26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosPinta-preta: como agir quando ela ataca a batata?

Pinta-preta: como agir quando ela ataca a batata?

Para agir quando ela ataca a batata, é necessário seguir um programa eficiente de controle, que envolve o uso de fungicidas protetores e específicos desde o início do desenvolvimento da cultura até a colheita

Rayla Nemis de Souza
nemisrayla@gmail.com

Rafael Rosa Rocha
rafaelrochaagro@outlook.com
Engenheiros agrônomos e mestres em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola – Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

O Brasil é um dos principais produtores de batata. De acordo com FAO, no ano de 2021 a produção do hortifrúti no País foi de 3,8 milhões de toneladas em uma área de cerca de 110 mil hectares.

Crédito: Luize Hess

Detendo de um consumo que vem crescendo a cada ano, o produtor brasileiro de batata enfrenta normalmente um grande problema que dificulta o aumento de produtividade de suas lavouras – a pinta-preta (Alternaria solani).

A pinta-preta se caracteriza pela formação de lesões circulares concêntricas de coloração escura nas folhas e nos ramos da batata. O surgimento se dá pela formação de manchas pequenas, na qual se desenvolvem lesões castanho-escuro, e dentro delas se formam os conídios.

Lesões nas hastes são caracterizadas por serem pardas e alongadas, podendo ou não apresentar halos concêntricos. As lesões em tubérculos de batata são escuras, circulares e irregulares, com bordos de cor púrpura ou bronzeada.

Sintomas

Nas plantas adultas, os sintomas surgem primeiramente nas folhas mais velhas e evoluem para as partes mais novas da planta, causando grandes prejuízos, tanto na produção como na qualidade do produto.

O fungo consegue sobreviver nos restos culturais e infecta outros plantios, como berinjela, cebola e tomate. A doença também pode ser transmitida por sementes contaminadas.

Danos

Regiões que apresentam temperaturas mais elevadas, entre 24 a 34ºC, e alta umidade do ar são propícias para a disseminação do fungo. A doença pode causar sérios danos à batata, com intensa redução da área foliar, queda do vigor das plantas, depreciação de tubérculos e consequentemente redução do potencial produtivo.

É comum que as lavouras sofram perdas entre 10 a 50%, mas sob condições de altas temperaturas e umidade prolongada as perdas podem chegar até 70% nas épocas de maior ocorrência da doença.

Dessa forma, para o produtor alcançar bons resultados é necessário manter um acompanhamento climático constante, com o controle das doenças, evitando o cultivo em áreas propensas ao acúmulo de umidade. Cultivares nacionais possuem resistência intermediária à pinta-preta, mas ainda se faz necessário o uso de fungicidas.

Controle

Para um controle eficaz, a orientação é seguir um programa eficiente de aplicação de fungicidas protetores e específicos, desde o início do desenvolvimento da cultura até a colheita. Os fungicidas protetores à base de cobre, mancozeb, chlorothalonil, fluazinam e methiram são muito utilizados.

Possuem amplo espectro de ação, baixa fungitoxidade e proporcionam bons níveis de controle sob baixa pressão da doença. Esses produtos possuem custos relativamente baixos, dessa forma, podem ser aplicados de forma preventiva durante todo o ciclo da cultura.

O tempo de proteção na planta varia de seis a nove dias, sendo aconselhável aplicar a cada sete dias.

Os triazóis, referentes inibidores da biossíntese de ergosterol, são caracterizados por sua alta eficiência no controle da pinta-preta. Esses fungicidas possuem uma admirável capacidade preventiva e curativa, ação sistêmica e efetividade utilizando doses relativamente baixas.

Alguns triazóis podem causar fitotoxidez a plantas jovens de batata. Em relação ao controle biológico, formulações à base de Bacillus pumilus e Bacillus amyloliquefaciens têm sido recomendadas para o controle da pinta-preta na cultura da batata.

Fique atento à nutrição

É importante ressaltar que a boa nutrição das plantas é fundamental para o controle da doença. A falta de nitrogênio causa a senescência prematuramente das plantas, tornando-as mais suscetíveis.

Níveis apropriados de potássio, magnésio e matéria orgânica no solo melhoram o vigor e a longevidade das plantas e podem diminuir a intensidade da pinta-preta, enquanto a falta de fósforo pode aumentá-la.

Por meio da irrigação controlada é possível mitigar a doença. Evite umidade prolongada nas folhas, irrigações noturnas ou no final da tarde, reduza a frequência das regas em campos que já apresentam sintomas ou enquanto as condições climáticas forem favoráveis. O uso de sistemas de irrigação localizada pode minimizar a manifestação da doença.

Antes da implantação da cultura, algumas medidas de controle podem ser tomadas na intenção de prevenir o surgimento da doença, como: escolha do local de plantio, evitando áreas sujeitas ao acúmulo de umidade, circulação de ar limitada e a proximidade de lavouras em fase final de ciclo.

Deve-se, também, atentar às sementes utilizadas, dando preferência a sementes e mudas sadias, evitando plantio de cultivares/híbridos tolerantes. Procure não fazer plantios adensados, e elimine os restos culturais e tubérculos doentes, dessa forma reduzindo as fontes de inóculo e, consequentemente, a ocorrência da doença.

Recomenda-se realizar vistorias constantes da cultura, a fim de identificar focos da doença e facilitar as tomadas de decisões.

ARTIGOS RELACIONADOS

Zinco reduz severidade de requeima na batata

A requeima da batata causada pelo oomiceto Phythophthora infestans acarreta sérios prejuízos à cultura,

BASF chega com inovações à Hortitec

A Hortitec 2017 foi bem movimentada e frequentada, como era de se esperar, apesar da crise que atravessa o País. “Vimos que o mercado...

Calcário favorece enraizamento da batata

AutorTiago Henrique Costa Silva Engenheiro agrônomo e mestrando em Proteção de Plantas – IFG - Campus Urutaí (GO) tiago@agronomo.eng.br O calcário favorece o enraizamento...

Melhoramento genético para adaptação às mudanças climáticas

  Douglas José Marques Professor de Olericultura, Genética e Melhoramento Vegetal " Unifenas douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo - Unifenas Fábio Augusto Ishimoto André Ricardo Stefanuto de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!