24.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasJovem cria primeira plataforma de investimentos coletivos para o agrobusiness

Jovem cria primeira plataforma de investimentos coletivos para o agrobusiness

O período em que morou em San Diego, nos Estados Unidos, foi relevante e decisivo para Henrique Galvani, de 29 anos, voltar ao Brasil com a certeza de intraempreender no Grupo BLB Brasil e criar o segundo motor da empresa de auditoria, com foco no ecossistema de inovação e startups. 

O jovem da cidade de Morro Agudo, 80 km de distância de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, chegou do intercâmbio motivado a se aventurar no empreendedorismo e logo reportou sua ideia de criar a BLB Ventures aos gestores do Grupo BLB Brasil, empresa em que até então trabalhava como trainee de auditoria contábil. O que apresentava era tão interessante que os próprios chefes resolveram apostar e embarcaram na novidade como sócios. Era o começo de uma trajetória que o levaria a criar também a Arara Seed, a primeira plataforma de investimento coletivo em startups do setor agronegócio, incluindo agtechs e foodtechs, que prevê até o fim do ano que vem, 2023, promover um volume transacional de R$ 6 milhões. 

O nicho que a Arara Seed optou por se especializar vem da experiência de Galvani na empresa de auditoria, sediada na capital do agronegócio brasileiro, em Ribeirão Preto, que tinha em grande parte da sua carteira de clientes, empresas do agronegócio. Em 2013, aos 20 anos, Henrique, começou a trabalhar como trainee de auditoria contábil no Grupo BLB Brasil. Participou de grandes projetos na empresa, ampliou a carteira de clientes que atendia e, ano após ano, era promovido. Se especializou no mercado agro e detinha clientes importantes. Foi nessa ascendente que, em 2018, o jovem acumulou férias suficientes para aproveitar o período para estudar inglês para negócios nos Estados Unidos. Uma oportunidade que mudou de vez sua percepção sobre o venture capital.  

Na atmosfera empreendedora e tecnológica da Califórnia, e próximo de um amigo que tinha uma startup de café, o jovem estudou e se aprofundou no segmento. Com a mente à mil, desenvolveu um projeto para a empresa em que trabalhava: um modelo de venture builder. No ano seguinte, os executivos não só deram aval para o jovem empreender, como o apoiaram e o ajudaram a criar esse novo braço de negócio, tornando-se sócios. Naquele momento, a BLB Ventures, uma fábrica de startup, nasceu sob os cuidados de Henrique Galvani, Rodrigo Barbeti, Rodrigo Garcia e Valdecir Brás. O investimento inicial de R$ 100 mil possibilitou que Henrique se dedicasse exclusivamente a isso e com mais R$ 5 milhões, que vieram nos últimos três anos, sem contar aportes externos, deu vida a outras cinco investidas por meio da BLB Ventures.  

Desafio para potenciar bons negócios

Foi atuando na BLB Ventures que surgiu a ideia de criar a Arara Seed, uma plataforma de equity crowdfunding para startups brasileiras que procuram encontrar soluções para problemas como hábitos de consumo, segurança alimentar e preservação ambiental. “Há um aumento notável da preocupação em relação à redução das emissões de carbono e ao combate à pobreza e fome no Brasil. Não podemos aceitar que a insegurança alimentar, ainda que leve, aflija mais de 125 milhões de brasileiros. Por isso, não nos restam dúvidas que o caminho é apoiar esta geração de empreendedores, sendo uma alternativa de capital consciente, para endereçar soluções a problemas relevantes que enfrentamos”, explica Galvani.

Comprometida com a sustentabilidade, a fintech reúne duas raízes culturais já em seu nome. Arara Seed é a combinação de arara, ave típica da fauna brasileira, e seed, que inglês significa semente. Seed é também o nome de um dos estágios que as startups passam, quando ocorre a segunda fase de investimento para apoiar o desenvolvimento e validação de mercado da empresa. É nesta etapa que a empresa, lançada em junho deste ano, se especializou. “Definimos que o foco será neste estágio das startups, que já saíram da fase de ideação e estão operando. Priorizamos aquelas também que estão com faturamento mensal de pelo menos R$ 30 mil e MVP – em português, produto mínimo viável – validado. O cheque mínimo começa com um aporte de R$ 1 mil. Nosso objetivo é democratizar o investimento, então, quem quer investir, mas não com valor muito alto, encontra no nosso modelo de negócio uma opção viável. O grande segredo do investimento em startup é a diversificação do portfólio para a diluição do risco”, explica Galvani. 

Além de Henrique e os sócios da BLB Ventures, outros nomes endossaram esse time que deram vida a Arara Seed, tais como Cainã D’ajuda, Eduardo Ciciliato e Thiago Bellini. A proposta de negócio, já tão bem aceita no mercado, tem atraído olhares de grandes investidores, como Fernando Rodrigues, ex-XP Investimentos e atualmente Managing Partner na Rural Ventures, e Bruno Massera, executivo de finanças no setor alimentício. Juntos, realizaram o primeiro investimento anjo e hoje atuam no board, como advisors. A primeira oferta já está no ar, a Veroo Cafés, um clube de assinaturas de cafés que através do conceito inovador farm-to-table conecta os pequenos produtores de cafés ao consumidor, a rodada de captação da Veroo tem o objetivo de angariar o mínimo de R$ 800 mil. A Veroo triplicou seu faturamento o ano passado e a perspectiva para esse ano é crescer de pelo menos 60%. O Brasil é o maior produtor de cafés e o segundo maior consumidor do mundo. Nas próximas a Arara Seed irá anunciar a sua segunda rodada de captação. 

No pipeline da Arara Seed, já passaram 57 startups, das quais apenas duas tiveram suas rodadas de captação confirmadas. Todas as startups que submetem seu pitch deck para a rodada de captação passa por uma criteriosa análise de um time de especialista, além disso, através de um sindicato de investimento a Arara Seed investe em todas as rodadas de investimentos disponibilizada na plataforma. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Inovação no agro: como impulsionar a autossuficiência do Brasil?

Leia o artigo de João Ricardo e Pablo Guerreiro

GIROAgro investe em Universidade Corporativa

Cerca de 600 clientes, colaboradores e gestores já foram capacitados em menos de dois anos de UCG (Universidade GIROAgro)

Corteva Agriscience lança o “Esfera Agro”

A Corteva Agriscience apresenta aos produtores brasileiros o “EsferaAgro – Circuito Feira Virtual”. ...

Como aumentar produtividade e reduzir custos sem fazer grandes investimentos?

Aplicação de metodologias como lean manufacturing são fundamentais para otimizar processos e reduzir custos. Confira as dicas de Tatiana Tanikawa, Consultora de Negócios da Atech

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!