21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesInovações no plantio de couve-flor

Inovações no plantio de couve-flor

Aline da Silva Bheringbheringas@gmail.com

Carlos Antônio dos Santoscarlosantoniods@ufrrj.br

Engenheiros agrônomos e doutores em Fitotecnia/Produção Vegetal – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Margarida Goréte Ferreira do CarmoEngenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJgorete@ufrrj.br

Couve-flor – Foto: Shutterstock

A couve-flor é uma hortaliça que se destaca como um alimento de baixo teor calórico e muito rico em nutrientes – sais minerais, vitaminas e substâncias nutracêuticas. Seu consumo tem aumentado nos últimos anos devido à busca constante da população por uma alimentação mais saudável e balanceada.

Em resposta ao aumento da demanda pelo mercado consumidor, tem-se observado uma ampliação no cultivo e produção de couve-flor. A couve-flor é, dentre as brássicas, a que tem maior valor de mercado. Por outro lado, é uma cultura exigente em fertilidade, temperatura e cuidados durante o ciclo e pós-colheita e que, portanto, requer maiores cuidados nas diferentes etapas do processo de produção e comercialização.

Requerimentos climáticos

A produção de couve-flor no Brasil é feita de forma mais acentuada nas regiões sudeste e sul, principalmente nos períodos e regiões de clima mais frio e em áreas de maior altitude. Segundo dados do IBGE, os Estados de São Paulo (36.368 toneladas) e do Rio de Janeiro (36.219 toneladas) destacam-se como os maiores produtores nacionais de couve-flor, seguidos pelo Paraná (17.182 toneladas), Santa Catarina (12.569 toneladas), Minas Gerais (12.418 toneladas) e Rio Grande do Sul (11.628 toneladas).

Cultivares adaptadas

A couve-flor é uma espécie originária de regiões frias e de clima ameno e que requer, em média, temperaturas entre 14 e 20ºC para a formação das inflorescências, órgão de interesse comercial e também conhecido como “cabeças”.

Os avanços recentes no melhoramento genético permitiram o desenvolvimento de novas cultivares tolerantes a temperaturas mais elevadas e assim, a ampliação das épocas e locais de cultivo. Atualmente, tem sido possível o cultivo de couve-flor praticamente durante o ano todo em algumas regiões brasileiras, o que é um ponto positivo para os produtores, que conseguem ter melhor flexibilidade no escalonamento da produção e melhores preços em determinadas épocas do ano, e para consumidor, pela possibilidade de consumo ao longo do ano. 

No mercado de sementes, é possível encontrar atualmente cultivares de couve-flor de “inverno”, “verão” e de “meia-estação”.  Estes são grupos de cultivares específicas para cada época de plantio e que diferem quanto à exigência de frio.

O produtor, no entanto, deve se atentar às exigências específicas da cultivar a ser escolhida para plantio em sua região e época do ano. É sempre interessante uma avaliação prévia sobre o desempenho local da cultivar e ajustes da melhor época de plantio visando a obtenção de melhores resultados.

Inovações

O desenvolvimento de cultivares mais adaptadas foi um dos fatores mais importantes para o aumento da produção e da qualidade da couve-flor no Brasil nas últimas décadas. Dentre os atributos ou vantagens de algumas destas novas cultivares estão maior precocidade, maior vigor, melhor tolerância ao calor e oscilações de temperatura, melhor qualidade comercial, como inflorescências (cabeças) mais compactas e uniformes, cores diferenciadas e inovadoras, e resistência a doenças, especialmente a podridão-negra (Xanthomonas campestris pv. campestris).

Cuidados com as mudas

A qualidade das mudas de couve-flor é um fator importante para e assegurar elevada produtividade nas lavouras. O produtor poderá produzir suas próprias mudas ou adquiri-las de um viveirista.

Nas principais regiões produtoras de couve-flor, tem sido observado como tendência a especialização de alguns produtores na arte de produzir mudas. Em ambos os casos, as mudas devem ser produzidas preferencialmente em estufas fechadas e teladas, com uso de bandejas sanitizadas, substrato e água de boa qualidade.

Estes cuidados visam a prevenção de problemas fitossanitários e a garantia da qualidade das mudas. A depender da cultivar e condições locais, as mudas ficam prontas geralmente aos 25 dias após a semeadura.

Estudos demonstram que a utilização de mudas produzidas em bandejas com células de maior volume, como exemplo a bandeja com 128 células (35 cm3 por célula), é uma estratégia interessante para o cultivo de couve-flor no período da primavera-verão e em áreas de ocorrência acentuada da doença hérnia das crucíferas (Plasmodiophora brassicae).

Manejo

[rml_read_more]

A couve-flor é uma planta de ciclo curto e grande extratora de nutrientes, o que requer cuidados quanto ao manejo da fertilidade do solo. Recomenda-se a escolha de áreas com solos férteis, de textura média, não sujeitos a encharcamento, e que não foram cultivadas com couve-flor ou outras brássicas nos últimos anos.

Previamente ao cultivo é necessário a coleta de amostras de solo e realização de análise de fertilidade para correta recomendação de calcário e dos fertilizantes. A calagem é importante na produção de couve-flor por esta requerer pH do solo próximo a 6,5, alta saturação por bases (V=80%), e teores de cálcio e magnésio superiores a 3,0 cmolc dm-3.

A calagem também é importante para neutralizar o alumínio tóxico (Al3+), que causa danos ao crescimento das raízes da couve-flor. A aplicação e incorporação do calcário deve ser feita com antecedência de dois a três meses ao transplante das mudas.

No geral, as cultivares cujas plantas apresentam porte mais ereto e ciclo mais curto permitem espaçamentos mais adensados. Em geral, tem-se observado espaçamentos médios de 0,8 a 1,0 m entrelinhas e 0,4 a 0,5 m entre plantas, valores estes que são variáveis de acordo com a cultivar e com as condições locais, conforme anteriormente mencionado. 

A quantidade de adubos aplicados deve ser feita de acordo com os teores de nutrientes no solo, com base em sua análise prévia. Caso a adubação de plantio seja exclusivamente mineral, recomenda-se a aplicação de 60 a 80 kg/ha de N, 200 – 500 kg/ha de P2O5, 120-240 kg/ha de K2O. O fósforo deve ser aplicado todo na adubação de plantio, enquanto N e K são complementados por meio de adubações em cobertura.

Na adubação de plantio, também podem ser aplicados adubos orgânicos utilizando-se estercos ou outros compostos orgânicos de boa qualidade e estabilizados.

Em cobertura, recomenda-se a aplicação das doses de 150 a 200 kg/ha de N e 60 a 120 kg/ha de K2O, parceladas em três ou quatro vezes até os 60 dias após o transplante das mudas para o campo.

O suprimento adequado dos micronutrientes boro e molibdênio também é importante visando a prevenção de anomalias nas plantas e podridão das inflorescências (cabeças). Com isso, recomenda-se a aplicação foliar de bórax ou ácido bórico, na concentração de 4,0 g/L e 2,0 g/L, respectivamente, e molibdato de sódio, na concentração de 2,0 g/L.

Tratos culturais

Durante o ciclo de cultivo, alguns cuidados básicos devem ser tomados, como o manejo adequado da irrigação ao longo de todo o ciclo, para se atingir boa produtividade. O sistema de irrigação por gotejamento é a tecnologia mais eficiente de uso da água, no entanto, apresenta custos mais elevados para a implementação, comparado ao sistema por aspersão.

Em importantes regiões produtoras de couve-flor, como a região serrana do Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, observa-se ainda um predomínio da irrigação por aspersão. O controle de plantas daninhas deve ser priorizado nas primeiras semanas após o transplantio, pois é o período crítico em que a planta necessita de grande aporte de nutrientes, água e luz, para o seu pleno crescimento.

Fitossanidade

As plantas de couve-flor estão sujeitas ao ataque de diferentes tipos de pragas, principalmente os pulgões, mosca-branca e lagartas. Estas pragas devem ser, na medida do possível, controladas por métodos preventivos que vão desde a rotação e diversificação das espécies cultivadas à qualidade das mudas e uso de produtos biológicos.

Atualmente, estão disponíveis no mercado alguns ingredientes alternativos, como o óleo de neem (Azadirachta indica) e os inseticidas biológicos à base de fungos entomatopatogênicos, como Beauveria bassiana, ou de bactérias, Bacillus thuringiensis.

Em caso de falhas, existem os inseticidas químicos registrados no MAPA para a cultura, que devem ser usados com critério e observação das recomendações técnicas. Além das pragas, temos também algumas doenças que podem causar perdas expressivas na cultura, como a podridão negra das crucíferas e a hérnia das crucíferas.

O controle das doenças também deve ser baseados em medidas preventivas, como exemplo sementes e mudas sadias e de boa qualidade, variedades resistentes, quando disponíveis, e rotação de culturas.

Colheita e novos mercados

A colheita da couve-flor é feita de 80 a 150 dias após o transplante das mudas, a depender das características da cultivar, sejam elas mais precoces, médias ou tardias, e também das condições locais de cultivo.

O produtor deverá realizar a colheita nos horários mais frescos do dia e escolher as inflorescências (cabeças) compactas, uniformes e bem desenvolvidas. A manutenção das folhas envoltas à cabeça da couve-flor é importante para facilitar o transporte e evitar a ocorrência de injúrias durante essa etapa.

A couve-flor apresenta elevada atividade respiratória o que, evidentemente, influencia na sua vida pós-colheita. Uma inovação adotada em mercados de maior valor agregado é o uso da refrigeração no transporte e comercialização visando o prolongamento da qualidade das inflorescências da couve-flor.

Em mercados específicos, como a comercialização direta em grandes redes de supermercados, também têm sido adotadas embalagens de isopor e/ou filmes plásticos. Estimativas recentes também apontam tendência de crescimento do mercado de couve-flor congelada, o que pode ser um canal de escoamento em potencial em períodos de elevada produção, como na safra de inverno.

ARTIGOS RELACIONADOS

Erros que você não pode cometer na aplicação de fosfato

Um dos erros primários que mais acontece nos plantios agropecuários é a aplicação de fosfato reativo em áreas que receberam calagem pouco antes (menos de três meses) dessa operação.

Plantio linha a linha: a semente no lugar certo

O manejo da variabilidade espacial da lavoura e a aplicação de insumos de forma localizada são pilares da chamada “agricultura de precisão”.

Plantio consorciado com macadâmia melhora produtividade do cafezal

Cássio Pereira Honda Filho Engenheiro agrônomo e mestrando em Fisiologia Vegetal " Universidade Federal de Lavras (UFLA) cassiop.hondafv@gmail.com Mariana Thereza Rodrigues Viana Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia...

Uso de organominerais é tendência no cultivo de hortaliças

Os fertilizantes organominerais são importantes na construção ou manutenção da fertilidade do solo pois, além de fornecerem nutrientes para as plantas, melhoram as condições físicas e biológicas do perfil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!