18.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoManejo de plantas daninhas em florestas plantadas

Manejo de plantas daninhas em florestas plantadas

A matocompetição é um dos fatores limitantes ao estabelecimento de florestas no Brasil, afetando o desenvolvimento das culturas florestais por meio da competição por água, luz e nutrientes

Aplicação de herbicida em eucalipto - Crédito Rudolf Woch
Aplicação de herbicida em eucalipto – Crédito Rudolf Woch

 

Muito já se falou sobre a interferência das plantas invasoras nos plantios comerciais de pinus e eucalipto, ocasionando perdas de produtividade e aumento de custos de operações florestais, o que impacta diretamente na lucratividade das florestas. Falando em competitividade do setor, o Brasil era líder mundial no início da década e, hoje, ocupa o 4º lugar.

As daninhas

Considerando que o controle de plantas daninhas na cultura do eucalipto consome cerca de 25% dos custos de implantação, Rudolf Woch, diretor técnico da Apoiotec, alerta para a importância de um olhar atento para essa área, que muitas vezes é negligenciada diante das várias atribuições operacionais.

“Desde o início do uso de herbicidas em áreas florestais, na década de 1980, que era feito exclusivamente com glifosato, em pós-emergência, até os nossos dias, novas moléculas surgiram para tornar o controle versátil. Devemos mencionar também as inovações tecnológicas em máquinas, equipamentos, comandos, controladores, pontas de pulverização e sistemas de gestão“, aponta.

Segundo ele, as operações de controle usuais contemplam, nesta ordem, dessecação com glifosato, preparo de solo, plantio, aplicação de pré-emergente em faixa na linha plantio, outra aplicação de pré em combinação com lâmina e até três aplicações de glifosato nas entrelinhas. Em caso de deficiências de controle, podem acontecer operações manuais.

Gestão

É sabido que já apareceram espécies invasoras resistentes ao glifosato em áreas florestais, como aconteceu anteriormente em áreas agrícolas. A falta de mão de obra no campo também é um problema sério nas empresas florestais.

Assim, a gestão ideal das invasoras deve prever um sistema integrado de controle, ou seja, controle cultural com cobertura viva, cobertura morta, controle mecânico, onde seja necessário, e controle químico, com o menor número de operações possíveis.

No controle químico, Rudolf Woch diz que é preciso considerar fatores como longevidade e seletividade dos tratamentos e custos envolvidos, levando em conta as características da área, as condições climáticas da época de aplicação e se o herbicida deve ser utilizado em pós ou pré-emergências das ervas.

Essa matéria completa você encontra na edição de Junho da revista Campo & Negócios Floresta. Faça sua assinatura agora.capa flo

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Hormônios no tratamento de semente aumentam o enraizamento do feijoeiro

  Daniela Andrade Engenheira agrônoma e mestre em Fitotecnia/Produção Vegetal " UFLA daniela.agronomia@outlook.com Flávia Costa Mendonça Natividade Bacharel em Bioquímica, mestre e doutoranda em Biologia Celular e Molecular pela...

Hortaliças 100% livres de agrotóxicos

O cenário é um refeitório industrial. À mesa, hortaliças frescas, 100% livres de agrotóxicos, colhidas no dia, logo ali, no quintal da fábrica. A novidade, inédita no...

Inovações em EPS (isopor®) voltadas ao Agronegócio são destaque na 35º Festa da Uva e VI Expo Vinhos, em Jundiaí (SP)

Ampliar o shelf-life da fruta, proporcionar menor perda de peso pela desidratação e manter o teor vitamínico por mais tempo. Esses são alguns dos...

Beterraba baby leaf atende nicho de mercado

Talita de Santana Matos Elisamara Caldeira do Nascimento Doutoras em Agronomia " UFRRJ Glaucio da Cruz Genuncio Doutor e professor de Fruticultura da UFMT glauciogenuncio@gmail.com A comercialização de baby leafno...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!