18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosPor que o mundo precisa de mais algodão?

Por que o mundo precisa de mais algodão?

Abrapa marca presença na COP28.

No cenário atual, em que os reflexos das mudanças climáticas estão sendo sentidos diariamente pelas pessoas ao redor do mundo, o algodão é a opção mais sustentável disponível. Matéria-prima natural, de menor impacto ambiental e 100% biodegradável, ele tem perdido espaço no comércio global para as fibras sintéticas (mais baratas, mais poluidoras e menos duráveis). Durante a 28ª edição da Conferência de Mudanças Climáticas (COP) da Organização das Nações Unidas, que ocorre até 12 de dezembro em Dubai (EAU), o Brasil quer mostrar que essa história pode – e deve – ser mudada.

Crédito: Carlos Rudiney

“O consumidor prefere o algodão, porque é mais confortável, mais fresco ao vestir e tem mais qualidade. O agricultor quer continuar produzindo, porque já aprendeu a cultivar de forma responsável, minimizando impactos e criando ativos ambientais que ajudam na gestão climática”, explica Alexandre Schenkel, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa).

Durante a COP28, o diretor de Relações Internacionais da Abrapa, Marcelo Duarte Monteiro, estará no painel “Diálogos de Produção Verde: Revelando Práticas Sustentáveis ​​e Histórias de Sucesso em Carne Bovina e Algodão”. Será no dia 10/12 ao meio-dia (hora local). Há pelo menos três anos, a Abrapa tem levado para a COP cases de sustentabilidade e transparência da cotonicultura brasileira.

Neste ano, a presença terá função dupla. A primeira missão é mostrar como o modelo de produção de algodão brasileiro pode contribuir para o desafio das mudanças climáticas. Em segundo lugar, o objetivo é apresentar o sistema de rastreabilidade total dos fardos – que acompanha, com transparência, a jornada do produto desde as fazendas de origem até as indústrias, permitindo também o monitoramento dos benefícios ambientais do algodão.

“Entre as fibras têxteis de maior apelo comercial, o algodão é o que menos emite dióxido de carbono (CO²)”, pontua o diretor da Abrapa, citando dados de 2018 do International Cotton Advisory Committee (ICAC).

Ele lembra que, hoje, o País se destaca por ter mais de 80% de toda sua produção com certificação socioambiental. “Nas últimas décadas, o brasileiro desenvolveu um jeito próprio de cultivar. Aliamos eficiência, fazendo rotação de culturas e adotando a agricultura regenerativa, à responsabilidade. Quando a fazenda adere ao nosso protocolo de certificação socioambiental, ela se torna um ambiente seguro e digno para as pessoas trabalharem e também uma unidade de preservação ambiental, sem deixar de ser rentável”, afirma o diretor.

O protocolo citado por ele é o programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), instituído em 2012 e que, hoje, abrange 82% de toda a produção nacional de algodão. A Scheffer, empresa agropecuária de Mato Grosso, possui fazendas certificadas pelo protocolo ABR. O sucesso de suas práticas regenerativas, totalmente rastreáveis, também será apresentado no painel da Abrapa pela diretora Comercial, Financeira e de Sustentabilidade da Scheffer, Fabiana Furlan.

“Toda nossa produção é monitorada da lavoura até o embarque, e os fardos que são exportados são rastreáveis por radiofrequência. Essa transparência é fundamental para que o mercado saiba que, no Brasil, o algodão é responsável e tem qualidade”, antecipa a executiva.

Dados do United States Departament of Agriculture (USDA) posicionam o Brasil como terceiro maior produtor e segundo maior exportador de pluma no mundo. Estimativas da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) indicam que, entre julho de 2023 e junho de 2024, as exportações somarão 2,4 milhões de toneladas – 60% a mais que no ciclo anterior.

A presença da Abrapa na COP28 atende a convite da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Ao lado da Anea, Abrapa e Apex-Brasil desenvolvem o Cotton Brazil – marca que representa a cadeia produtiva do algodão no mundo. Além da Abrapa, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) participa do painel com cases sobre a produção de carne brasileira.

ARTIGOS RELACIONADOS

Técnicas de MIP e MRI são divulgadas pela Biogene® em publicação especial

   Dentro de um programa de conscientização entre Ministério da Agricultura, associações de produtores e as indústrias provedoras de biotecnologia, a BioGene traz ao mercado...

Tratamento de sementes é ferramenta contra nematoides

Andressa Cristina Zamboni Machado Pesquisadora da área de Nematologia do Instituto Agronômico do Paraná, IAPAR andressa_machado@iapar.br   Nos últimos anos, os fitonematoides tornaram-se motivo de grande...

Alerta para a mancha-alvo do algodoeiro

Luiz Gonzaga Chitarra Nelson Dias Suassuna Fabiano Perina Pesquisadores da Embrapa Algodão Augusto Goulart Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste   Os sintomas iniciais da mancha-alvo (Corynesporacassiicola) no algodoeiro ocorrem principalmente...

Algodão + agrofloresta

O objetivo é estabelecer cadeias produtivas virtuosas e abastecer o mercado têxtil de ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!