhecendo o Eucalipto...

Agricultura: Uma atividade em movimento

AutorFernando Mendes Lamas Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste – Dourados (MS) fernando.lamas@embrapa.br Produzir alimentos, fibras e energia para atender as necessidades da população é um...

Pouca água – Cafeeiros novos com topo da copa achatado

Autor José Braz Matiello Engenheiro agrônomo - Fundação Procafé jb.matiello@yahoo.com.br Plantas novas de cafeeiros, na fase de formação das lavouras, podem apresentar o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!