27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFertilizantes organominerais: resultados no alho

Fertilizantes organominerais: resultados no alho

Foto: Shutterstock

Roberta Camargos de Oliveira
robertacamargoss@gmail.com
Fernando Simoni Bacilieri
ferbacilieri@zipmail.com.br
Engenheiros agrônomos e doutores em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

O alho (Allium sativum L.) é apreciado e consumido no mundo inteiro. Os bulbos são utilizados para fornecer sabor e aroma aos alimentos e auxiliar na manutenção da saúde, principalmente devido às propriedades antioxidantes, compostos fenólicos e altos níveis de outros componentes com importante ação no organismo humano.

Inclusive, contêm selênio (importante para a saúde do cérebro), aminoácidos livres e substâncias com propriedades antimicrobianas, sendo capazes de inibir o desenvolvimento de mais de 300 espécies de microrganismos.

O Brasil consome cerca de 360.000 toneladas de alho, sendo 47% produzido em território nacional e o restante importado, principalmente da China, seguido de Argentina e Espanha.

A cultura ocupa ao redor de 14 mil hectares e estima-se que do total produzido nestas áreas, 20% dos bulbos são destinados para os plantios e bulbos que são impróprios para o mercado. A produtividade média varia entre 12 a 16 t ha-1 (Goiás e Minas Gerais) e 5,0 a 9,0 t ha-1 (região sul).

Avanços

Nos últimos anos, a ciência tem revelado muitos avanços no conhecimento, e uma descoberta importante refere-se ao ‘segundo cérebro’ humano (intestino), sendo o microbioma intestinal elementar para a manutenção da saúde, responsável pela produção de diversas substâncias, transferência de nutrientes e modulação do sistema imunológico.

A alicina, uma das moléculas bioativas em alho, fortalece o ‘segundo cérebro’, ao participar favoravelmente na renovação e nas características de desenvolvimento (vilosidades, altura e profundidade) da camada de epitélio intestinal, melhorando assim a capacidade do sistema digestivo, aumentando a absorção e assimilação nutricional e a supressão de população de microrganismos maléficos.

Para atender em produção e qualidade nutricional, ou seja, a adequada formação pelas plantas destes compostos desejáveis, é fundamental que os manejos das lavouras sejam direcionados para maximizar a fisiologia da planta por meio do adequado fornecimento do aporte de nutrientes para as plantas.

Adubação

Os nutrientes devem ser fornecidos por meio de fontes adequadas em quantidades e formas, de forma a atender a demanda do desenvolvimento das plantas (seguindo a marcha de absorção de nutrientes e potencial de assimilação, de acordo com as condições climáticas e o estágio dentro do ciclo), garantido assim que as plantas tenham a quantidade compatível dos nutrientes necessários para altos rendimentos.

As plantas de alho requerem grandes quantidades de nutrientes, o que gera, muitas vezes, aplicações de doses bastante elevadas na cultura. A resposta em produção estimula o investimento, porém, a prática recorrente de doses pesadas pode causar vários problemas, desbalanço geral entre macro e micronutrientes e impactos ambientais significativos em relação à lixiviação, percolação, salinização que contamina a água e o solo e a supressão da microbiota benéfica, que nutre a rede de comunicação entre as plantas.

Para minimizar os impactos de ordem ecológica e promover melhor ambiência para as plantas, frações orgânicas, de diversas origens, têm sido propostas para fazer parte do sistema da cadeia produtiva do alho.

Os componentes orgânicos associados a frações minerais formam os organominerais (OM), que possibilitam a liberação lenta dos nutrientes, sendo considerada uma estratégia de longo prazo e com vantagens mais complexas (ordem física, química, biológica) e com resultados mais lentos em relação à aplicação do manejo químico tradicional.

Quem são eles

A tecnologia OM considera a reciclagem de substâncias de natureza, estruturas e composição diversas, promovendo uma disponibilidade de grande quantidade de diferentes fontes orgânicas (agronômicas, industriais e urbanas) em combinações com doses ajustadas de minerais.

Foto: Shutterstock

Tal diversidade de produtos possíveis contribui para ampliar a resiliência dos sistemas agrícolas. 

Características e qualidades

As frações orgânicas são constituídas de estruturas de ácidos fúlvicos (AF), ácidos húmicos (AH) e huminas (HN). Para ser considerado OM, o fertilizante deve apresentar um mínimo de 8% de carbono orgânico total, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Os fertilizantes OM podem ser classificados em sólidos (farelos ou granulados), para aplicação no solo, fluidos para aplicação no solo, líquidos para aplicação foliar e líquidos para aplicação em fertirrigação.

Dentro da legislação e normativas, em cada uma das classes há a definição de condições mínimas a serem cumpridas, em destaque: quantidade de carbono orgânico; umidade máxima; CTC mínimo; teores de macronutrientes primários isoladamente (N, P, K) e em misturas (NP, NK, PK ou NPK); macronutrientes secundários e micronutrientes isoladamente ou em misturas.

Na resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), além da forma de aplicação, é considerada a origem dos resíduos, teor de impurezas, patógenos, coliformes e metais pesados. Há, também, políticas públicas que regem o setor de fertilizantes OM visando a qualidade do produto que os agricultores irão receber.

Ação no solo

Alguns OM possuem aumento da solubilidade do fósforo com a presença de matéria orgânica, devido à formação de complexos favoráveis à absorção pelas plantas e à interação diferenciada entre as partículas do fertilizante OM e as partículas do solo, que formam uma proteção ao fósforo, a qual reduz a capacidade do solo em fixar fosfato.

OM’s promovem diferenças na dinâmica do solo, de acordo com o comportamento, formação, composição e propriedades das frações orgânicas e das propriedades do solo (origem, manejo, histórico de uso e condições climáticas).

Mais produtividade

A presença de frações orgânicas desempenha um papel importante na determinação da mobilidade e biodisponibilidade de nutrientes orgânicos/inorgânicos; melhora a vida biológica do solo, aumentando as populações de microrganismos benéficos do solo e possibilita melhorias na retenção de umidade e aeração do solo, reduzindo problemas com compactação.

Os componentes orgânicos do OM também estão envolvidos em mecanismos vegetais, estimulando o crescimento das plantas, gerando diversos efeitos positivos na fisiologia da planta, arquitetura radicular e distribuição/direcionamento das raízes entre as partículas do solo.

Classificação do alho

Oliveira et al. (2021) avaliaram o uso de fertilizante OM aplicado ao solo em diferentes doses (100%, 80%, 60% e 40% da dose recomendada equivalente à quantidade no fertilizante mineral, convertido em OM e 100% da dose recomendada para a cultura, via mineral – M).

Os resultados obtidos demonstraram que uma redução de 20% na dose de nutrientes aplicados via OM (80%OM) gerou desempenho equivalente em produtividade, com a aplicação de 100% via mineral, além de proporcionar maior qualidade ao alho nacional, pois gerou um menor percentual de descarte de bulbos de alho.

É válido lembrar que a alteração no manejo nutricional deve considerar os ganhos de uma forma geral, avaliando quais são os impactos na classificação e nos atributos de qualidade e o quanto isso poderia ou não gerar de valor agregado no mercado. 

Mais pesquisas

Oliveira et al. (2021) observaram que a redução de 60% da dose recomendada (aplicação de 40% OM) promoveu um aumento de 59,4% no percentual de alho destinado à indústria, comparado à aplicação de 100% da dose recomendada via fertilizante mineral. 

Lana et al. (2022) avaliaram o efeito de quatro fertilizantes foliares com frações orgânicas variadas no desenvolvimento das plantas e produtividade de bulbos de alho. O tamanho das plantas e a massa fresca e seca da parte aérea, raízes e bulbos, avaliadas aos 50 e 84 dias após o plantio, não variaram entre os fertilizantes com componentes orgânicos.

Quanto à produtividade, observou-se diferença entre os fertilizantes aplicados, os quais referem-se à diferença na composição (quantidade e qualidade) de minerais e frações orgânicas de cada um. 

Contudo, frações orgânicas adicionadas ao manejo nutricional relacionam-se a melhorias, que podem ser pontuais (melhorias fisiológicas que não convertem em produtividade) ou significativas (quando, apesar de não demonstrar diferenças na fisiologia avaliada durante o cultivo, refletem em ganhos de produção, no final do ciclo de cultivo).

Sustentabilidade

Também se considera a importância do uso de frações orgânicas para tornar o cultivo mais sustentável, para minimizar a carga excessiva de minerais no agroecossistema e para gerar impactos positivos em termos econômicos, em especial a longo prazo.

Considera-se a ideia de fertilidade construída ao longo das décadas, uma vez que os fertilizantes minerais, em geral, são importados e de alto custo e a combinação com materiais de origem orgânica minimiza problemas de destino de resíduos subutilizados.

Vale ressaltar que a aquisição de OM deve ser realizada com cautela, considerando os devidos cuidados em termos de microbiologia e o grau apropriado de compostagem e processamento de resíduos.

Fontes de origem não certificada podem, eventualmente, conter e transportar em suas fontes orgânicas: microrganismos nocivos, sementes de plantas daninhas e possíveis metais pesados a partir da decomposição de seus constituintes, como lixo, esgoto e até estrume curtido. Portanto, certifique-se de que está adquirindo grânulos, pellets e fertilizantes líquidos de empresas idôneas.

Na balança

A aplicação de OM possibilita melhorias na produção e composição dos bulbos de alho, o que gera melhorias interessantes do ponto de vista da pós-colheita, tanto nas etapas de beneficiamento como no transporte e distribuição para os canais de comercialização.

Os benefícios englobam os OM sólidos e líquidos, em diferentes recomendações, formas e épocas de aplicação. Nesse contexto, podemos considerar que os fertilizantes OM são investimentos para o cultivo de alho, com ganhos expressivos para a cultura (produtividade), bem como para o sistema, devido aos efeitos indiretos benéficos (atributos ecológicos).

ARTIGOS RELACIONADOS

Limão agradece aplicação de bioestimulantes

Diferente dos fertilizantes convencionais, adubos foliares com nutrientes para suplementação, prevenção ou correção de carências nutricionais, novos compostos têm sido identificados, sintetizados e aplicados às culturas com o objetivo de solucionar problemas fisiológicos tratam-se dos bioestimulantes.

Influência dos organominerais no café

Os fertilizantes organominerais é uma tecnologia que vem sendo utilizada na lavoura ...

Fertilizantes de liberação lenta otimizam nitrogênio na batata

As necessidades nutricionais humanas desafiam a capacidade produtiva das terras cultiváveis.

Fertilizante: o vilão que se transformou em herói

O fertilizante sempre foi, equivocadamente, considerado um produto tóxico, muitas vezes confundido com os agrotóxicos, e toma, agora, sua real posição de fornecer nutrientes para as plantas, ou seja, o alimento das plantas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!