20.6 C
Uberlândia
domingo, maio 26, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesModernização do agro passa pela equidade de gênero

Modernização do agro passa pela equidade de gênero

Empresas do agronegócio, que realmente estão buscando modernizar e diversificar os talentos dentro de seus quadros de colaboradores e gestores, têm a igualdade entre homens e mulheres como compromisso.

As defensoras e defensores da equidade de gênero no campo têm muito o que comemorar, mas também muitos desafios a conquistar. Isso porque, de acordo com a segunda edição da pesquisa de Diversidade, Equidade e Inclusão nas Organizações da Deloitte (consultoria empresarial internacional), o total de mulheres trabalhando em empresas do agronegócio aumentou 13,3% em 2022, na comparação com 2021. Mas apesar do avanço, elas ainda representam apenas 16,2% da força de trabalho ocupada pelo setor.

Participação feminina no agro brasileiro aumentou 13,3% em 2022, na comparação com 2021.

Contribuir para a maior equidade entre gêneros no mercado de trabalho é o compromisso de umas empresas do agronegócio que buscam modernizar e diversificar os talentos dentro de seus quadros de colaboradores e gestores. É o caso do Grupo Pivot, que hoje possui mais de 25% de seu quadro de funcionários formado por mulheres, e a  maioria é atuante em cargos de alto executivo, média gerência, administrativo e em funções de supervisão em campo. O percentual interno da empresa está acima do que aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revela que a participação feminina na administração e cargos de gerência nas empresas do agro no país é de 19%.

“O avanço da presença das mulheres no agro nos últimos anos tem sido incrível. Mas há ainda uma questão cultural muito forte, não só no Brasil, mas em todo o mundo. Acho que cabe a nós gestores do setor demonstrar que o talento e aptidão técnica não têm gênero e, com isso, oferecer concretamente oportunidades para as mulheres demonstrarem o quão mais longe podem ir, com elas caminhando nem atrás e nem à frente dos homens, mas lado a lado”, destaca Cauê Campos, CEO do grupo. A questão cultural apontada pelo executivo da Pivot é, segundo a pesquisa da  Deloitte, o principal obstáculo para a maior participação das mulheres no setor agrícola. Do total de entrevistados no levantamento, 76% disseram ser necessário uma dança de visão nas organizações agrícolas para que a equidade entre gêneros avance.

ARTIGOS RELACIONADOS

ADAMA participa do Encontro Nacional das Mulheres Cooperativistas

A ADAMA, companhia com papel de destaque em uma das maiores holdings do agronegócio global, vai participar do Encontro Nacional das Mulheres Cooperativistas, evento que acontecerá em 29 e 30 de setembro e terá formato virtual, em cumprimento às determinações dos órgãos globais e brasileiros de saúde que recomendam o isolamento social e a não aglomeração de pessoas durante a pandemia da COVID-19.

Mulheres administram mais de 30 milhões de hectares em propriedades rurais no Brasil

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, 40% da mão de obra agrícola em países em desenvolvimento é feminina; no Brasil, cerca de 1 milhão de mulheres comandam trabalhos no campo, de acordo com o SEBRAE

Faltam 4 dias para a Fenicafé

Foi iniciada a contagem regressiva para o maior evento da cafeicultura irrigada do país.

Desequilíbrio entre oferta e demanda gerou oportunidades

O desequilíbrio entre a oferta e demanda global gerou oportunidades robustas para o agronegócio brasileiro, especialmente na Ásia. Conforme explicou Marcos Jank, coordenador do Centro Insper Agro Global, após a crise da peste suína, a China mudou seu modelo de negócios nesse tipo de produção, o que culminou em aumento no consumo de soja, de carnes e sua entrada no milho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!