19.6 C
Uberlândia
domingo, junho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiMinador-dos-citros - Hora de contra-atacar

Minador-dos-citros – Hora de contra-atacar

Décio Joaquim

Consultor da Campo Consultoria

deciojoaquim@uol.com.br

 

Crédito UFRGS
Crédito UFRGS

A larva-minadora,ou minador-dos-citros,é uma mariposa que ataca as folhas novas das plantas de citros e provoca redução na taxa de fotossíntese e no desenvolvimento de brotações. As folhas afetadas secam e caem. A larva prefere vegetações novas, por isso o controle deve ser iniciado na primavera, época de início das brotações e quando ocorre o desenvolvimento da lagarta.

Prejuízos

De modo geral, os danos provocam a inutilização de grande parte da área fotossintética das folhas, o que compromete o desenvolvimento vegetativo e a produção do pomar.

A larva-minadora, ao abrir galerias no interior das folhas, danifica a nova vegetação e expõe as plantas ao risco de contrair cancro cítrico – doença bacteriana que utiliza os danos provocados pela larva-minadora como “porta de entrada“ para nova infecção.

Observa-se, portanto, que os prejuízos vão além dos sintomas exibidos pela praga, mas constitui grande risco, inclusive de se ter o pomar ameaçado pela ocorrência do cancro cítrico.

Sintomas

A mariposa coloca o ovo junto à nervura central da folha. Após sua eclosão, a lagarta abre uma galeria, deixando um rastro de fezes e formando um “túnel“, que ao ser aberto provoca o surgimento de uma leve película transparente, resultado da separação das partes inferior e superior da folha.

O sintoma característico é a formação dessa galeria em um visível caminhamento em zigue-zague no interior da folha, na direção da borda, que será enrolada sobre o corpo da lagarta. Esta, por sua vez, utilizará esta estrutura para se transformar em uma pupa e, a partir dela, em nova mariposa.

Quando agir

O tratamento deverá ser preventivo, começando a partir do início das brotações, uma vez que folhinhas com 01 cm de comprimento já poderão ser atacadas.

Formas de controle

Utilizam-se produtos lagarticidas em pulverização ao se constatar o começo de novas brotações. De acordo com o Fundecitrus, o controle deve ser feito preventivamente com inseticidas à base de Abamectina quando as plantas apresentarem brotações.

Inseticidas neonicotinoides, normalmente utilizados para o controle do psilídeo ” transmissor do greening ” em plantas de até três anos, também promovem o controle do minador-dos-citros. O produtor deve, também, lançar mão do controle biológico, por meio do uso de inimigo natural.

Ressalta-se que o controle deverá ser sempre preventivo, a fim de não permitir a destruição das folhas.

Essa matéria você encontra na edição de dezembro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Apex – Da Espanha para o mundo

  Nesse ano, na Hortitec, a Apex levou uma inovação, o bioestimulanteAsir, um produto bastante interessante de origem espanhola. “Trata-se de uma tecnologia que traz...

Como ter um canavial produtivo e com longevidade?

Autores Renato Passos Brandão Gerente do Deptº Agronômico do Grupo Vittia Raphael Bianco Roxo Rodrigues Gerente Técnico Regional O plantio é uma das...

“Movimento Contra o Desperdício“, da Dow AgroSciences, combate o desperdício de alimentos na cadeia produtiva de hortifrútis

Iniciativa social e educativa conscientiza clientes-distribuidores, produtores rurais e a comunidade sobre a adoção de práticas que diminuem as perdas na lavoura e, ainda, reverte...

Monitoramento é fator decisivo contra a proliferação da Helicoverpa no Mato Grosso

Segundo especialistas, fazendas com prevenção contínua não apresentam chance de surto ao contrário das lavouras que não investiram na manutenção   Há mais de cinco safras,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!