Manjericão e outras ervas

0
34
Manjericão – Crédito Luize Hess

Não é de hoje que agricultores brasileiros, e do mundo todo, travam uma difícil batalha para controlar duas espécies de lagartas que atacam as lavouras: a Helicoverpa armigera e a Anticarsia gemmatalis. A primeira surgiu no país em 2013, mas já existia na Europa, Ásia, África e Oceania. A segunda é uma espécie que aparece no continente americano, vive bem nos ambientes tropical e subtropical, mas é considerada criptogênica, ou seja, até hoje os pesquisadores não sabem sua origem.

Ambas atacam diversas culturas, principalmente as leguminosas, causando grandes prejuízos e, por isso, são consideradas importantes pragas agrícolas. A A. gemmatalis é também conhecida como lagarta-da-soja por ser o principal inimigo dessa cultura. A H. armigera tem grande capacidade de dispersão e se alimenta de mais de 60 famílias de plantas.

Plantas no manejo integrado de pragas

Com o objetivo de controlar essas lagartas de maneira sustentável, pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente e da Embrapa Agrobiologia realizaram um estudo com óleos essenciais de nove plantas medicinais: laranja doce, gengibre, melaleuca, canela cássia, citronela, menta, orégano e manjericão.

Os resultados são muito promissores. De acordo com os responsáveis pelo projeto, esses óleos foram escolhidos porque estudos anteriores já haviam comprovado a bioatividade e o potencial de seus compostos como inseticida.

Os óleos são substâncias naturais extraídas de plantas medicinais, aromáticas e condimentares, com baixa ou nenhuma toxidez para o meio ambiente. Essa caraterística traz vantagem para a agricultura porque possibilita o controle das pragas de forma mais sustentável e este controle biológico pode ser utilizado no MIP – manejo integrado de pragas. “Com exceção da melaleuca e da citronela, os outros óleos são de plantas utilizadas na alimentação, sendo mais seguras para a administração, oferecendo menos riscos ao ambiente, animais, produtores e consumidores. Por isso, são compostos promissores para uso na agricultura”, explica a pesquisadora Jeanne Marinho Prado, da Embrapa Meio Ambiente.

Óleo essencial do manjericão

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.