19.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesNovo calendário da soja x ferrugem asiática: quem tem razão?

Novo calendário da soja x ferrugem asiática: quem tem razão?

Crédito: Shutterstock

José Luiz Tejón
Membro do Conselho Científico Agro Sustentável

O novo calendário do plantio da soja foi estendido de 31 de dezembro para meados de fevereiro. E registramos manifestações de entidades considerando esse fato oferecer um “banquete ambiental para a proliferação da doença ferrugem asiática”.

O presidente da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, nos ligou e pediu que ouvíssemos mais fontes científicas a respeito, pois haviam controvérsias sobre a informação. A Aprosoja Brasil defende o novo calendário, considerando-o correto.

Ouvi dois professores doutores a respeito da afirmação sobre a questão da ampliação do calendário de plantio da soja versus efeitos na proliferação da doença da ferrugem asiática, cujos danos conhecemos bem, pois com ela aprendemos a conviver ao longo dos últimos 20 anos.

Ouvi o professor Elmar Luiz Floss, que foi professor de bioquímica vegetal, fisiologia vegetal, culturas de lavouras e conservação de solos na Universidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Doutor em agronomia pela Esalq/USP, é um profundo conhecedor da soja, com um livro recém-lançado de extraordinário valor: “Maximizando o rendimento da soja”.

Sobre essa questão, o prof. dr. Elmar me disse: “o novo calendário será positivo para o Rio Grande do Sul, pois precisamos de milho para atender a produção da proteína animal. Temos custos proibitivos como importadores de milho de outros Estados. Com a nova janela de plantio podemos plantar milho primeiro e fazer uma safrinha de soja depois. Quer dizer, no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a soja seria a safrinha, e o milho a principal lavoura, e isso se viabilizaria com o novo calendário indo além de 31 de dezembro para meados de fevereiro.

Ouvi também a informação do professor José Otávio Menten, doutor em fitopatologia da Esalq/USP e presidente do CCAS, Conselho Científico do Agro Sustentável, que afirma: “a quantidade de ferrugem é menor quando se semeia em 15 de fevereiro do que em 31 de dezembro. O número de aplicações de fungicidas é menor para as lavouras semeadas em 15 de fevereiro, este é o resultado das pesquisas”, assim explica o dr. Menten.

Impactos

Em função das controvérsias de visões científicas, dedicaremos a ouvir outros pesquisadores com pesquisas realizadas e publicadas. O assunto é muito importante, pois a soja impacta diretamente 50% do valor bruto da produção agropecuária do País, o abastecimento interno da população, e da mesma forma cerca de 50% das exportações ao reunirmos sua cadeia produtiva do grão, óleos, farelo, aves, suínos, leite e ovos.

A soja é importante demais para não mergulharmos nesse debate. Por outro lado, no portal da Embrapa – www.embrapa.br/soja/ferrugem há uma nota afirmando: “…o período ótimo para a semeadura da soja na maior parte do País é entre outubro e novembro. Com isso, até março todas as lavouras estariam colhidas. Como o fungo causador da ferrugem asiática precisa de plantas vivas para sobreviver, a ausência de plantas interrompe seu ciclo produtivo. Ao se semear em fevereiro, amplia-se até junho o período com plantas vivas no campo. Chamada de ponte verde, essa situação aumenta o número de gerações do fungo em uma única safra. Sabe-se que a semeadura em fevereiro apresenta menor severidade de ferrugem asiática do que a semeadura em dezembro, porém, menor severidade não significa ausência”.

Ou seja, será fundamental uma mesa de debates sobre essa questão. Então, estamos aqui abertos a ouvir os cientistas, pesquisadores e agricultores, sem vieses de ordem econômica, ideológica e política. No assunto das doenças, a ciência precisa falar mais alto.

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo (SP), com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico. 

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

ARTIGOS RELACIONADOS

PlantUP chega a mais de 10 milhões de hectares cadastrados em um ano

A plataforma digital de informações agrícolas tem sido uma aliada importante para agricultores nas tomadas de decisões

Preços da soja preocupam cooperativas agropecuárias gaúchas

Segundo a FecoAgro/RS, valores do milho também não são animadores para os produtores e cooperativas.

Cresce a incidência de lagarta-das-folhas

A lagarta-das-folhas, S. eridania, está entre as principais lagartas na cultura da soja. Veja os métodos de controle em artigo da Campo & Negócios.

Ventos frios chegaram aos campos de soja do RS

Depois da chuva provocada pela passagem de uma frente fria, as condições meteorológicas na Região Sul mudaram. Os ventos frios de origem polar, com até moderada intensidade chegaram aos campos de soja da região de São Gabriel, no Rio Grande do Sul. Veja o vídeo enviado pela produtora rural Patricia Vione.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!