Novo condicionador microbiológico: mais atividade biológica do solo

0
390
Foto: De Sangosse

Acaba de chegar ao mercado uma ferramenta inovadora para o produtor brasileiro, o SC5®, um condicionador de solo microbiológico, com ingrediente ativo biológico composto 100% pela bactéria Pseudomonas thivervalensis SC5.

A novidade é da multinacional francesa De Sangosse e é dotada de características únicas e múltiplas funcionalidades. Esta cepa exclusiva de microrganismos é naturalmente adaptada às diversas condições de estresses presentes no solo, com alta capacidade e velocidade de colonização do ambiente rizosférico das plantas.

O SC5® compõe um portfólio eclético e em expansão da empresa denominado Bio Solutions De Sangosse, disponibilizado a partir deste ano aos agricultores no Brasil.

O engenheiro agrônomo e diretor de desenvolvimento, Flavio Matarazzo, explica quais são os principais benefícios desta solução, que pode ser utilizada em todos os cultivos agrícolas. “O produto age por meio das bactérias que, uma vez aplicadas ao solo, se multiplicam rapidamente, colonizando a parte externa e interna de caules e raízes das plantas. Devido às características genéticas únicas desta cepa, o SC5® atua de forma múltipla e simultânea, contribuindo para maior atividade biológica e enzimática do solo, produzindo diferentes efeitos que promovem o bom desenvolvimento dos cultivos e possibilitam ganhos consistentes de produtividade com maior sustentabilidade”.

Multifunções, mais benefícios

A bactéria associativa Pseudomonas thivervalensis SC5® é resultado de pesquisa e desenvolvimento biotecnológico, visando obter uma solução com maior capacidade de entrega de resultados para uma agricultura que possibilite ganhos crescentes de produção e qualidade, com uso racional de recursos do solo e fertilizantes.

Segundo Matarazzo, este condicionador microbiológico atua por diferentes vias que incluem muitos benefícios, como maior disponibilização de nutrientes, maior resistência aos diferentes agentes de estresse no solo, modulação de fitormônios e ativação do sistema de defesa natural das plantas contra patógenos.

Bactérias do bem

Cada vez mais e de forma irreversível, o agronegócio tem validado e adotado o uso desses microrganismos benéficos e de seus metabólitos, para manejar aspectos relevantes da produção agrícola. É este o caso da bactéria, a Pseudomonas thivervalensis SC5, que contém genes específicos desta cepa envolvidos na solubilização de compostos fosfatados mineral e orgânico, além de outros elementos.

“Essa bactéria participa dos ciclos de fósforo, nitrogênio, enxofre, zinco e ferro do solo por meio de diversas atividades enzimáticas, aumentando a disponibilidade de vários nutrientes essenciais”, pontua o diretor de desenvolvimento da De Sangosse. “Além disso, ele aumenta a atividade enzimática do solo e tem ação direta na redução dos estresses hídrico e salino”, completa Matarazzo.

Devido às suas características e modo de ação no solo e nas plantas, o SC5 também induz um maior crescimento radicular, aumentando a produção de auxinas e citocininas.

O produto ainda influi e modula níveis de etileno na planta. O etileno é um dos hormônios vegetais mais importantes na regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal, estando envolvido em múltiplos processos fisiológicos e de desenvolvimento das plantas, bem como na regulação de interações planta-microrganismo.

“Normalmente, quando pensávamos em condicionadores de solo tradicionais buscávamos influir basicamente em correções físicas, estruturais e químicas como pH, por exemplo. Já o conceito do SC5 como condicionador microbiológico amplia muito a gama de benefícios e efeitos para o solo e as plantas”, aponta Matarazzo.

Mais produtividade também no milho

Nos trabalhos oficiais para validação agronômica do SC5 na cultura do milho, a equipe técnica de campo da De Sangosse realizou pesquisa em diferentes ambientes de produção, a fim de avaliar o desempenho em produtividade, ganho de massa e de qualidade do solo.

Em um desses testes com aplicação de 50% da dose em nitrogênio (N), a produtividade foi de 13 toneladas de grãos por hectare, enquanto a testemunha, sem inoculação, fez 11 toneladas. Já o acúmulo de biomassa foi de 9,3 ton/ha com 50% da dose em N, enquanto a testemunha sem inoculação foi de 8,1 t/ha.

Agricultura sustentável

A busca por uma agricultura sustentável é um assunto que está em pauta há algum tempo. E graças aos investimentos em estudos, pesquisas e técnicas, hoje já conseguimos desenvolver ações que viabilizem a agricultura ecorresponsável, possibilitando a produção em grande escala, de alimentos mais saudáveis, levando em consideração todo o ecossistema e a saúde do consumidor.

O CEO da De Sangosse Brasil, Marco Lopes, explica a dinâmica da agricultura sustentável: “Quando falamos em agricultura sustentável, precisamos ter em mente que os produtos precisam suprir a demanda de produção, ser rentáveis aos produtores e ecologicamente corretos. O sistema agrícola convencional não será mais viável daqui a alguns anos, justamente pela necessidade da harmonia entre meio ambiente e produção agrícola”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!