28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiProdução de pimentão em estufas

Produção de pimentão em estufas

Lauro Luis Petrazzini

Doutor, professor da UNIC Primavera e sócio diretor da Fazenda Petrazzini

lauropetrazzini@hotmail.com

 

O pimentão é cultivado por todo o Brasil, sendo os principais Estados produtores Minas Gerais e São Paulo, com 40% de todo o volume nacional.

A principal limitação do cultivo de pimentão a céu aberto está relacionada a problemas climáticos, como granizo e aumento de temperatura no verão, que podem causar abortamento de flores e injúria às folhas.

Com o cultivo protegido o produtor tem maior segurança quanto ao granizo, e pode (dependendo do investimento) amenizar o efeito da temperatura, com o uso de exaustores, climatizadores e nebulizadores.

Claro que estes benefícios vão impactar em maiores custos de produção e investimentos a longo prazo para amortização da estrutura, o que será possível se o produtor tiver um contrato com a indústria ou grandes redes, reduzindo a oscilação de preço.

 

Vantagens das estufas para o pimentão

 

Maior sanidade, maior tempo de produção, maior produtividade e maior resistência a adversidades climáticas, como chuva forte e granizo, são algumas das vantagens trazidas pelo cultivo protegido.

 

Manejo, do plantio à colheita

 

Para um bom rendimento do pimentão, devemos trabalhar com 80-90% de capacidade de campo, com uso de irrigação por gotejamento, de preferência. Solos mal drenados devem ser evitados. A temperatura ideal para a cultura deve ser de 20º a 27ºC.

A propagação é realizada com o uso de híbridos de alto desempenho, sendo utilizadas bandejas de 128 células para formação de mudas, que irão para o campo com aproximadamente 40dias após o semeio, quando são transplantadas para o local definitivo.

O plantio do pimentão deverá ser realizado em canteiros com pelo menos 15 cm de altura, e se o produtor optar pelo solo sem os mesmos, deverá realizar um preparo de solo com uso de arados e enxadas rotativas, visando aumentar a macroporosidade, permitindo boa infiltração de água e aeração.

O espaçamento pode variar de um metro entrelinhas e 50 a 60 cm entre plantas.

Com o cultivo protegido o produtor tem maior segurança na produção - Crédito Shutterstock
Com o cultivo protegido o produtor tem maior segurança na produção – Crédito Shutterstock

Nutrição

 

A adubação deve ser feita de acordo com a análise de solo, usando formulados com NPK para o plantio e adubos à base de N e K para as futuras coberturas. Se o produtor optar por sistema de gotejo, este poderá realizar a fertirrigação, fornecendo elementos equilibrados todos os dias.

A cultura deve ficar livre de plantas invasoras por todo o ciclo e, principalmente, até os 60 DAT (dias após transplantio).Na casa de vegetação, utilize no máximo quatro hastes acima da primeira bifurcação e realize o tutoramento, procedimento que potencializa a produtividade.

 

Colheita

 

A colheita se inicia aproximadamente 60 dias após o transplantio, podendo se estender por até cinco meses, atingindo mais de 03 ton/ha. Em cultivos protegidos o tempo de colheita pode se estender até nove meses, com produtividade de 150 ton/ha.

 

Investimento envolvido

 

Os investimentos são elevados, sendo necessária a elaboração de um plano de negócios e um projeto, buscando as melhores tecnologias para a região, ou seja, se o cultivo for alocado na região sul, necessitamos de um plástico com baixa reflexividade, para aproveitar o máximo da radiação. Caso o cultivo seja feito no nordeste, o plástico deve apresentar elevada reflexividade, para amenizar a temperatura dentro da estufa, por se tratar de cultivo protegido.

O produtor pode contar com uso de madeira (não nativa) de sua propriedade ou vizinhas para baratear os custos de implantação. O mais importante desse investimento para o produtor é a garantia de venda, ou seja, contrato com indústrias ou grandes redes – assim a receita fica garantida, fugindo da oscilação de preço devido à super safra.

 

Retorno garantido

 

O retorno inicia 100 dias após o semeio, porém, dependendo do investimento do produtor, a amortização do capital pode superar períodos de 60 meses, sendo necessária a realização de um projeto bem estruturado e um plano de comercialização bem feito.

 

Viabilidade do cultivo protegido

 

O cultivo protegido está estabilizando a produção de alimentos em todo o País, (uva, morango, alface, tomate, etc. já apresentam grandes extensões, com alto rendimento).

Para o pimentão não seria diferente – além das vantagens acima citadas, o cultivo protegido pode reduzir a pressão de pragas e doenças, podendo, a médio prazo, reduzir o uso de produtos fitossanitários.

 

Essa matéria você encontra na edição de maio 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Lavoura de feijão aumenta em 12,8% sua produtividade com o uso de fertilizante biológico

A fazenda Santa Fé, em Acreúna (GO), investiu em uma nova tecnologia para aumentar a produtividade e a qualidade de suas safras de feijão...

Novos secadores chegam ao mercado

  Adilio Flauzino de Lacerda Filho Doutor em Energia na Agricultura, professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e consultor técnico alacerda@ufv.br A secagem é o método universal,...

Bejo a Campo – genética em folhosas hidropônicas

https://youtu.be/rgt6mW00ttA

Spraytec – Eficiência + Sanidade = Maior lucratividade

Com sua matriz na cidade de Maringá (PR), a Spraytec se destaca pela inovação tecnológica, qualidade de seus produtos e estrutura de produção. Geramos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!