20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiOrganominerais + ácidos húmicos + algas otimizam enraizamento do tomate

Organominerais + ácidos húmicos + algas otimizam enraizamento do tomate

Bruno Nicchio

bruno_nicchio@hotmail.com

Daniel Lucas Magalhães Machado

danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br

Engenheiros agrônomos e doutorandos em Fitotecnia – ICIAG-UFU

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia

ernanelemes@yahoo.com.br

 

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

É crescente a demanda por alimentos nos dias atuais, considerando o aumento populacional nos últimos anos, com previsão de avanço contínuo nas próximas décadas. A demanda por alimentos é notória e a necessidade de produção agrícola capaz de responder a demanda necessária é ainda maior.

O Brasil é o terceiro maior produtor agrícola do mundo, superado apenas pelos Estados Unidos e pela China (Rabelo, 2015). Neste cenário, o manejo agrícola de produção é muito importante, principalmente no que se refere à nutrição de plantas baseada em alto potencial genético de desenvolvimento e produção das culturas empregadas nos dias atuais.

Os fertilizantes, de origem orgânica ou inorgânica, são responsáveis pela reposição dos principais nutrientes necessários às plantas. De acordo com a Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA), entre os anos de 2010 a 2015 o aumento no consumo de fertilizantes NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) foi de 28,8%, além do total de mais de 70% de importação, o que coloca o Brasil na quarta posição de maior consumidor de fertilizantes no mundo.

Seu uso apresenta grande influência nos custos de produção, e com isso o uso de fertilizantes alternativos torna-se necessário para os cultivos agrícolas.

O tomateiro apresenta ganhos de produtividade com o emprego de fertilizantes organominerais - Crédito Shutterstock
O tomateiro apresenta ganhos de produtividade com o emprego de fertilizantes organominerais – Crédito Shutterstock

O tomateiro

Entre as hortaliças, o tomateiro é a espécie mais importante, tanto sob o ponto de vista econômico quanto social, pelo volume da produção e geração de empregos. De acordo com a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Minas Gerais, a safra de 2016 atingiu uma média de produção de 3,54 milhões de toneladas, com uma produtividade média de 64,8 t ha-1 em uma área com cerca de 54,7 mil hectares.

Embora cultivado em todos os Estados em maior ou menor escala, no ano de 2016 os principais produtores foram Goiás (23,1%), São Paulo (21,3%), Minas Gerais (20,9%), Bahia (7,0%) e Rio de Janeiro (5,4%).

Da produção total, 70% são destinados ao mercado para consumo ao natural e o restante é matéria-prima para industrialização, com os quais são elaborados diversos produtos, tais como estratos, pastas, molhos, sucos e outros derivados (Makishima& De Melo, 2005).

O manejo de adubação na cultura deve ser rico e equilibrado - Crédito Ana Maria Diniz
O manejo de adubação na cultura deve ser rico e equilibrado – Crédito Ana Maria Diniz

Manejo

O manejo de adubação na cultura deve ser rico e equilibrado, seguindo as recomendações de análise de solo e fornecimento de acordo com as fases de maior exigência fisiológica da cultura (Makishima& De Melo, 2005).

O custo de produção do tomateiro é muito variável, dependendo da época do ano, local e sistema de produção utilizado, mas, de forma geral, o custo de produção gira entre R$ 25,00 a R$ 30,00 por caixa de 23 kg, em torno de R$ 100 mil por hectare, considerado um patamar bastante elevado ao agricultor (Hortifruti Brasil, 2016), se comparado com o custo de produção de R$ 30 mil por hectare em 2005.

Por isso, diversas pesquisas têm sido realizadas visando apresentar formas alternativas para a economia de fertilizantes, buscando sua suplementação ou até mesmo a substituição da utilização desses fertilizantes convencionais.

Foto 04

Os organominerais

Os fertilizantes organominerais são considerados produtos alternativos, resultantes da mistura física ou combinação de fertilizantes minerais e orgânicos, segundo o Decreto nº 4954, de 14 de janeiro de 2004 que regulamenta a Lei nº 6.894, de 16 de dezembro de 1980. E de acordo com a Instrução Normativa nº 25, de 23 de julho de 2009, apresentam diferentes usos: foliar, fertirrigação, hidroponia, fluido, solução, suspensão, complexado equelatado.

O segmento de fertilizantes organominerais se expandiu nos últimos anos em um forte ritmo, decorrente das demandas por adubos e por aproveitamento de resíduos na agricultura (Sousa, 2014; Rabelo, 2015).

Os organominerais apresentam diversas vantagens, ao proporcionarem efeito residual (slow release), liberação gradual do nutriente, redução de índices de volatilização (nitrogênio), lixiviação (potássio), fixação (fósforo) de nutrientes no solo e até estresse fisiológico em condições de veranico.

Além disso, quando complexado com matéria orgânica concentrada (ácidos húmicos e fúlvicos), os resultados podem ser ainda mais vantajosos, pois os ácidos húmicos (compostos orgânicos oriundos da decomposição de resíduos vegetais e animais do ambiente) podem proporcionar melhor desenvolvimento de raízes e desenvolvimento vegetativo, resultando na redução de perdas de nutrientes e aumento na eficiência de absorção e extração.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nutrição e adubação com boro em eucalipto

A redução de produtividade devido à deficiência de boro (B) pode alcançar valores da ordem de 30% (13,5 m3/ha/ano), conforme resultados obtidos em diversas...

Resultados das algas na inoculação de feijão

A nodulação é o processo resultante da simbiose entre bactérias e leguminosas, sendo esta relação importantíssima para essas plantas, uma vez que converte o nitrogênio proveniente da atmosfera em formas disponíveis para elas. Porém, o feijão, ao contrário da soja, não tem sua exigência de nitrogênio suprida somente pela fixação biológica, requerendo assim fertilizantes nitrogenados, que acarretam em aumento no custo de produção e podem causar impactos ambientais. Desta forma, uma nodulação mais eficiente nessa cultura reduz o custo com a adubação nitrogenada e os impactos desta no meio ambiente.

XXII Curso sobre Manejo de Nutrientes em Cultivo Protegido

A CONPLANT promove o XXII Curso sobre Manejo de Nutrientes em Cultivo Protegido visando oferecer aos participantes oportunidade de atualizar conhecimentos nesse importante segmento...

Como alcançar alta produtividade da beterraba?

Para se obter alta produtividade, o primeiro ponto corresponde à preparação do solo, que devem ser bem drenados e de textura pouco argilosa. Além disso, deve-se realizar a análise quí­mica do solo e uma adubação adequada para a cultura, para que não ocorra desbalanço e deficiência nutricional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!