27.6 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesEm ano de estiagem, produtores aumentam em 13% o volume de leite...

Em ano de estiagem, produtores aumentam em 13% o volume de leite comercializado

Estudo feito pela SIA Brasil com quase 70 produtores também mostrou que elevação do faturamento destas propriedades cresceu 46% em um ano

Créditos: Pixabay

Mesmo em tempos de crise no setor leiteiro, há espaço para crescimento de produção e no faturamento das propriedades leiteiras. Estudo feito pela SIA, Serviço de Inteligência em Agronegócios com 68 produtores atendidos pela consultoria no Rio Grande do Sul em 2021 e 2022, mostrou que o volume de leite comercializado por estes produtores aumentou na faixa de 13% e este aumento veio com a melhoraria a qualidade do leite comercializado, com redução de 19% na Contagem Bacteriana Total (CBT).

Conforme o gerente Técnico da SIA, Armindo Barth Neto, o que se observou é que este aumento de produção não foi à base de aumento de alimentação fornecida no cocho, o que é esperado em anos de estiagem, que acabam elevando o custo e criando na maioria das vezes um ganho ilusório. “O que vimos é que estes produtores não aumentaram a quantidade de ração fornecida e o fornecimento de silagem inclusive reduziu em 9%. Eles melhoraram o manejo das pastagens e a disponibilidade de pasto ao longo do ano. Produzir pasto o ano todo o ano e colher bem a forragem produzida, com o bom manejo mesmo com a restrição hídrica, conseguem resistir a estas intempéries, mantendo baixo o custo de produção”, destaca.

O estudo da consultoria mostrou também que o rebanho leiteiro médio destas propriedades saltou de 21 para 24 vacas na análise destes produtores, um ganho de 12%, quando no mesmo período se viu muitos produtores reduzindo o rebanho pelos problemas de estiagem. Destes 68 produtores, somados estes 13% de aumento na produção com aumento no preço recebido pelo leite na casa de 26%, estes produtores aumentaram 42% no faturamento no ano.

Barth Neto ressalta que se pegar os Top 10 da lista, neste grupo o aumento na comercialização do leite foi na casa de 46%, com o número de vacas em lactação aumentou de 24 para 30 vacas. “Houve melhoria na qualidade do leite reduzindo a CBT em 40%, CCS em 10%. E quando olhamos para silagem e ração os números se mantiveram praticamente os mesmos. Estes produtores conseguiram gerenciar o manejo das pastagens, montar um planejamento forrageiro para não faltar ao longo do ano e conseguiram colher excelentes frutos”, reforça.

Neste grupo, conforme o estudo, o faturamento saltou 96%. “Estes produtores saíram de R$ 265 mil para R$ 519 mil ao ano. Este aumento não foi puxado simplesmente pelo valor do leite recebido, que para estes foi de 34%. Casando esses 46% no aumento da comercialização com os 34% do valor, representou um faturamento na casa de 96% maior comparando 2021 e 2022”, salienta o gerente Técnico da SIA.

Para Barth Neto, fica claro que mesmo em momentos difíceis, os que têm acesso à tecnologia, com uma boa orientação técnica, conseguem crescer mesmo em tempos de crise. “Muitas vezes o sistema a pasto é considerado de baixa tecnologia. Mas o conhecimento evoluiu muito e eles podem ser utilizados como uma alta tecnologia, usando conhecimento da ciência e quando isso é aplicado no campo, conseguem aumentar a produção, trabalhar com um custo mais barato e tendo um aumento considerável da rentabilidade”, ressalta.

ARTIGOS RELACIONADOS

Leite orgânico: da produção ao consumo consciente

Nos últimos anos, os consumidores passaram a se interessar mais em saber como os alimentos são produzidos.

Consumo médio de lácteos tem potencial de aumentar mais de 50%

Estudo indica ainda que consumo médio de lácteos tem potencial de aumentar mais de 50%.

Dia Mundial do Leite

No dia 1° de junho é comemorado o Dia Mundial do Leite. A data foi criada em 2001, pela Organização das Nações Unidas para...

Mastite pode dar prejuízo de até 1000 reais por vaca aos produtores de leite

O mais importante problema sanitário da pecuária de leite, a mastite, pesa muito no bolso dos produtores. Segundo dados da Embrapa, a enfermidade pode representar custos de até R$ 1.000,00 por vaca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!