19.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioTecnologiaResistência a biotecnologias exige monitoramento rigoroso

Resistência a biotecnologias exige monitoramento rigoroso

Mapitoba deve enfrentar pressões de Spodoptera frugiperda na safrinha, ante alto número de mariposas capturadas e à alta infestação da primeira safra.

Luis Kasuya
Créditos: Divulgação

Enquanto o emprego de biotecnologias de última geração de milho cresce, aumentam também casos de resistência de lagartas a essas sementes. Estudo da Kynetec Brasil, principal consultoria de informações dos mercados de agroquímicos e sementes, mostra que entre os ciclos 2019-20 e 2022-23, a adoção de uma das principais biotecnologias do cereal subiu de 53% para 76% no plantio segunda safra. O avanço vem seguido, porém, de aumento expressivo nas aplicações de inseticidas, visando a conter pragas que ‘escapam’ às proteínas.

Segundo a Kynetec, na região do Mapitopa, por exemplo, observou-se, nos últimos dois anos, elevação de 36% na utilização de inseticidas, em áreas ocupadas pelas mais modernas biotecnologias de milho, além de uma alta, no mesmo período, de 63% no número médio de tratamentos do produtor.

De acordo com especialistas, certas áreas de milho verão que foram semeadas por essas biotecnologias receberam, na safra 2023-24, de nove a 12 aplicações de inseticidas. Já em milho convencional, nas mesmas regiões, as pulverizações oscilaram de 13 a 14. Este ano, portanto, concluíram eles, a entrada de lagartas aconteceu muito cedo e as biotecnologias presentes no milho não tiveram o controle que deveriam expressar.

Preocupação com a Spodoptera frugiperda

Sócio da Kasuya Inteligência Agronômica, responsável por mais de 500 mil hectares de cultivos nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o pesquisador Luis Kasuya revela ter disparado alertas fitossanitários recentes, a produtores de milho, sobre a tendência de ocorrer forte pressão de lagartas, sobretudo da Spodoptera frugiperda (lagarta-do-cartucho), na safrinha em andamento.

“A recomendação central é para o produtor de milho começar a monitorar bem cedo sua lavoura, nos primeiros dias. Importante ainda ele saber a quantidade de mariposas, controlar à mariposa, de maneira a evitar a postura de grande número de ovos da praga, que pode chegar a mais de 800 por fêmea”

Estratégia com químicos e baculovírus e risco ao algodão

Conforme Kasuya, o possível quadro de alta pressão de Spodoptera frugiperda na safrinhafoi antecipado pelas redes de monitoramento de mariposas mantidas pela consultoria, em todo o Mapitoba, e tende a se repetir em locais como o Mato Grosso.

Ante a presença da Spodoptera frugiperda na lavoura, Kasuya recomenda “implementar um manejo fitossanitário inteligente”, segundo ele ancorado na rotação de ativos químicos, biológicos e semioquímicos. “Dos biológicos, os baculovírus são hoje a principal ferramenta de suporte ao milho, na associação a inseticidas químicos, diante dessa lagarta”, afirma.

ARTIGOS RELACIONADOS

Agricultor deve monitorar mais sua lavoura

O aumento da pressão de percevejos e lagartas tem sido notado principalmente no Cerrado, onde as temperaturas estão elevadas e chuvas abaixo da média.

Como pequenos produtores podem monitorar a produção pelo celular?

Acessível a pequenos produtores, solução garante aumento da eficiência das operações, mais economia, segurança e produtividade

Seis razões para rastrear e monitorar suas máquinas agrícolas

Os sistemas que permitem rastrear e monitorar máquinas agrícolas foram criados para atender algumas das principais demandas do agronegócio.

Manejo de lagartas e ‘quebra da resistência’ de biotecnologias de última geração

Líder do mercado de bioinseticidas para controle de lagartas de alta complexidade do algodoeiro, AgBiTech mostra soluções de ponta ao produtor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!