15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosTratamento das mudas com fitorreguladores de enraizamento

Tratamento das mudas com fitorreguladores de enraizamento

 

Vandimilli Araujo Lima

Graduanda em Agronomia pela Universidade federal de Lavras e coordenadora de Agronomia na Terra Jr Projetos e Consultoria

Daniela Andrade

Engenheira agrônoma e mestre em Fitotecnia/Produção Vegetal

danielaandrade@necafufla.com.br

 

Tratamento das mudas com fitorreguladores de enraizamento - Crédito Bruna Souto
Tratamento das mudas com fitorreguladores de enraizamento – Crédito Bruna Souto

Uma lavoura bem enraizada refletirá na resistência a diversos fatores, tais como seca, pestes e doenças. Por isso, é uma etapa crucial a obtenção de uma lavoura com alto desempenho produtivo.

Nas culturas perenes, como as espécies florestais, deve-se ter uma atenção especial etapa para garantir a longevidade da lavoura. O desenvolvimento do sistema radicular é regulado por hormônios produzidos pela própria planta que podem ser influenciados por fatores internos e/ou externos.

Os fitorreguladores, também chamados de hormônios vegetais sintéticos, são substâncias sintetizadas artificialmente e destinadas a exercer as funções similares aos hormônios naturais.

Geralmente, os fitorreguladores possuem componentes hormonais sintéticos como: etileno, giberelinas, ácido abscísico, auxinas e citocianinaou associações destes. A utilização dos fitorreguladores provoca um balanço hormonal na planta e, consequentemente, acarreta equilíbrio vegetativo e reprodutivo.

Dependendo do objetivo da sua utilização, pode melhorar o enraizamento de estacas, regular floradas, auxiliar na germinação das sementes, dentre outros. Vários estudos concluíram que as auxinas (AIA), quando aplicadas sobre as mudas florestais, podem aumentar a velocidade, a qualidade e uniformidade de enraizamento.

Há, claro, variações sobre os resultados alcançados, dependendo da espécie, do clone utilizado, da idade da planta e da forma de aplicação.

Utilização

A aplicabilidade desta técnica dependerá do objetivo final do produtor. Assim, verifica-se qual é o modo de ação do regulador em questão e onde exercerá sua função sobre a planta.

A aplicação é indicada apenas se esta for estritamente necessária, pois há riscos tanto à saúde humana quanto ao meio ambiente. O cuidado deve ser redobrado devido à rápida ação destes compostos no corpo humano e ao longo período residual do produto no ambiente e nos cursos d’água.

Os hormônios sintéticos possuem a escala de toxicidade semelhante aos agroquímicos.

Quando aplicar

A aplicação deverá ser realizada durante a fase de viveiro para estacas, na sala de crescimento para a germinação, ou até em campo. Quando utilizada em mudas, o importante é que a aplicação seja feita em viveiros ou em ambientes com condições controladas para que haja aclimatação antes de transferir as mudas para o campo, aumentando, desta forma, as chances de sucesso da lavoura.

Lembrando que é preciso verificar a concentração do fitorregulador mais apropriada para a espécie em questão. Altas concentrações podem causar desidratação e morte das mudas. Por outro lado, concentrações baixas não alcançarão os resultados almejados. As concentrações variam entre 50mg/l e 250mg/l para giberelina (GA), por exemplo.

Há diversas opções de aplicação. Quando o interesse é em fazer a aplicação para potencializar a germinação da semente, estas são depositadas sobre papel próprio para germinação de sementes embebido em uma solução de água e fitorreguladores.

O caso dos clones

A produção florestal brasileira usa clones para garantir a uniformidade da lavoura e sua propagação é realizada por estaquia. O uso de fitorreguladores torna-se um importante aliado no enraizamento de estacas e pode ser realizado de diversas formas.

Em campo, pode ser utilizado para estimular o crescimento das plantas ou até mesmo desestimular o crescimento, exemplificado pelo uso na cultura do algodão. Nestas lavouras, pode ser aplicado via pulverização, irrigação, imersão, ou mesmo na forma sólida.

Opções

Dentre os fitorreguladores mais utilizados, destaca-se o ácido indolbutírico (AIB), variando em suas formas de aplicação, podendo ser talco, líquido ou gel. A emissão de raízes adventícias é influenciada pelas concentrações dos fitorreguladores dentro da planta.

O AIB também apresenta alta estabilidade à fotodegradação, o que facilita seu uso no campo. Esse hormônio é especialmente indicado para espécies que apresentam dificuldades em formar raízes. O tempo de imersão da estaca varia de acordo com a solução utilizada para concentrações de 2.000 a 3.000mg L-1, sendo que comumente se faz a imersão da base da estaca por cinco segundos na solução. O tempo aumenta, caso a solução seja menos concentrada.

Os melhores resultados são obtidos em concentrações entre 200 e 300mg L-1.Nestecaso, o tempo de imersão ideal varia entre 12-24 horas. É importante, para o sucesso do enraizamento da estaca após a imersão em solução com os fitorreguladores, que a estaca seja plantada em uma ambiente com umidade, sombra e claridade disponível.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro/março da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira a sua para leitura integral!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Praga invasora resiste a inseticidas

  Estudo desenvolvido no PPG Entomologia da Esalq alerta para a resistência da praga invasora a inseticidas no Brasil Originária do Velho Mundo, Helicoverpa armigera é uma...

Herbicidas já não controlam daninhas com eficiência

Arthur Henrique Cruvinel Carneiro Técnico em Agricultura e Zootecnia " IFMG - campus Bambuí, graduando em Agronomia na UFLA, membro do grupo PET Agronomia, coordenador...

Aminoácidos – Mitos e fatos em cereais

  Infelizmente (ou felizmente, para os mais desafiadores), ainda existe no mercado brasileiro uma série de dúvidas relativas aos benefícios da utilização de fertilizantes foliares...

Algas marinhas: Proteção contra doenças?

AutoresTais Santo Dadazio Engenheira agrônoma, mestra, doutora em Proteção de plantas e professora de Fitopatologia - FIB e Unisalesiano tais.dadazio@hotmail.com Roque de Carvalho Dias...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!