20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesProdutores esperam regulamentação do mercado de carbono

Produtores esperam regulamentação do mercado de carbono

Especialista da SIA reforça que produtor deve estar preparado mesmo que as propriedades rurais ainda não tenham sido contempladas em Projeto de Lei

O mercado de carbono no Brasil entrou no ano de 2024 com expectativas para o setor agropecuário. Aprovado no final do ano passado, o Projeto de Lei que visa regulamentar o mercado de carbono no país estabeleceu um sistema nacional de comércio de emissões. Com essa regulamentação, a expectativa é trazer segurança jurídica ao mercado, garantindo a autenticidade dos créditos de carbono, os quais evidenciam a redução de uma tonelada de CO2 equivalente na atmosfera.

Lavoura Pecuária
Crédito: Armindo Barth Neto

Segundo Helen Estima, gerente de projetos e sustentabilidade da SIA, Serviço de Inteligência em Agronegócios, este marco representa um passo significativo para a transição do país do mercado voluntário para o regulado. “O mercado voluntário, embora careça de diretrizes jurídicas claras, continua operando. Muitos países atuam em ambos os mercados, e a regulamentação busca estabelecer diretrizes e normas para as empresas, corporações e produtores rurais que desejam participar desse cenário”, destaca.

Helen afirma que a aprovação do projeto na Câmara dos Deputados representa um avanço, mas agora aguarda análise no Senado. Análises indicam otimismo no progresso dessa regulamentação, que impactará setores diversos. No entanto, conforme a especialista, vale ressaltar que os produtores rurais ainda não estão totalmente inseridos nesse processo devido às dificuldades em quantificar as emissões de cada propriedade.

A gerente da SIA observa que a sustentabilidade se destaca como um tema central nesse contexto. “A busca pela monetização da sustentabilidade, seja por meio de créditos de carbono ou certificações, não deve ser o objetivo primário. A sustentabilidade deve ser uma consequência natural da produção, resultando em práticas mais eficientes e produtivas”, salienta.

Helen alerta que o produtor deve focar na produção sustentável para aumentar a eficiência, otimizar recursos naturais e melhorar a produtividade. Destacam-se práticas como integração lavoura-pecuária, manejo adequado de pastagens, plantio direto e eficiência econômica. “A mensagem aos produtores inclui a importância de estar preparado para o mercado regulamentado, garantindo o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e a posse legal das terras. Além disso, encorajam o entendimento sobre inventário de emissões e pegada de carbono, utilizando ferramentas disponíveis para monitorar e melhorar o balanço de carbono nas propriedades”, finaliza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Sucessão familiar: Empresas agro e produtores rurais

Holding empresarial é um tipo de organização que possibilita a uma empresa controlar e influenciar outras empresas, que são suas subsidiárias.

Como facilitar o acesso do produtor às novas tecnologias agropecuárias?

A tecnologia aplicada é realidade no setor agropecuário brasileiro, que vem batendo recordes em produtividade.

Produtor rural deve ter atenção

As lavouras de verão, em sua maioria, estão prestes a serem colhidas.

Caqui: Entre os maiores produtores mundiais da fruta

Os maiores produtores mundiais de caqui são China, Coréia, Espanha, Japão e Brasil. Considerando o período de 1961 a 2013, houve um crescimento na área cultivada e na produção mundial de caqui de, respectivamente, 755 e 424%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!