23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasSafra catarinense muda cenário de importação da maçã

Safra catarinense muda cenário de importação da maçã

Com o início da safra nacional, a maçã importada perde competitividade no mercado brasileiro.

Créditos: Pixabay

Os consumidores devem ter notado que, nos últimos meses, a presença de maçã europeia nas gôndolas dos supermercados tem sido significativa. De fato, as importações da fruta cresceram no segundo semestre de 2022 e início de 2023. Além do Chile e da Argentina, tradicionais fornecedores da fruta para o Brasil, nos últimos meses as importações da Itália e de Portugal têm se destacado. Contudo, a expectativa é que com o início da colheita da maçã nacional as importações diminuam, principalmente porque o câmbio faz com que a maçã europeia perca competitividade no mercado brasileiro.

Conforme dados disponíveis no site do Observatório Agro Catarinense, em janeiro de 2022 entraram em Santa Catarina 775 toneladas de maçã, vindas majoritariamente da Argentina. Já em janeiro do ano em curso, a quantidade importada foi de 2,5 mil toneladas e o principal país de origem da fruta foi a Itália. Conforme o analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural da Epagri/Cepa, Rogério Goulart Jr., dois fatores influenciaram o crescimento das importações: os baixos estoques de maçã nacional e a superprodução registrada em alguns países da Europa. 

Safra catarinense

Goulart explica que, na safra 2021/22, o volume de maçã produzido em Santa Catarina ficou abaixo do esperado, por motivos climáticos. A safra sofreu com a estiagem e com o excesso de frio durante o período da florada das macieiras. Isso também afetou a qualidade da fruta para armazenagem, o que levou as classificadoras a escoar o restante da safra no final de 2022. Outro fator que influenciou a oferta de maçã no mercado brasileiro é que houve atraso na colheita da safra corrente (2022/23). Com isso, o preço da maçã no mercado interno subiu e tornou a importação da Europa competitiva. 

No levantamento apresentado no último Boletim Agropecuário, há o indicativo de que os maiores volumes da fruta, em Santa Catarina, devem ter sido colhidos durante o mês de março, por isso a expectativa é que, com a maior oferta interna, as importações diminuam. “A tendência é que as frutas importadas sejam comercializadas na entressafra brasileira com preços mais elevados que os da fruta nacional”, explica Goulart. O volume estimado para a safra 2022/2023 de maçã catarinense é de 208,2 mil toneladas de maçã Fuji, 280,8 mil toneladas para a maçã Gala e 10,3 mil toneladas de maçãs precoces. Santa Catarina é o maior produtor brasileiro de maçãs com 54,1% da produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Polinização: qual a importância para a macieira?

A polinização é essencial para a produção de maçãs saborosas e saudáveis nas macieiras

Indução da cor vermelha nos frutos de maçã

Descubra como a indução da cor vermelha pode aumentar o valor da sua produção de maçãs.

Tendências para o agronegócio em 2024

Biond Agro analisa futuro do agronegócio para o próximo ano e prevê safra de R$156,7 milhões de toneladas de soja.

30% mais produtividade nas lavouras de maçã

Utilização da tecnologia Viviful SC, desenvolvida pela IHARA, permite o aumento de áreas de cultivo da fruta, além de evitar perdas no pós-colheita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!