Inicio Revistas Hortifrúti Cultivo de berinjela japonesa em estufas

Cultivo de berinjela japonesa em estufas

0
564

Douglas José Marques

Doutor e professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano-UNIFENAS

glauciogenuncio@gmail.com

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Nos últimos anos, o cultivo da berinjela vem se desenvolvendo muito, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, tendo em vista que seus frutos são muito nutritivos e saborosos. Os países com maior produção são Israel (42,698 kg ha-1), valor bem acima daquele atingido na China (16,257 kg ha-1) e na América do Sul (13,061 kg ha-1), e ainda, no Brasil 25,981 kg ha-1, sendo os Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro os dois maiores produtores.

A maior produção de berinjela é no Estado de São Paulo eatualmente são comercializados 24,521 toneladas.

O mercado consumidor brasileiro tem se tornado cada vez mais exigente quanto à qualidade do produto e preço, o que tem levado os produtores de oleráceas à utilização de cultivares e híbridos de alta produtividade e qualidade de frutos.Dentre essas cultivares se enquadra a berinjela japonesa.

Cultivo protegido de berinjela

O cultivo de berinjela japonesa deve ser feito preferencialmente em ambiente protegido. Esse sistema de produção favorece a maior adaptação da cultura, produção e frutos com maior qualidade.

A cultura da berinjela necessita de temperatura alta para o seu desenvolvimento, então, a utilização do cultivo protegido possibilita maior temperatura, que se traduz em ganho de eficiência produtiva, além de o cultivo protegido reduzir o efeito da sazonalidade, favorecendo a oferta mais equilibrada ao longo dos meses. Além disso, pode encurtar o ciclo de produção.

As variedades de berinjela mais comercializadas apresentam formato alongado, de 13 a 17 centímetros de comprimento, e cor roxo-escura, quase preta. Mas há também frutos com características diversas, como os finos e alongados de cultivares do tipo japonês, plantadas em São Paulo. São encontrados nas cores roxa e verde.

As arredondadas do tipo italiano têm casca púrpura ou rosa rajada, polpa adocicada e poucas sementes.As cultivares de berinjela japonesa com maior aceitação pelo mercado consumidor e pelos produtores são Kokuyo, ShoyaLong, KumamotoNaganassu, KokushiOonaga, KuroKunishiki. No entanto, o produtor deve procurar um agrônomo para indicar a cultivar que tenha maior aceitação comercial na sua região.

Nova Imagem

Por que em estufas?

As vantagens e oportunidades do cultivo protegido são muitas, dentre as quais:

ðAumenta a produtividade da cultura;

ðPossibilita o controle do ambiente, permitindo a produção de diversas culturas em diferentes regiões e épocas do ano;

ð Diminui o ciclo da planta;

ð Reduz o consumo de água, já que o sistema fechado reduz a evapotranspiração;

ð Proteção contra chuva, granizo e geadas;

ð Controle do vento e da radiação solar;

ð Melhor condição de trabalho para os funcionários;

ð Possibilidade de produzir e comercializar produtos diferenciados.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Para as oportunidades, destacamos:

â–º Possibilidade de bom retorno econômico em áreas de pequena escala de produção;

â–º Consumidores dispostos a pagar mais por produtos de qualidade, especialmente por hortaliças diferenciadas;

â–º Comercialização na época de entressafra;

â–º Opção para regiões com alto custo da terra.

 

Dicas importantes

Antes de migrar para esse tipo de sistema de produção, não somente o produtor, mas também seus funcionários precisam estar capacitados a fazer o manejo correto, o qual difere do realizado em campo aberto em alguns momentos. Muitas doenças em cultivo protegido tendem a ser mais severas que em campo aberto.

Na maioria das vezes, a vulnerabilidade da planta está associada à prática comum de adensamento realizada em estufas, que cria condições favoráveis a determinadas doenças. Por isso, é de suma importância o conhecimento técnico, que determinará a produtividade a ser obtida ao longo dos anos.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de Julho 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

 

SEM COMENTÁRIO