23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosHíbridos de milho - Posicionamento rege o sucesso no plantio

Híbridos de milho – Posicionamento rege o sucesso no plantio

Autor

Jefferson Luis Anselmo
Pesquisador em Fitotecnia – Fundação Chapadão
jefferson@fundacaochapadao.com.br

Os melhores resultados de produtividade em milho são obtidos com o cultivo de híbridos adequadamente posicionados e manejados em cada região dentro da propriedade rural. Muitos fatores devem ser considerados para a escolha correta dos híbridos, como finalidade (grão ou silagem), safra (primeira ou segunda), época de plantio (cedo, normal ou tardio), altitude do local (acima ou abaixo de 700m), tipo e fertilidade de solo e clima.

Na maioria das regiões produtoras são utilizados híbridos de alta performance produtiva – 80% do mercado produzido são utilizados híbridos. As principais regiões produtoras são: Centro-oeste (MT, MS e Goiás) e Sul (RS e PR), onde 70% das regiões produzem na safrinha.

Os híbridos apresentam maior potencial produtivo e plantas mais homogêneas, quanto às alturas de plantas e inserção de espiga, tamanho da espiga, etc. São mais exigentes quanto à tecnologia empregada (manejo de adubação, doenças e pragas).

Os convencionais (variedade) são utilizados para ambientes mais restritos às condições climáticas desejáveis, menor utilização de tecnologia e com menor potencial produtivo. Atualmente, são produzidos em pequena escala, em propriedades menores.

Critérios para a escolha correta

Para a maioria das regiões produtoras do País, devemos considerar, independente do período:

† Performance produtiva alta adaptado para cada região produtora;

† Resistência às principais doenças foliares e de colmo;

† Tolerância à cigarrinha;

† Evitar épocas de semeadura inadequada (mês de março, por exemplo, na região centro-oeste).

Manejo

Devemos considerar, para obtenção de altas produtividades de híbridos, uma adubação equilibrada, de acordo com análise de solo, utilização de adubação nitrogenada no plantio e em coberturas, com menos perdas por lixiviação, principalmente quando se utiliza ureia como fonte; tratamento de sementes com inseticidas e fungicidas; aplicações de fungicidas foliares para as principais doenças, como mancha branca, cercospora, ferrugens, helmintosporioses, diplodias, entre outras; aplicações de inseticidas para cigarrinha e lagartas (principalmente para o gênero Spodoptera).

Os híbridos utilizados hoje comercialmente são os mais produtivos, portanto, se utilizados de forma incorreta, não expressarão o maior potencial produtivo. Um erro fatal é a utilização de híbridos em ambientes de baixa tecnologia, por exemplo, na região Nordeste do País, e ainda a baixa utilização de insumos, como fertilizantes, fungicidas e inseticidas.

Para não recair em erros, o produtor deve seguir a recomendação técnica de acordo com a região produtora e tecnologia empregada.

Custo

O custo das sementes de híbridos de milho é de acordo com as biotecnologias empregadas, frente à resistência principalmente às spodopteras. O custo por hectare de sementes de híbridos varia de R$ 400,00 a R$ 600,00.

Já o custo-benefício varia com a tecnologia empregada nos insumos, mas fica entre 30 a 50% de ganhos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Monitoramento é fator decisivo contra a proliferação da Helicoverpa no Mato Grosso

Segundo especialistas, fazendas com prevenção contínua não apresentam chance de surto ao contrário das lavouras que não investiram na manutenção   Há mais de cinco safras,...

Cultivo de flores comestíveis merece hidroponia

  É sabido por todos que os produtos hidropônicos, além de mais saborosos, por não terem contato com o solo se mostram também mais saudáveis,...

Gecal destaca vantagens do Geox

A participação da Gecal no Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras foi fundamental, na opinião de Eduardo de Melo Costa Pinto, supervisor comercial da empresa....

Resultados de produtividade da soja

  Rodrigo Arroyo Garcia Pesquisador na área de Sistemas de Produção da Embrapa Agropecuária Oeste rodrigo.garcia@embrapa.br   Para a safra 2014/2015, segundo a Conab, a área com cultivo de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!