Em meio a seca, inverno é opção para produção de silagem e pré-secado

0
299
Fotos: Divulgação Biotrigo

Mixes de cultivares de trigo aproveitam a planta inteira na produção de silagem e pré-secado com alto valor nutricional. Novidade será apresentada na Expodireto Cotrijal, entre 2 e 6 de março, em Não-Me-Toque (RS)

A cidade de Não-Me-Toque (RS), recebe a partir da próxima segunda-feira (2) a 21ª edição de um dos eventos mais completos do setor agropecuário do país: a Expodireto Cotrijal. O evento segue até o dia 6 de março com a exposição de várias tecnologias, palestras e fóruns técnicos. A utilização do trigo de planta inteira como fonte alternativa de proteína e energia na dieta do rebanho será um dos destaques nesta edição.

A novidade é o lançamento de mixes de cultivares de trigo para silagem e pré-secado que tem em comum duas particularidades: a ausência de aristas – por isso tem alta palatabilidade, elevada digestibilidade e qualidade nutricional – é fonte rica de proteína e de energia, além de fornecer fibra efetiva. Segundo o gerente de nutrição animal da Biotrigo, Tiago de Pauli, o objetivo do projeto da Biotrigo ao lançar trigos exclusivos para alimentação animal é atender a uma demanda comum entre os pecuaristas: a escassez de alimentação durante períodos de baixa oferta, perdas de produtividade ou seca. “Dentre as estações do ano, o verão é o período em que se faz o maior volume de alimento conservado, especialmente a silagem de milho, mas na maioria das vezes a sua produção não garante a alimentação no restante do ano e é especialmente no outono, onde ocorre a troca das pastagens de verão e entram as de inverno, que as preocupações aumentam porque essa troca se estende por até 3 meses e logo após com o frio intenso, a umidade e as geadas prejudicam o desenvolvimento das pastagens e a produção de alimentos conservados. Já o trigo, além de manter o solo produzindo na entressafra das culturas principais, pode substituir parcial ou totalmente o milho na formulação de dietas balanceadas, com a vantagem de fornecer maior concentração de proteína e ainda aumentar o retorno financeiro”, explica.

A razão que motivou a pesquisa para desenvolver uma planta exclusiva para alimentação animal e diferente dos demais trigos de duplo propósito foi facilitar o consumo por parte dos animais. Através das técnicas de melhoramento genético, foram selecionadas linhagens sem aristas que dificultavam o consumo e até provocavam lesões no trato digestivo por serem resistentes e pontiagudas. Outro problema da arista é o seu alto teor de compostos fenólicos (lignina) que o ruminante não consegue digerir. “Ao se alimentar com as cultivares TBIO Energia I e TBIO Energia II, que compõem os mixes chamados Energix, o trato digestivo do animal não será ferido, como normalmente seria com um trigo comum”, ressalta Tiago.

Em relação às características agronômicas, o analista de nutrição animal, Luiz Michelon, explica que as cultivares possuem ciclo precoce (em torno de 90 a 100 dias para ensilar), podendo liberar a área mais cedo para a próxima cultura (milho, soja, feijão), pois o período de semeadura ideal é idêntico ao zoneamento dos trigos comuns. O pré-secado é produzido entre 65 e 75 dias e a silagem entre 90 a 100 dias pós emergência no período do inverno. Luiz comenta ainda que os materiais possuem um bom pacote fitossanitário e manejo fácil. “As cultivares possuem bons níveis de tolerância às principais doenças, ótima sanidade foliar e boa resistência ao acamamento”, complementa.

Alto valor nutritivo

O zootecnista e supervisor de nutrição animal da Biotrigo, Ederson Luiz Henz, explica que os mixes de cultivares de trigo utilizam a planta inteira na produção de silagem e pré-secado, sendo indicados na alimentação de ovinos, gado de corte, confinados, novilhas, vacas em pré e pós-parto e vacas em lactação. “Quando avaliamos o valor nutricional ou qualidade do Energix 201 e Energix 202 para silagem, ambos mantêm a produção e ainda incrementam em proteína e energia, com produção de 25 a 30 T/ha de MV (Massa Verde) de biomassa, engordando os animais em menos tempo.  Também obtivemos índices satisfatórios para um bom funcionamento fisiológico do rúmen, bem como para síntese proteica de tecidos e produtos metabolizados, contribuindo em ótima fonte de energia (silagem) para os ruminantes, oriunda de carboidratos estruturais (celulose, hemicelulose e pectina) e não estruturais (os açúcares e polissacarídeos amiláceos) contidos na cultura”.

Recomendações

Conforme o zootecnista, a silagem do Energix pode substituir até 100% do volumoso para gado de corte, confinado, novilhas e vacas em pré-parto. Para vacas leiteiras de alta produção, até 60% do volumoso. O pré-secado é recomendado também para vacas lactantes de alta produtividade e gado de corte.

Trigo para pastejo

Outra tecnologia de trigo que pode ser utilizada no sistema integração lavoura-pecuária é uma cultivar de trigo exclusiva para o pastejo também do portfólio da Biotrigo Genética. Ao contrário do trigo para produção de alimento conservado, Lenox tem ciclo longo e não espiga, fornecendo sempre a fração mais nobre da planta que são as folhas para os animais. A semeadura pode ser feita a partir do dia 10 de março, e pela alta capacidade de rebrota, proporciona novos pastejos em poucos dias, com intervalo entre 20 a 25 dias, mantendo teores de proteína em 30% até o último pastejo safra.

Expodireto Cotrijal 2020

Os materiais estarão expostos na Expodireto Cotrijal, entre 2 e 6 de março, em Não-Me-Toque/RS. O estande da Biotrigo Genética está localizado na Avenida B – área de produção vegetal do parque de exposições.