21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesManejo de tripes em cultivo hidropônico de alface

Manejo de tripes em cultivo hidropônico de alface

Autor: Gustavo Hacimoto, Especialista de Desenvolvimento de Produto da Enza Zaden Brasil

Fonte: Embrapa

Uma das principais pragas enfrentadas por produtores de hidroponia de alface atualmente é o tripes. Esse inseto pode causar danos diretos como pequenas lesões prateadas nas folhas, resultado de danos ocasionados no momento da alimentação de adultos e larvas, o que no momento da colheita reflete numa planta de menor volume devido ao descarte dessas folhas. Entretanto, o principal dano causado é o efeito indireto, através da transmissão de uma virose popularmente conhecida como “vira-cabeça” (causado por espécies do gênero Tospovírus). Por ser feito em sua maioria em ambientes protegidos, em estufas de cobertura plástica, as hidroponias se tornam ambientes mais secos, e isso aliado a temperaturas mais altas favorecem a reprodução dessa praga.

O ciclo de vida do tripes é formado pelas fases de ovo, larva (duas fases de alta atividade e alimentação), pupa (dividido em pré-pupa e pupa, de fase inativa) e adulto, sendo que esse processo pode durar entre 12 a 15 dias. É importante saber que a fase de pupa acontece no solo, e isso se torna relevante no momento do controle dessa praga. Mais de 10 espécies de tripes já foram relatadas como sendo transmissoras das diferentes espécies de tospovírus. Porém, no Brasil a cultura da alface é infectada por quatro espécies: Frankliniella occidentalis, Frankliniella schultzei, Thrips palmi e Thrips tabaci. O inseto passa a ser vetor da doença apenas quando a sua fase larval acontece em uma planta já infectada. Para que ele consiga transmitir o vírus, a larva precisa se alimentar da planta doente, passar por um período de incubação (3 a 10 dias) dentro do corpo do inseto, e então ao atingir a fase adulta tornar-se apto a realizar a proliferação da doença.

Os sintomas mais comuns nas plantas são manchas cloróticas e/ou necróticas, com um grande número de lesões menores de coloração marrom escura e bronzeamento nas folhas. Esses sintomas podem ocorrer de forma assimétrica, ou seja, apenas em um lado da planta. Com essa infecção o crescimento da planta fica comprometido, o que reduz o seu desenvolvimento e a torna inviável para comercialização. Além disso, caso as plantas infectadas não sejam retiradas da produção elas podem servir de fonte de inóculo e aumentar os danos ocasionados. As plantas podem ser infectadas em todas as suas fases de desenvolvimento, e as perdas nas produções de alface em sistema hidropônico podem chegar até a 100% em alguns casos.

O seu manejo deve ser feito utilizando-se das diversas técnicas que temos disponíveis atualmente, já que como citado anteriormente o próprio ambiente dessas produções favorece a multiplicação dos insetos que atuam como vetores da doença. Manejo e controle do vetor são o principal método, não tendo medidas curativas após a infecção.

Para as produções hidropônicas os meses entre Setembro a Março (primavera/verão) são os de maior infestação, sendo que Janeiro e Fevereiro se torna um período bem crítico, já que justamente esses meses são os de maior demanda de folhosas, trazendo uma atenção ainda maior para o manejo dessa praga nessa época.

  • Manejo biológico, a base de extratos naturais como azadiractina, D-limoneno, citronela, Sophora flavescens, seja como repelente ou com efeito direto sobre a praga;
  • Manejo químico, com atenção ao período de carência e registro dos produtos, variando desde produtos com baixa carência (1 dia) até os mais longos (25 dias) que devem ser aplicados logo no início do ciclo;
  • Manejo do ambiente, sendo que em algumas hidroponias por mais que o custo dessa implantação seja alto, forrar o solo com ráfia ou plástico (impedindo que a praga complete seu ciclo no solo). Outra alternativa é a utilização de armadilhas com coloração atrativa;
  • Eliminação de plantas infectadas do sistema, que podem ser fonte de inóculo para os tripes se contaminarem em sua alimentação e assim proliferar a doença para outras plantas na estufa;
  • Eliminação de plantas que podem ser hospedeiras da virose e/ou do tripes, como maria-pretinha, caruru, picão, serralha, beldroega, etc;

A Enza Zaden é referência global no mercado de sementes de hortaliças e possui um portfólio de sementes de folhosas que garantem mais benefícios, segurança e rendimento ao produtor. Para acessar o catálogo ou entrar em contato com um representante clique aqui.

ARTIGOS RELACIONADOS

Septoriose: Todo cuidado é pouco no tomateiro

Das doenças que incidem sobre a cultura do tomateiro, a septoriose ou mancha-de-septória vem ganhando destaque, principalmente pelo seu alto poder destrutivo, que pode gerar perdas de até 100% à produção.

Nutrição do abacate

O manejo do abacateiro é fundamental no desenvolvimento.

Tratamento de sementes comprova ser eficiente no controle de pragas da soja

Evaldo KazushiTakizawa Engenheiro agrônomo - Ceres Consultoria Agronômica evaldo@ceresconsultoria.com.br As principais pragas iniciais que atacam as lavouras de soja devem ser monitoradas antes da implantação da...

Principais pragas e doenças da framboesa

O Botrytis, ou mofo cinzento – agente causal Botrytis cinerea, tem sintomas que surgem ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!