20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesO Censo, o PIB e a sustentabilidade do agro

O Censo, o PIB e a sustentabilidade do agro

O Censo e o PIB do agro revelam dados cruciais para impulsionar a sustentabilidade do setor.

Por Aline Locks, CEO Produzindo Certo

Aline Locks
Créditos: Divulgação

Quem circula pelas principais regiões de produção agropecuária do Brasil percebe, no visual, a transformação da última década. O desenvolvimento está nas ruas, nas praças, nas cidades.

As estatísticas, quando chegam, traduzem em números o que antes era sentimento: o Brasil do Agro é o país das oportunidades duradouras, do crescimento sustentável, do equilíbrio socioeconômico.

Quem vive nos grandes centros urbanos nem sempre encontra esse Brasil. E às vezes se espanta, como aconteceu semanas atrás na divulgação, pelo IBGE, dos primeiros dados levantados pelo Censo 2022.

O primeiro destaque, valorizado pela mídia tradicional, foi a redução do ritmo de crescimento da população brasileira. A taxa média anual ficou em apenas 0,52%, menor índice desde que o primeiro censo nacional foi realizado, em 1872.

Somos 206 milhões – e não os mais de 210 milhões que se estimava – por conta de menores taxas de natalidade e, infelizmente, maiores índices de mortalidade (violência e até pandemia pesam aqui).

E estamos mais velhos e podemos ver a população até diminuir na próxima década. A proporção de brasileiros acima dos 60 anos é a maior da história, enquanto as faixas mais jovens encolheram. Soam alertas, relevantes, sobre os riscos desse fenômeno para a oferta futura de mão de obra e seus impactos nas contas da Previdência Pública.

O que poucos enxergaram, logo de início, nos números do Censo é que estamos mais interiorizados. Os fluxos migratórios internos, que até décadas atrás abarrotavam as periferias das capitais e metrópoles, se inverteu.

A população cresce mais onde se planta, se cria animais, se produz alimentos, fibras e bioenergia. A locomotiva econômica, assim, puxa também os vagões demográficos em estados como Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Tocantins, além de regiões de Maranhão, Bahia e Piauí.

Ao jogar a lupa sobre estados e municípios, esse fenômeno fica explícito. Mato Grosso, por exemplo, teve um crescimento três vezes maior que a média nacional. Isso se reflete em cidades como Sorriso, com acréscimo populacional de 66,73% de 2010 para 2022. Querência, com 105%, saltou de 13 mil moradores, para mais de 26 mil. Oitavo maior produtor de soja do país, o município viu “cerca de 3,4 mil novos empreendimentos se instalarem no local ao longo desse intervalo entre as pesquisas”, segundo informou o site AgFeed.

Dinheiro chama dinheiro, que chama gente em busca de prosperidade e melhores condições de vida. O Censo comprova como a atividade agropecuária, antes vista como insuficiente para garantir a permanência da população no campo, tornou-se chamariz. Os dados demográficos se alinham com os do PIB.

“Em 16 anos, o PIB do Mato Grosso cresceu 121,3%, segundo a MB Associados. Como comparação, a evolução do paulista foi de 41,5%”, afirma trecho de reportagem que faz parte de uma série produzida pela Folha de S. Paulo.

Os jornalistas do veículo visitaram vários municípios do estado e concluíram que eles “se tornaram polos de atração de investimentos para além do agronegócio, com expansão imobiliária acelerada e criação de empregos para migrantes de outros estados. O setor de serviços também tem boa qualidade e diversidade nessas cidades”.

Superintendente do IBGE em Mato Grosso, Millane da Silva, afirma ao AgFeed: “Nesses 10 anos muita coisa se modificou, com a agricultura tecnificada se especializando cada vez mais. A população da região cresceu 20,5% enquanto o número de domicílios subiu quase 50%. Houve construção civil, atividade imobiliária, e tudo isso atrai a população”.

A riqueza gerada no campo, assim, se multiplica por outras atividades nas cidades do interior brasileiro. E é distribuída de forma mais homogênea, de acordo com levantamento da a FGV Social. O estudo mostra que a renda média per capita do trabalho no Centro-Oeste é a maior do país. A região é a segunda menos desigual pelo índice de Gini, com pontuação de 0,57 – pela metodologia, que estabelece uma variação de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de 0, melhor. O Sudeste, região mais rica, tem escore 0,59.

“Os indicadores do Centro-Oeste e de estados do Norte, como Rondônia e Tocantins, que fazem parte do mesmo processo, têm surpreendido”, disse Marcelo Neri, diretor da FGV Social, a Folha de São Paulo.

Quem circula por lá não fica tão surpreso. A conta da sustentabilidade do agro, tão cobrada na área ambiental, também está se refletindo no aspecto social. O campo, assim, mostra mais uma vez, que pode e deve ser exemplo para o Brasil.

ARTIGOS RELACIONADOS

Exportações de algodão: As maiores da história

AutorMilton Garbugio Presidente da Abrapa e produtor rural miltongarbugio@gmail.com Na safra 2018/19, a perspectiva é que o Brasil produza 2,9 milhões de toneladas de pluma,...

Startup do Agro é premiada no Fórum Econômico Mundial

A startup venceu o Global Freshwater Challenge.

Universo Pecuária presente na Expodireto Cotrijal

Representantes do Sindicato Rural de Lavras do Sul, SIA, Serviço de Inteligência em ...

Agricultura inteligente e sustentável

Os maiores desafios vêm no início, com os investimentos que você tem que fazer para passar a atuar dentro de uma agricultura de baixo carbono, dentro de uma agricultura regenerativa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!