22.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioPecuáriaApiculturaObservatório Brasileiro de Abelhas mira a mortandade de polinizadores

Observatório Brasileiro de Abelhas mira a mortandade de polinizadores

Programa inédito une governo e iniciativa privada visando superar a falta de dados padronizados e confiáveis sobre incidentes causadores de morte de abelhas

Iniciativa inédita para conservação dos polinizadores no Brasil, o Programa Observatório Brasileiro de Abelhas foi lançado, no último dia 12, em um workshop voltado para técnicos de defesa agropecuária do País.

Créditos: Divulgação

O projeto, que tem coordenação conjunta da Embrapa Meio Ambiente e do Ministério da Agricultura e Pecuária, foi criado em resposta a demandas de diversos setores da sociedade. Seu objetivo é conduzir e apoiar ações voltadas para a redução da mortandade de abelhas no Brasil, em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para 2030.


A iniciativa está sendo construída com parcerias governamentais e da iniciativa privada, a exemplo da Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A.). O programa opera em colaboração com agências estaduais de defesa agropecuária, visando superar a falta de dados padronizados e confiáveis sobre incidentes relacionados a abelhas.


O Observatório está desenvolvendo um sistema de informações para registrar sistematicamente esses incidentes, identificar possíveis causas de morte e reunir dados consistentes em uma plataforma nacional oficial.


A sistematização e consolidação dessas informações permitirão análises técnicas e científicas dos possíveis fatores causais, capacitando as autoridades públicas e outros setores da sociedade a adotarem medidas para minimizar a perda de polinizadores.


Avanços significativos foram alcançados desde o início do Programa, em agosto de 2022, e foram compartilhados durante o workshop. O evento também incentivou a interação entre os colaboradores do Programa, fortalecendo ainda mais o Observatório de Abelhas do Brasil.


Lançamento
O workshop de lançamento foi transmitido ao vivo pelo canal da Embrapa no YouTube (onde ainda está disponível). O evento online ofereceu um panorama sobre o novo Programa e consistiu em três painéis centrais: 1. Ideação e Execução do Programa Observatório de Abelhas do Brasil; 2. Estrutura e funcionalidades 3. Atuação dos órgãos estaduais de defesa animal integrados ao Observatório.


Durante a abertura do evento, o chefe de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa Meio Ambiente, Cristiano Menezes, expressou que a organização das informações disponíveis poderá fornecer dados sólidos para a tomada de decisões relacionadas ao risco de redução populacional dos polinizadores. “Os beneficiados serão o setor público, os apicultores, os agricultores e a indústria agrícola, que poderão implementar as melhores práticas para conservar os polinizadores”, disse Menezes.


Rodrigo Agostinho, presidente do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), enfatizou a necessidade de um compromisso ético e de uma abordagem abrangente para a conservação das abelhas, destacando o papel crucial que esses polinizadores desempenham em nossos ecossistemas e na produção de alimentos. Ele ressaltou que a criação do Observatório é um passo crucial, especialmente considerando os desafios enfrentados pelas abelhas devido ao uso inadequado de produtos químicos no campo.


Agostinho expressou o otimismo de que a criação do Observatório, com sua abordagem colaborativa, incentivará a formação de parcerias para estabelecer um banco de dados confiável, que servirá como base para o desenvolvimento de políticas eficazes de conservação das abelhas. “A urgência em conservar todas as espécies vivas é inquestionável. No entanto, quando se trata de insetos polinizadores, especialmente abelhas, essa responsabilidade deve transcender o ordinário, devido à sua grande importância no equilíbrio ambiental”, afirmou.


Ana Assad, diretora-executiva da A.B.E.L.H.A., acredita que a conexão com produtores de pequeno, médio e grande porte trará benefícios para a sociedade como um todo. “O Observatório tem o potencial de unir e profissionalizar a apicultura e meliponicultura, integrando a atividade de criação de abelhas com a agricultura por meio dos serviços de polinização. Essa coexistência será muito bem-vinda para o desenvolvimento sustentável do Brasil”, afirmou Assad.


A bióloga Betina Blochtein, da coordenação executiva do Observatório, destacou que o Programa beneficiará aspectos importantes do sistema relacionado às abelhas, incluindo o aumento do número de registros de apicultores e a profissionalização do setor, além de promover capacitação em convivência harmônica e boas práticas agropecuárias e apícolas.


Ela explicou que o Programa também está comprometido em estabelecer uma rede integrada de laboratórios dedicados à saúde animal e detecção de agentes causadores dos incidentes com abelhas. Por fim, a plataforma de dados e o site informativo do Observatório trarão maior visibilidade ao tema e medidas práticas para reverter o cenário de mortandade de abelhas.


Flávia Viana Silva, do Departamento de Qualidade Ambiental do Ibama, ressaltou a importância de ter acesso a fontes oficiais de informações, uma vez que há poucos dados sobre as abelhas e sua mortandade. Por sua vez, Lucia Gatto, coordenadora de Produção Animal do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), acredita que trabalhar de forma mais rápida e colaborativa com informações que impactam as abelhas proporcionará sustentabilidade para aqueles que dependem dessa cadeia, com efeitos em todos os outros setores.


O software AgroTag-Abelhas, apresentado pelo pesquisador Luiz Vicente, da Embrapa Meio Ambiente, é um sistema abrangente e integrado de monitoramento que preencherá a lacuna de informações oficiais. Inspetores de órgãos sanitários oficiais poderão registrar ocorrências rapidamente durante a coleta, com base nas necessidades regionais.


Defesa agropecuária
Durante o terceiro painel, representantes de agências de defesa animal compartilharam suas perspectivas a partir de seus respectivos Estados. Renata Taveira, de São Paulo, enfatizou que, com o Observatório, será possível dar os encaminhamentos corretos às ocorrências.
 

Representante do Paraná, Ricardo Vieira destacou que a mortandade está acontecendo por uma série de fatores, como perda de habitats naturais, aquecimento global e uso inadequado de defensivos, e, por isso, é preciso usar dados confiáveis para chegar a soluções mais eficazes.


Já Antonio Amaral, de Goiás, comentou que o Observatório tornará possível dar respostas aos produtores, além do cadastro georreferenciado dos criadores do Estado. Noirce Lopes, do Mato Grosso do Sul, vê possibilidades de avanços do Programa em todo o País, com capacitações para apicultores e agricultores trabalharem com mais confiança e veracidade de dados. Por último, Aruaque Lotufo, representante do Mato Grosso, destacou a importância da conscientização do produtor para o cadastramento no órgão de defesa estadual, para possibilitar a investigação e o fortalecimento da rede diagnóstica.
Finalizando o evento, Cristiano Menezes enfatizou que acredita que é possível existir uma agricultura sustentável por meio da polinização sem morte de abelhas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como realizar o preparo de colmeias para a próxima safra?

Por Heber Luiz Pereira, apicultor, doutor em zootecnia, consultor da HP Agroconsultoria e do Colmeia Viva, programa do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). 

Aviação agrícola e proteção dos polinizadores

As culturas agrícolas podem depender, se beneficiar ou não depender do serviço de polinização realizado pelas abelhas.

Juntos para fortalecer a criação de abelhas no Brasil

Por meio da iniciativa conjunta, instituições ampliam contribuição para a profissionalização e o desenvolvimento sustentável das atividades

‘Poliniza’: conheça o projeto de consórcio de abelhas com pomares de laranja orgânicos

Iniciativa tem o objetivo de ajudar na manutenção e na estabilidade dos ecossistemas, contribuindo com a natureza, com o bem-estar humano e com a segurança alimentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!