Manejo de plantas daninhas em florestas plantadas

0
83

A matocompetição é um dos fatores limitantes ao estabelecimento de florestas no Brasil, afetando o desenvolvimento das culturas florestais por meio da competição por água, luz e nutrientes

Aplicação de herbicida em eucalipto - Crédito Rudolf Woch
Aplicação de herbicida em eucalipto – Crédito Rudolf Woch

 

Muito já se falou sobre a interferência das plantas invasoras nos plantios comerciais de pinus e eucalipto, ocasionando perdas de produtividade e aumento de custos de operações florestais, o que impacta diretamente na lucratividade das florestas. Falando em competitividade do setor, o Brasil era líder mundial no início da década e, hoje, ocupa o 4º lugar.

As daninhas

Considerando que o controle de plantas daninhas na cultura do eucalipto consome cerca de 25% dos custos de implantação, Rudolf Woch, diretor técnico da Apoiotec, alerta para a importância de um olhar atento para essa área, que muitas vezes é negligenciada diante das várias atribuições operacionais.

“Desde o início do uso de herbicidas em áreas florestais, na década de 1980, que era feito exclusivamente com glifosato, em pós-emergência, até os nossos dias, novas moléculas surgiram para tornar o controle versátil. Devemos mencionar também as inovações tecnológicas em máquinas, equipamentos, comandos, controladores, pontas de pulverização e sistemas de gestão“, aponta.

Segundo ele, as operações de controle usuais contemplam, nesta ordem, dessecação com glifosato, preparo de solo, plantio, aplicação de pré-emergente em faixa na linha plantio, outra aplicação de pré em combinação com lâmina e até três aplicações de glifosato nas entrelinhas. Em caso de deficiências de controle, podem acontecer operações manuais.

Gestão

É sabido que já apareceram espécies invasoras resistentes ao glifosato em áreas florestais, como aconteceu anteriormente em áreas agrícolas. A falta de mão de obra no campo também é um problema sério nas empresas florestais.

Assim, a gestão ideal das invasoras deve prever um sistema integrado de controle, ou seja, controle cultural com cobertura viva, cobertura morta, controle mecânico, onde seja necessário, e controle químico, com o menor número de operações possíveis.

No controle químico, Rudolf Woch diz que é preciso considerar fatores como longevidade e seletividade dos tratamentos e custos envolvidos, levando em conta as características da área, as condições climáticas da época de aplicação e se o herbicida deve ser utilizado em pós ou pré-emergências das ervas.

Essa matéria completa você encontra na edição de Junho da revista Campo & Negócios Floresta. Faça sua assinatura agora.capa flo