18.1 C
São Paulo
domingo, agosto 14, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Período seco exige cuidados com as ervas daninhas da cana

Período seco exige cuidados com as ervas daninhas da cana

Daniele Maria do Nascimento Engenheira agrônoma e doutora em Agronomia/Proteção de Plantas – UNESPdonascimentodm@gmail.com

Marcos Roberto Ribeiro Junior Engenheiro agrônomo e doutorando em Agronomia/Proteção de Plantas – UNESPmarcos.ribeiro@unesp.br

Cana – Crédito: Ana Maria Diniz

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar e, apesar dos episódios de geadas ocorridos nesse ano em algumas áreas de produção, como São Paulo e Mato Grosso do Sul, ainda se espera uma boa produção.

Segundo o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a estimativa é que sejam colhidas 592 milhões de toneladas nessa safra 2021/22, com uma produtividade média de 71,82 kg/ha (5,5% menos que na safra anterior).

Além das oscilações climáticas, outros fatores também podem estar relacionados a possíveis perdas de potencial produtivo, como a ocorrência de pragas, doenças e plantas daninhas. Em relação a estas últimas, segundo o pesquisador Pedro Christoffoleti, infestações leves podem acarretar em até 30% de perda de produtividade, e 50% no caso de infestações mais severas.

Principais plantas daninhas

Uma das principais espécies infestantes presentes na cultura da cana-de-açúcar hoje é o capim colonial, seguido da braquiária e capim-colchão. Por serem gramíneas, como a cana-de-açúcar, seu manejo é um pouco mais complicado.

Outras plantas que merecem nossa atenção nessas lavouras são a corda-de-viola, mamona, grama seda, mucuna, tiririca, fedegoso, capim-amargoso, bucha, entre outras. Em levantamentos realizados nos últimos anos, destaca-se o grande número de plantas daninhas de folha larga, demonstrando assim a importância do uso de herbicidas que possuem dois ou mais ativos.

Manejo, por onde começar?

Dessecação, essa é a palavra-chave no manejo de plantas daninhas e para cana-de-açúcar, em especial, é o momento mais crítico. Se não for bem realizada, as espécies infestantes serão um problema até o momento da reforma dos canaviais.

Ainda durante o preparo da área da cana planta, a briga é contra as plantas oriundas das sementes. É nesse cenário que entram os pré-emergentes. Uma recomendação é o uso do glifosato associado a outros herbicidas com diferentes modos de ação, como os inibidores de ACCase. Isso se deve principalmente à ocorrência de plantas daninhas resistentes ao glifosato, como o capim-amargoso. Logo, esse herbicida sozinho não será eficiente.

Plantas remanescentes de cana-de-açúcar também devem ser eliminadas, uma vez que hospedam pragas e doenças, atuando como uma “ponta verde” para o próximo cultivo.

Novas ferramentas

O mercado vem recebendo a cada ano novas tecnologias para o canavicultor. Quando se trata de herbicidas, a novidade são as formulações. Os ingredientes ativos, de modo geral, continuam os mesmos, mas as formulações vêm gerando produtos que toleram melhor a seca, por exemplo.

Dentro desse arsenal de novas ferramentas, um novo herbicida de uso em pré-emergência se destaca, inibindo tanto a germinação de plantas daninhas de folhas largas como as de folhas estreitas; com alta eficiência de transposição da palhada; e sem volatilidade, o que possibilita seu uso próximo a culturas sensíveis.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Período seco exige cuidados com as ervas daninhas da cana