19.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesFenômeno La Niña prevê chuvas em outubro sem atraso, diz meteorologista

Fenômeno La Niña prevê chuvas em outubro sem atraso, diz meteorologista

Clima e mercado foram debatidos durante encontro técnico de soja, em Cuiabá

Foto: Joabe Amorim

Após uma safra marcada pelo fenômeno El Niño, que provocou seca no Centro-Oeste afetando a produção de soja em várias regiões mato-grossenses, produtores estão em alerta para as condições climáticas que vão enfrentar pela frente. E o que está previsto para o segundo semestre é a ocorrência de um La Niña, que resfria a temperatura da superfície da água no Oceano Pacífico Tropical Centro e Tropical Oriental.

O satélite Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA), dos Estados Unidos,  indica que a La Niña tem 69% de chance de se desenvolver entre julho e setembro deste ano. De acordo com a meteorologista da Nottus, Desirée Brandt, tradicionalmente, o comportamento do fenômeno promove mais seca no sul e chuvas com mais qualidade e melhor distribuição no Centro-Oeste. Mas, chama a atenção para outros fatores, como a possibilidade de doenças nas lavouras, pois o La Niña aumenta as chances de invernadas (períodos frios e chuvosos em pleno verão) na época da colheita.

“Ainda é uma perspectiva, que precisará ser monitorada nos próximos meses para que se confirme. Por enquanto, os modelos climáticos estão apontando algo dentro do normal, ou seja, sem atraso, e pelo contrário, mostrando até uma condição para um outubro úmido”, destacou.

A principal preocupação dos produtores é a possibilidade de redução de chuvas durante o desenvolvimento da soja, o que pode prejudicar o crescimento e a produtividade das lavouras. O monitoramento das condições climáticas e a adoção de estratégias de manejo adequadas são fundamentais para minimizar os impactos climáticos na produção de soja.

“A orientação para os produtores é eles estarem atentos, porque o La Niña ainda deve ser formado. É uma previsão que precisa de um monitoramento para se observar até que ponto este fenômeno climático realmente provocará algum impacto para a safra 24/25.  Normalmente quando se tem uma safra de verão com La Niña, em média, chove menos no Sul e mais no Norte e Nordeste do Brasil. No Sudeste e Centro-Oeste, há chances de períodos frios e chuvosos. Ou seja, historicamente este fenômeno pode trazer um atraso do período úmido, mas por outro lado, prolongar este período”, explicou.

Mercado

Contribuindo com o painel, Matheus Pereira, diretor da empresa Pátria Agronegócios, apresentou a atualização dos dados da safra 23/24 de soja.  Uma produção de 142,82 milhões de toneladas, com queda de 7,6% em relação ao ciclo anterior. Números que já demonstram o impacto com a tragédia no Sul do país e que ainda podem ser revisados para baixo. Segundo Matheus, a fuga do investidor estrangeiro na bolsa, atingiu um dos piores patamares desde a pandemia.

Representando os produtores rurais, Ricardo Arioli, assessor da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), chamou a atenção para um artigo publicado recentemente no La Nacion, tradicional jornal da Argentina, sobre o comparativo entre a agricultura do estado de Mato Grosso e o país argentino. Com destaque para a produção de milho, que incrementou 2820% e a de soja em 249% em 20 anos no estado mato-grossense. A reportagem elogia as tecnologias empregadas em solo brasileiro e políticas de exportação também

Encontro Técnico

Esses eventos climáticos foram apresentados no painel Mercado & Clima que abriu a programação do XXIV Encontro Técnico de Soja, realizado pela Fundação MT, entre os dias 14 a 17 de maio, em Cuiabá-MT. O momento reuniu especialistas que abordaram os desafios enfrentados na última safra e as tomadas de decisões futuras baseadas em informações precisas.

ARTIGOS RELACIONADOS

La Niña traz temor de nova estiagem no Paraná e falta d’água na Grande Curitiba

Preocupação cresceu após a tragédia climática que devastou o Rio Grande do Sul nas últimas semanas

VÍDEO: Produtor do Rio Grande do Sul relata prejuízos após fortes chuvas

A enchente alcançou a propriedade e os animais de Seu José

Rio Grande do Sul contabiliza 32 mortes e 64 desaparecidos após fortes chuvas

Nível do Rio Guaíba pode chegar a 5 metros e avançar sobre o Centro Histórico e bairros da capital gaúcha

Os prejuízos causados pelas chuvas em Outubro

Diversas culturas de inverno sofreram grandes perdas. E tem previsão de mais chuvas em novembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!