28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesEsteiras ganham mercado agro no Brasil

Esteiras ganham mercado agro no Brasil

Divulgação

As esteiras agrícolas já são usadas largamente desde os anos 1990, principalmente nos Estados Unidos. Entretanto, no Brasil, esse sistema de rodagem começa a ganhar mercado só agora, especialmente no Centro-Oeste e na região do Matopiba, que inclui o Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Uma das principais vantagens desse sistema de rodagem é que ele compacta menos o solo e, com isso, garante uma produtividade maior das lavouras. “As esteiras agrícolas em tratores e colheitadeiras são muito usadas para terrenos mais úmidos. Só que é um sistema que pode ser usado para qualquer tipo de área. Também pode ser usado a qualquer momento, na colheita, plantio e no período de pulverização das lavouras”, explica o coordenador de Pneus Agrícolas da Pivot, Rodrigo Viana.

Embora não se tenha números oficiais de quantas propriedades rurais ou equipamentos usam esse tipo de equipamento, grandes empresas especializadas na comercialização de maquinários agrícolas aumentam a oferta desse tipo de produto. É o caso da Pivot Máquinas Agrícolas e Sistemas de Irrigação, que desde agosto deste ano, passou a ser a revendedora oficial e exclusiva das esteiras agrícolas Soucy em Goiás e na região noroeste de Minas Gerais.

Segundo o coordenador, outro ponto positivo do sistema é a maior durabilidade em relação aos sistemas de rodagens por pneus. “As esteiras conseguem operar em condições de solo e clima mais adversas e por muito mais tempo, e mesmo assim gastam menos combustível e sua manutenção pode ser feita após 500 horas de trabalho ou anualmente”, esclarece Viana. Ele ainda acrescenta que a maior produtividade e o menor custo de manutenção compensam o valor um pouco mais alto do que os pneus agrícolas. “Diferente do que se possa imaginar, a instalação das esteiras em seus maquinários é rápida e fácil. No caso dos modelos da Soucy, a troca de pneu para esteira é feita em cerca de 2 a 3 horas apenas”, explica o especialista do grupo americano com mais de 50 anos de mercado, que é parceiro da Pivot nessa nova operação.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fungicidas protetores movimenta R$ 2,1 bilhões

O estudo BIP – Business Inteligence Panel Soja, da Spark Inteligência Estratégica, recém-concluído ...

Agronegócio movimenta o mercado

Historicamente, o agronegócio sempre segurou a economia goiana e seus bons resultados ...

Manejo do melão no Rio Grande do Norte

A Brandt, uma das maiores fornecedoras de fertilizantes especiais do mundo, investe em pesquisas e desenvolvimento de melão. Alguns produtos da empresa já foram testados em universidades do Rio Grande do Norte e os primeiros resultados são animadores.

Produtor deve estar atento a compra de máquinas e implementos

A pandemia causada pelo coronavírus gerou impacto em diversos segmentos e mercados. Um deles foi o de máquinas e implementos no agronegócio, que passou a enfrentar problemas com fornecimento de matéria-prima. Uma pesquisa online feita pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) avaliou os efeitos dos seis meses da pandemia na indústria, e mostrou que 47% das empresas estão encontrando dificuldades para conseguir insumos, matérias-primas e mercadorias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!