26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosTratamento de sementes - Um estímulo às raízes

Tratamento de sementes – Um estímulo às raízes

Matheus Giugni

Graduando em Agronomia – Faculdades Integradas de Ourinhos

matheusgiugni@outlook.com

 

Crédito Marcelo Madalosso

Novas tecnologias, aliadas ao uso de sementes melhoradas e ao manejo adequado são utilizadas para aumentar a produtividade das culturas. O uso de defensivos agrícolas no tratamento de sementes visa proteger contra a ação de pragas e patógenos do solo, um método que vem sendo cada vez mais utilizado em detrimento dos efeitos positivos trazidos à semente e à plântula. Outro aspecto para a utilização do tratamento de sementes é a garantia de maior potencial de desenvolvimento inicial da cultura e estabelecimento do estande inicial.

Além de fungicidas, inseticidas e nematicidas, produtos que alteram o crescimento e o desenvolvimento vegetal, como reguladores de crescimento e micronutrientes, podem ser utilizados no tratamento de sementes.

Dentre eles podemos citar os bioestimulantes com a mistura de reguladores de crescimento vegetal, ou de um ou mais reguladores vegetais com outros compostos de natureza bioquímica diferente (aminoácidos, nutrientes, vitaminas, etc.). Esses produtos favorecem a expressão do potencial genético das plantas mediante alterações dos processos vitais e estruturais, promovendo um equilíbrio hormonal e estimulando o desenvolvimento do sistema radicular.

 

Benefícios

O tratamento de sementes protege a soja contra a ação de pragas e patógenos do solo – Crédito Saulo Fantini

O uso de bioestimulantes destaca-se por ser composto de substâncias naturais ou sintéticas que podem ser aplicadas em sementes, plantas e solo, provocando alterações dos processos vitais e estruturais, a fim de aumentar a produtividade e qualidade de sementes (Ávila et al., 2008) e/ou grãos.

O emprego de bioestimulante como técnica agronômica para otimizar as produções em diversas culturas é cada vez mais comum. Segundo Castro e Vieira (2001), os bioestimulantes, quando aplicados exogenamente, possuem ações similares aos grupos de hormônios vegetais (auxinas, giberelinas e citocininas) e podem contribuir para incremento da produtividade.

Os bioestimulantes promovem o equilíbrio hormonal das plantas, favorecem a expressão do seu potencial genético e, quando aplicados em sementes ou no início do desenvolvimento da planta, promovem maior desenvolvimento do sistema radicular, o que possibilita maior resistência a estresses bióticos, biológicos e nutricionais e, consequentemente, aumento na produção de grãos.

Agem, ainda, na degradação de substâncias de reserva das sementes, na diferenciação, divisão e alongamento celulares.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nematicida eleva número de perfilhos e aumenta produção da cana-de-açúcar

Pontiac 350 SC, da Rotam do Brasil, ajuda no combate aos nematoides e eleva produção na cultura Para tentar evitar dor de cabeça com os...

Atlântica do Brasil lança linha de bioestimulantes BiocatG

A Atlântica do Brasil participa da Hortitec com estande próprio há dois anos, e neste ano lançou a linha de bioestimulantes com o advento...

UPL destaca conceito OpenAg, rede aberta de inovação

A UPL, uma das cinco maiores empresas fornecedoras de soluções agrícolas do mundo, destacará a importância do conceito OpenAg para criar uma rede aberta de inovação...

Controle biológico de nematoides beneficia hortaliças

  Rodrigo Vieira da Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia e professor do IF Goiano " Câmpus Morrinhos rodrigo.silva@ifgoiano.edu.br Bruno Eduardo Cardozo de Miranda Engenheiro agrônomo, MSc. e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!