Tecnologia e manejo de pragas no pimentão

0
240
Ácaro predador da Promip aplicado no pimentão do Grupo MNS

Nenhum cultivo agrícola brasileiro estampou mais manchetes negativas nos últimos anos do que o pimentão. Invariavelmente associado ao excesso de resíduos de agroquímicos nas análises toxicológicas, esse fruto de sabor gourmet, apreciado por cozinheiros e chefs, começa agora a virar o jogo. O responsável pela transformação é o grupo agrícola MNS, presente entre os maiores distribuidores de FLV – frutas, legumes e verduras – do País, que estudou e implementou novas práticas na produção do pimentão. 

Conforme o diretor de qualidade Thiago Moreira, para passar de ‘vilão dos agroquímicos’ a alimento seguro, o pimentão passou a ser produzido nas lavouras do grupo com base na iniciativa chamada Programa de Colheita Segura ou PCS. “Trata-se de uma metodologia interna atrelada ao uso consciente de defensivos agrícolas, através de ações educativas, além de prover acompanhamento e transferência de tecnologia a produtores parceiros.”

“O produtor que usa defensivo agrícola indiscriminadamente faz uma conta simples. Ele não contabiliza excesso de gastos e danos ambientais. A conta, principalmente a ambiental, vai chegar”, explica Moreira. “Nossa produção está hoje 60% ancorada no manejo integrado de pragas ou MIP. Entregamos produtos com mais de 95% de conformidade. Isso prova que o conhecimento e a tecnologia disponíveis permitem produzir alimentos seguros no Brasil.”

De acordo com Moreira, fazem parte das práticas de MIP adotadas pelo MNS os chamados defensivos agrícolas microbiológicos (vírus, bactérias e fungos) e macrobiológicos (ácaros, insetos e nematoides), entre estes o agente Stratiomip®, um ácaro predador desenvolvido pela brasileira Promip que permanece no solo, para evitar a proliferação de fungos e pragas.

Também fornecedora de outros produtos de matriz biológica ao grupo MNS, a companhia Promip possui uma das mais modernas biofábricas do Brasil, com quase 60 mil², na cidade de Engenheiro Coelho (SP), onde produz uma ampla linha de defensivos agrícolas 100% biológicos.

Fundado em 1994, com a união das famílias Morioka, Shimizu e Horigome, o grupo MNS iniciou atividades na produção e distribuição de cenoura, cebola, beterraba e batata. Hoje, apresenta mais de 120 itens em seu portfólio e é reconhecido entre os melhores fornecedores de FLV do Brasil. “São mais de dois mil produtores fornecedores cadastrados. Eles recebem assessoria técnica, insumos e monitoramento permanente da produção, para promover as melhores práticas agrícolas e com isso obter produtividade, rentabilidade e entregar sustentabilidade”, adianta Thiago Moreira. 

Conforme Moreira, o grupo MNS conta ainda com certificações de qualidade reconhecidas nos mercados nacional e internacional, incluindo o Global G.A.P. “A empresa assegura aos clientes rastreabilidade em todo o processo produtivo, da semente ao consumo”, finaliza ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!