23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioLançamentosControle biológico é opção para combate a pragas

Controle biológico é opção para combate a pragas

Pesquisadora da EPAMIG alerta sobre a importância do monitoramento para evitar infestações em lavouras e para a definição das metodologias empregadas

A atuação do fenômeno El Niño, com previsão de chuvas abaixo e de calor acima da média, faz aumentar a preocupação com a infestação de insetos pragas (Spodoptera e Helicoverpa) em culturas como a do milho.

Trichogramma em ovo de Helicoverpa MLCF

A entomologista Maria de Lourdes Corrêa Figueiredo, da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), alerta que o produtor deve realizar o correto monitoramento da lavoura para definir o momento certo e quais metodologias de controle devem ser aplicadas. “Geralmente, os agrotóxicos são a primeira opção adotada para evitar perdas econômicas, mas ao se interferir na cadeia biológica para controlar as pragas, todo o sistema fica comprometido e o uso inadequado dos inseticidas pode ocasionar a seleção de indivíduos resistentes e a explosão dessas pragas”, afirma.

O controle biológico, por meio de inimigos naturais (predadores dos insetos pragas), pode ser uma importante ferramenta a ser aplicada, combinada ou em substituição às práticas tradicionais. “O controle biológico aplicado reduz a pressão de seleção de pragas em cultivos transgênicos e pode complementar a rotação de agrotóxicos retardando a primeira pulverização e a quebra da resistência da praga aos inseticidas”, informa Maria de Lourdes.

A pesquisadora explica que o controle biológico natural consiste nas ações humanas para conservar e estimular a ocorrência dos inimigos naturais. Já o controle aplicado se dá pela liberação massiva de inimigos naturais, chamados de bioinsumos, para reduzir a população das pragas.

“Dentre os inimigos naturais, os insetos parasitoides atuam nas fases de desenvolvimento dos insetos-praga (ovos, larvas, ninfas, pupas e adultos) e são considerados agentes de mortalidade. São espécies cujo ciclo, do ovo ao adulto, ocorre em um único hospedeiro,  causando a morte deste, ao completar parte ou todo o seu ciclo de vida”, esclarece a pesquisadora.     

Como exemplo, Maria de Lourdes cita, os parasitoides de ovos do gênero Trichogramma, “vespinhas com cerca de 0,5 mm que parasitam os ovos de mariposas que atacam as culturas do milho, da soja, da cana-de-açúcar e do algodão, dentre outras, antes que a fase larval dessas mariposas se multiplique e cause danos”.    

Monitoramento e equilíbrio

O controle biológico pode ser adotado no manejo de pragas em sistemas orgânicos ou convencionais, sozinho ou integrado ao controle químico. “Os parasitoides são considerados bioinsumos efetivos, de baixo custo e não tóxicos. Com excelente custo benefício. Estes inseticidas biológicos são registrados como agrotóxicos, mas sem restrição de uso”, acrescenta a pesquisadora.

Um cuidado, apontado como primordial por Maria de Lourdes, é o monitoramento da praga alvo. “A evolução do manejo deve considerar o nível da praga e de seus inimigos naturais antes e após a liberação. O objetivo é a manutenção do equilíbrio das populações, praga / inimigo natural, para tomar decisões sobre a definição de uma ou mais liberações de bioinsumos, conforme a presença da praga e a resposta do inimigo natural na cultura”, orienta. “Caso seja necessário aplicar agrotóxico deve-se considerar produtos seletivos aos inimigos naturais, com princípio ativo que não os afete”, completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

CESIS Consultoria – A palavra de quem entende

A CESIS Consultoria, sediada em Brasília (DF), trabalha com o registro de produtos, sendo uma empresa especializada na área de biológicos. “Atendemos a esse...

Eficiência da Beauveria contra tripes do feijoeiro

Janaina Marek Engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Centro-Oeste janainamarek@yahoo.com.br Dione de Azevedo Engenheiro agrônomo " Cooperativa Agroindustrial Bom Jesus dione.azevedo@hotmail.com O tripes do...

Manejo Biológico: uma estratégia eficaz

O estudo avaliou parâmetros químicos e biológicos, além da atividade fisiológica da planta, em três regiões diferentes: Lençóis Paulista (SP) e duas áreas em Primavera do Leste (MT).

ABC Bio elege nova diretoria e conselho – biênio 2017/18

A partir de janeiro de 2017, a ABC Bio(Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico) terá nova diretoria e conselho. O novo presidente para...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!