21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPinta-preta arrasa lavouras de tomate e batata

Pinta-preta arrasa lavouras de tomate e batata

Cristiane Bezerra da Silva

Bióloga, doutora em Ciências Farmacêuticas

cris.mpj@gmail.com

Crédito UFRGS
Crédito UFRGS

A pinta-preta é uma das principais e mais frequentes doenças fúngicas que atinge a cultura da batata, tomate, berinjela, mamão, laranja e limão, comprometendo as folhas, frutos e também os tubérculos da batata. São Paulo e o Sul de Minas Gerais, Sudeste, Paraná, Santa Catarina, Rio de janeiro, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, na região Sul, são os Estados mais afetados pela pinta-preta.

A doença pode causar perdas da ordem de 5 a 78%, com uma intensa redução da área foliar, queda do vigor das plantas e depreciação dos tubérculos. Nas plantações de laranja, esses prejuízos podem chegar a 80% de perda na produção.

Os frutos afetados, em geral, caem prematuramente, reduzindo a produtividade das plantas. Frutos com sintomas da doença são muito depreciados no mercado nacional de fruta fresca e são impróprios para exportação.

As perdas provocadas por esta doença variam em função de vários fatores, dentre eles, são conhecidos a época em que a doença se estabelece na cultura, taxa de progresso da doença, cultivar utilizado e condições ambientais.

A ocorrência de epidemias severas está associada a temperaturas na faixa de 25 a 32ºC e elevada umidade, sendo caracterizada por intensa redução da área foliar, queda do vigor das plantas, quebra de caules e depreciação dos frutos.

As perdas provocadas por esta doença podem chegar a uma lavoura inteira - Crédito Ricardo J. Domingues
As perdas provocadas por esta doença podem chegar a uma lavoura inteira – Crédito Ricardo J. Domingues

Favorecimento da doença

O tomateiro destaca-se por apresentar um amplo histórico de problemas fitossanitários, responsáveis por perdas significativas na produção. Por ser uma cultura que demanda grande quantidade de insumos durante todo o ciclo de cultivo, é uma das mais prejudicadas pela ocorrência de doenças, sendo, por isso, suscetível à pinta-preta.

Nas condições de alta temperatura e umidade, aumentam as lesões, que apresentam um crescimento aveludado negro composto por frutificações do patógeno. Sementes infectadas por Alternariaspp., quando semeadas podem resultar em plântulas com sintomas de podridão e anelamento do colo, tombamento em pré e pós-emergência e morte de plantas jovens.

Sintomas de pinta-preta em batata - Crédito Ricardo J. Domingues
Sintomas de pinta-preta em batata – Crédito Ricardo J. Domingues

Sintomas

Na cultura da batata, a doença é disseminada pelo vento, água, insetos, trabalhadores e implementos. Os sintomas surgem primeiro nas folhas mais baixas, próximas ao solo, e depois evoluem para as superiores. Com umidade livre sobre as folhas e temperaturas favoráveis, a germinação e a penetração do fungo ocorrem rapidamente e as lesões surgem após três e cinco dias.

É importante destacar que o fungo pode sobreviver no solo por um longo período. Na batata, apinta-preta se torna mais severa quando as plantas são submetidas a um estresse hídrico e/ou nutricional e estas se tornam mais suscetíveis à doença quando entram na fase de formação dos tubérculos e as primeiras folhas atingem a maturidade, entre 35 e 45 dias (início da formação dos tubérculos).

A partir desta fase, a demanda por nutrientes para a formação da batata é grande e sintomas de deficiências de magnésio podem surgir nas folhas mais velhas, tornando-as mais suscetíveis ao fungo. A falta de água e/ou nitrogênio também pode favorecer a propagação da doença nas lavouras.

 

Alerta

As altas temperaturas do verão trazem consigo excessivas chuvas que influenciam diretamente a incidência da pinta-preta. Além disso, a chuva pode carregar conídios do patógeno para outras culturas, o que dificulta o seu controle.


Manejo

A adoção integrada de diferentes práticas é fundamental para um controle eficiente da pinta-preta. Os métodos de controle preventivo devem ser priorizados sempre que possível, pois após o estabelecimento da doença o controle é mais difícil e os prejuízos podem ser maiores.

Além disso, com o alto potencial destrutivo do patógeno, consagrou-se a utilização de fungicidas como uma das principais medidas de controle, em condições ambientais favoráveis à doença.

A primeira e fundamental medida de controle é a escolha da área e época de plantio. Locais onde há possibilidade de acúmulo de umidade, ventos fortes e constantes e épocas do ano de maior precipitação são mais propensos à ocorrência da doença.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cuidados no plantio do milho

  Ademilson de Oliveira Alecrim Mestrando em Fitotecnia/Cafeicultura pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), membro associado ao Núcleo de Estudos em Cafeicultura " NECAF e Grupo...

Propriedade em Congonhas é recuperada e vira modelo de sustentabilidade e diversificação

O visitante que chega à Fazenda Paraíso dos Profetas, no município de Congonhas, região central de Minas Gerais, encontra uma propriedade com pastagens verdes, disponibilidade de...

Manejo do mato na lavoura cafeeira

Hélio Casale Engenheiro agrônomo e consultor da Tecnores Consultoria e Serviços hecasale@terra.com.br Manejar o mato é um dos princípios básicos para se alcançar sucesso com a lavoura...

Corteva lança tecnologia Powercore Ultra

Semente biotecnológica vem com quatro proteínas para auxiliar no combate de lagartas e outras duas que conferem tolerância a herbicidas A Corteva AgriscienceTM lança hoje...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!