23.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 6, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Destaques Inovações no plantio de couve-flor

Inovações no plantio de couve-flor

Aline da Silva Bheringbheringas@gmail.com

Carlos Antônio dos Santoscarlosantoniods@ufrrj.br

Engenheiros agrônomos e doutores em Fitotecnia/Produção Vegetal – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Margarida Goréte Ferreira do CarmoEngenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJgorete@ufrrj.br

Couve-flor – Foto: Shutterstock

A couve-flor é uma hortaliça que se destaca como um alimento de baixo teor calórico e muito rico em nutrientes – sais minerais, vitaminas e substâncias nutracêuticas. Seu consumo tem aumentado nos últimos anos devido à busca constante da população por uma alimentação mais saudável e balanceada.

Em resposta ao aumento da demanda pelo mercado consumidor, tem-se observado uma ampliação no cultivo e produção de couve-flor. A couve-flor é, dentre as brássicas, a que tem maior valor de mercado. Por outro lado, é uma cultura exigente em fertilidade, temperatura e cuidados durante o ciclo e pós-colheita e que, portanto, requer maiores cuidados nas diferentes etapas do processo de produção e comercialização.

Requerimentos climáticos

A produção de couve-flor no Brasil é feita de forma mais acentuada nas regiões sudeste e sul, principalmente nos períodos e regiões de clima mais frio e em áreas de maior altitude. Segundo dados do IBGE, os Estados de São Paulo (36.368 toneladas) e do Rio de Janeiro (36.219 toneladas) destacam-se como os maiores produtores nacionais de couve-flor, seguidos pelo Paraná (17.182 toneladas), Santa Catarina (12.569 toneladas), Minas Gerais (12.418 toneladas) e Rio Grande do Sul (11.628 toneladas).

Cultivares adaptadas

A couve-flor é uma espécie originária de regiões frias e de clima ameno e que requer, em média, temperaturas entre 14 e 20ºC para a formação das inflorescências, órgão de interesse comercial e também conhecido como “cabeças”.

Os avanços recentes no melhoramento genético permitiram o desenvolvimento de novas cultivares tolerantes a temperaturas mais elevadas e assim, a ampliação das épocas e locais de cultivo. Atualmente, tem sido possível o cultivo de couve-flor praticamente durante o ano todo em algumas regiões brasileiras, o que é um ponto positivo para os produtores, que conseguem ter melhor flexibilidade no escalonamento da produção e melhores preços em determinadas épocas do ano, e para consumidor, pela possibilidade de consumo ao longo do ano. 

No mercado de sementes, é possível encontrar atualmente cultivares de couve-flor de “inverno”, “verão” e de “meia-estação”.  Estes são grupos de cultivares específicas para cada época de plantio e que diferem quanto à exigência de frio.

O produtor, no entanto, deve se atentar às exigências específicas da cultivar a ser escolhida para plantio em sua região e época do ano. É sempre interessante uma avaliação prévia sobre o desempenho local da cultivar e ajustes da melhor época de plantio visando a obtenção de melhores resultados.

Inovações

O desenvolvimento de cultivares mais adaptadas foi um dos fatores mais importantes para o aumento da produção e da qualidade da couve-flor no Brasil nas últimas décadas. Dentre os atributos ou vantagens de algumas destas novas cultivares estão maior precocidade, maior vigor, melhor tolerância ao calor e oscilações de temperatura, melhor qualidade comercial, como inflorescências (cabeças) mais compactas e uniformes, cores diferenciadas e inovadoras, e resistência a doenças, especialmente a podridão-negra (Xanthomonas campestris pv. campestris).

Cuidados com as mudas

A qualidade das mudas de couve-flor é um fator importante para e assegurar elevada produtividade nas lavouras. O produtor poderá produzir suas próprias mudas ou adquiri-las de um viveirista.

Nas principais regiões produtoras de couve-flor, tem sido observado como tendência a especialização de alguns produtores na arte de produzir mudas. Em ambos os casos, as mudas devem ser produzidas preferencialmente em estufas fechadas e teladas, com uso de bandejas sanitizadas, substrato e água de boa qualidade.

Estes cuidados visam a prevenção de problemas fitossanitários e a garantia da qualidade das mudas. A depender da cultivar e condições locais, as mudas ficam prontas geralmente aos 25 dias após a semeadura.

Estudos demonstram que a utilização de mudas produzidas em bandejas com células de maior volume, como exemplo a bandeja com 128 células (35 cm3 por célula), é uma estratégia interessante para o cultivo de couve-flor no período da primavera-verão e em áreas de ocorrência acentuada da doença hérnia das crucíferas (Plasmodiophora brassicae).

Manejo

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Inovações no plantio de couve-flor