19.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioAnimaisBovinosPeríodos úmidos são ideais para mastite ambiental 

Períodos úmidos são ideais para mastite ambiental 

Mais importante doença da pecuária leiteira, a mastite tem alto nível de contágio.

A pecuária leiteira requer cuidados especiais, pois a produtividade e o bem-estar dos animais estão muitas vezes associados ao clima e às condições do ambiente. No verão, época marcada pelo clima quente e de fortes chuvas, a proliferação de bactérias é rápida e muitas vezes silenciosa. Este é o cenário perfeito para a proliferação das mastites. “Fazemos a distinção da mastite em duas espécies: a contagiosa e a ambiental, sendo a segunda a mais frequente, pois o rebanho fica suscetível à contaminação por bactérias presentes nas fezes e urina”, analisa o médico-veterinário Thales Vechiato, da Pearson Saúde Animal.

A mastite ambiental afeta a glândula mamária das vacas, causando inflamação, dor, queda na produção de leite e pesados prejuízos econômicos. Ela é provocada por bactérias presentes no ambiente, como Escherichia coliKlebsiella pneumoniae e Streptococcus uberis. Já a mastite contagiosa surge em consequência do contato entre glândulas mamárias, que pode ocorrer por meio do equipamento de ordenha ou das mãos dos ordenadores.

“Outra distinção entre mastite clínica e subclínica: na primeira os indícios de inflamação são fáceis de identificar e podem manifestar diversos sintomas, como aumento da temperatura corporal, inchaço, rigidez e desconforto nas glândulas mamárias. Em infecções mais intensas, são frequentes dificuldade respiratória, pressão arterial baixa, fraqueza e falta de apetite. Já no caso da mastite contagiosa, os indícios não são tão aparentes, pois não há modificação na glândula mamária nem na aparência do leite. Por isso, pode passar despercebida. Nessas situações, há aumento da contagem de células somáticas e mudanças nos níveis de caseína, cálcio, gordura e lactose”, explica o médico-veterinário.

Para identificar se o animal está com mastite subclínica, são feitos testes, como o CMT (California Mastitis Test). Segundo a Embrapa, o experimento consiste na reação entre a amostra de leite e o reagente (CMT) ao ser misturados. Há formação de gel quando o resultado é positivo. Como o resultado do teste é baseado na formação de gel, quanto mais afetado estiver o quarto mamário mais gelatinosa fica a mistura.

“Independentemente dos casos, é necessário adotar estratégias que auxiliam o combate a essas infecções. Para isso, a Pearson disponibiliza em seu portfólio Tilofor 20%, que tem como princípio ativo a tilosina, antibiótico que impede as bactérias de produzir proteínas, o que as torna sensíveis ao produto. Outra solução é  Newmast, formulado com flumetasona, neomicina e espiramicina. Ele tem amplo espectro de ação e atua sobre os principais agentes causadores de mastite em bovinos. Seu uso deve ser feito no tratamento da mastite aguda ou crônica em vacas em lactação causada por Staphylococcus aureusStreptococcus agalactiae Escherichia coli“, detalha Thales Vechiato.

ARTIGOS RELACIONADOS

Doenças infecciosas e parasitárias exigem atenção redobrada dos pecuaristas

A "pele" dos vermes tem pequenos espinhos, que arranham a parede dos órgãos internos dos bovinos, resultando em inflamação.

Moscas causam perdas de até 40kg do peso dos bovinos

É momento de preocupação para produtores com verão chuvoso.

Performance produtiva da pecuária envolve nutrição animal

Maior produtora de fosfato bicálcico da América Latina, Mosaic Fertilizantes oferta ingrediente mineral de alta qualidade e pureza para a produção de rações em Goiás

Trigo se torna uma opção vantajosa nas propriedades pecuárias

Cada vez mais o trigo se consolida nas propriedades pecuárias pelo seu leque de vantagens para a ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!