23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioEventosHidrogênio verde pode posicionar Brasil como potência energética

Hidrogênio verde pode posicionar Brasil como potência energética

Terceiro dia da Fenasucro & Agrocana também discutiu sobre etanol de segunda geração (E2G); assuntos são os mais promissores quando se trata de bioenergia.

“A idade da pedra não acabou por falta de pedra. A idade do petróleo irá acabar muito antes que o mundo fique sem petróleo”. Foi com essa frase impactante – de autoria do Sheik Ahmed Zaki Yamani, ministro do Petróleo da Arábia Saudita entre 1962 e 1986 -, que o gerente de Engenharia de Processos da Reunion Engenharia, Murilo Borges, iniciou sua apresentação “Hidrogênio Verde – Perspectivas e Possibilidades”, na manhã desta quinta-feira (17), durante o Seminário STAB Industrial na 29ª Fenasucro & Agrocana, em Sertãozinho/SP.

“Uma coisa não precisa acabar para começarmos a desenvolver outra. Se o mercado está pedindo soluções sustentáveis, é para lá que nós vamos”, indicou.

O tema tem ganhado cada vez mais destaque no Brasil, especialmente nos últimos dois anos. No início deste mês, inclusive, o governo do Estado de São Paulo reforçou seu compromisso de estar na vanguarda da transição energética e do desenvolvimento de novas tecnologias de energia verde com o lançamento da primeira estação de abastecimento de hidrogênio renovável a partir do etanol do mundo. A iniciativa é uma parceria da USP com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e empresas privadas do segmento.

“Nesse processo de descarbonização que estamos passando, o hidrogênio verde se apresenta como uma alternativa energética bastante viável”, pontuou Murilo.

Por que o Brasil está no centro dessa tendência?

Um estudo realizado em 2020, projetando quanto seria o custo de produção de hidrogênio em 2030, colocou o país no topo do ranking com o menor custo. Borges explicou que existem diferentes formas de produzir o hidrogênio. Uma delas é pela eletrólise da água. Mas, para isso, é preciso muita água e eletricidade.

No setor sucroenergético, as principais formas de produção de hidrogênio verde são pela reforma do metano, biometano, do etanol e do bagaço da cana-de-açúcar. A versatilidade se faz presente, ainda, na aplicação desse vetor energético. Majoritariamente empregado nas próprias usinas, atualmente, o hidrogênio verde tem um enorme potencial de mercado a ser desenvolvido, como no ramo automotivo, por exemplo. Outra vantagem, no caso do etanol, é a questão da distribuição nos postos de combustíveis.

“Esse é um caminho sem volta, que trará benefícios a todos os envolvidos, inclusive o consumidor final. A demanda só tende a aumentar nos próximos anos”, enfatizou. O desafio, agora, segundo Borges, é alinhar o desenvolvimento tecnológico com a viabilidade econômica, além de encontrar métodos seguros de armazenamento e de transporte.

Etanol de segunda geração

O Brasil também é líder mundial em produção de etanol de segunda geração, o E2G. O biocombustível é produzido a partir do bagaço da cana-de-açúcar. Ou seja, com uma matéria-prima de baixo impacto ambiental, já que é feito com os resíduos da fabricação do etanol comum e do açúcar. É o combustível com a menor pegada de carbono do mundo quando comparado à gasolina.

Durante a 2ª edição do Visão Agro Talk, o diretor corporativo de Renováveis da Raízen, Luciano Zamberlan, palestrou sobre o tema “Desafios e Oportunidades na Produção do E2G”. A fabricação desse biocombustível tem tecnologia proprietária da companhia e o executivo anunciou a construção de 20 plantas de E2G acopladas aos seus bioparques até 2030. A expansão terá um investimento total de R$ 24 bilhões, sendo R$ 1,2 bilhão por planta.

De acordo com Zamberlan, o objetivo da empresa é produzir mais etanol sem precisar plantar mais cana-de-açúcar e, ainda, reduzir a pegada de carbono. Afinal, o E2G é produzido com o reaproveitamento de recursos, minimizando desperdícios e impactos ambientais.

“É uma alternativa segura, rentável e replicável. Assumimos o desafio de produzir o E2G nos últimos 10 anos e, até hoje, teve uma evolução bastante expressiva. Com as 20 plantas teremos a capacidade de produzir 1,6 bilhão de litros de etanol de segunda geração”, destacou Zamberlan.

Programação de sexta-feira

Nesta sexta-feira, dia 18, último dia de feira, a Fenasucro & Agrocana traz mais uma palestra sobre o hidrogênio, destacando a inovação e oportunidades no setor sucroenergético; o biogás, como fonte de energia e sustentabilidade; além de um case real de supervisão digital no setor.

Já às 14h, ocorre o tradicional evento do LIDE Ribeirão Preto que trará como tema “Reforma, Governança e Mulheres no Agro: Liderança em Transformação”. Integram a mesa de debate o deputado Baleia Rossi; o vice-presidente do LIDE Ribeirão Preto, Marcelo Salomão; a CEO do Grupo Junqueira Rodas, Sarita Junqueira; e a diretora de recursos humanos do Grupo Viralcool, Claudia Tonielo.

Sobre a Fenasucro & Agrocana

A Fenasucro & Agrocana (Feira Internacional da Bioenergia) realizará sua 29ª edição entre os dias 15 e 18 de agosto de 2023, no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho (SP). O evento, realizado pelo CEISE Br e promovido e organizado pela RX Brasil, é o único evento do mundo exclusivamente voltado à toda cadeia de produção bioenergética. Reúne, anualmente, milhares de profissionais de usinas, indústrias de alimentos e bebidas, papel e celulose, transporte e logística e distribuidoras e comercializadoras de energia do Brasil e de mais 42 países do mundo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Créditos de carbono: Brasil pode ter receita de até R$ 100 bilhões

O Brasil tem potencial de gerar até R$ 100 bilhões em receitas com créditos de carbono nos setores do agronegócio, floresta e energia até 2030.

Qual o futuro do setor energético no Brasil?

O mercado livre de energia é uma grande promessa de desenvolvimento em eficiência energética e descentralização da distribuição de energia no Brasil.

A evolução da agricultura nos últimos 50 anos

A evolução da agricultura nos últimos 50 anos: produção, diversificação e sustentabilidade

Marco Legal do Hidrogênio Verde na transição energética

Hidrogênio verde é entendido como um dos principais caminhos para substituir os combustíveis fósseis, gerando grande impacto financeiro e estabelecendo conceitos importantes para este mercado no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!