21.2 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosA importância do fósforo no processo da cafeicultura

A importância do fósforo no processo da cafeicultura

 

Cássio Pereira Honda Filho

Engenheiro agrônomo, mestrando em Fisiologia Vegetal ” Universidade Federal de Lavras e membro do Núcleo de Estudos em Melhoramento e Clonagem da UFLA(NEMEC)

cassiop.hondafv@gmail.com

CyntiaStephânia dos Santos

Tecnóloga em Cafeicultura, engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Agronomia/Fitotecnia ” UFLA e membro do NEMEC

cyntia.s.santos@hotmail.com

Fernanda Aparecida Castro Pereira

Engenheira agrônoma, doutora em Genética e Melhoramento de Plantas, Bolsista do Consórcio Pesquisa Café ” UFLA e membro do NEMEC

fernandacpereira01@gmail.com

Mariana Thereza Rodrigues Viana

Engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Agronomia/Fitotecnia ” UFLA e membro do NEMEC

marianatrv@gmail.com

Crédito Daniel Vieira
Crédito Daniel Vieira

“O crescimento e a produção das lavouras são limitados pelo nutriente que se encontra em menor quantidade no solo“. Essa lei, proposta por Liebig em 1843, também conhecida por Lei do Mínimo, é um princípio utilizado bastante na área de agrárias.

Segundo essa lei, a falta de um elemento (nutriente) essencial para o desenvolvimento da planta, seja ele macro (N, P, K, Mg, Ca, S) ou micronutriente (Mn, Zn, Fe, Cu, B, Mo, Cl) é capaz de limitar o desenvolvimento e/ou produção da planta. Resumindo, os nutrientes devem estar disponíveis em quantidades adequadas e no momento certo no solo.

Essencialidade

O fósforo (P) é o terceiro nutriente mais exigido pelo cafeeiro. É um componente de nucleotídeos fundamentais para a planta armazenar e transferir energia em seus processos metabólicos e compõe os chamados elementos ricos em energia, sendo o exemplo mais comum a adenosina trifosfato (ATP), que é utilizada em todas as reações do metabolismo que exijam energia.

Neste sentido, o P influencia o teor de açúcar, gordura e proteína, cuja biossíntese necessita de energia do ATP, promovendo assim a rápida formação e crescimento das raízes, a melhora na qualidade dos frutos, o pegamento da florada, a regulação da maturação e a formação da semente. Além do que foi citado, o fósforo também cumpre um papel fundamental na estrutura de ácidos nucleicos – o DNA e o RNA.

A adubação fosfatada melhora qualidade dos frutos - Crédito Shutterstock
A adubação fosfatada melhora qualidade dos frutos – Crédito Shutterstock

Acúmulo

As plantas acumulam P principalmente de duas formas – uma inativa ou P inorgânico (Pi), denominada de fração não-metabólica, quando ocorre armazenamento do nutriente no vacúolo das células e como P orgânico (Po), fração metabólica localizada no citoplasma de suas células.

A alta eficiência de uso do nutriente é atribuída à capacidade da planta na reciclagem do Pi atendendo às demandas do compartimento metabolizável em momentos de estresse ou quando há maior demanda por P. A compreensão da dinâmica dessas frações fosfatadas na planta auxiliam no entendimento do comportamento da planta em função das adversidades presentes no meio de cultivo.

Disponibilidade de P

De maneira geral, são encontrados baixos teores de P nos solos brasileiros, valores abaixo de 10 mg dm-3, o que implica na limitação da produção.Além disso, este elemento tem adsorção com compostos de Fe, Al e Ca, que são compostos de pouca solubilidade, tornando-se indisponível para as plantas, chamado fósforo não-lábil.

A textura do solo também influencia a fixação do P em solos de textura argilosa, que geralmente têm presença de óxidos de Fe e Al.As plantas absorvem o fósforo presente na solução do solo, chamado fósforo lábil. Este elemento é pouco móvel no solo e absorvido por difusão, processo lento que ocorre próximo à superfície radicular (0 – 10 mm).O elemento passa do meio mais concentrado para o menos concentrado.

O fósforo contribui para maior pegamento da florada - Crédito Shutterstock
O fósforo contribui para maior pegamento da florada – Crédito Shutterstock

Critérios

Para o manejo da adubação fosfatada é necessário ter alguns critérios, dentre eles realizaranualmente a análise do solo, e quando necessário a correção do pH, por meio de calagem.

O pH ideal para a disponibilidade de fósforo às plantas está entre 6,0 e 6,5. A correção prévia dos solos ácidos é de suma importância para o maior aproveitamento do P aplicado às plantas, pois promove a neutralização do Al e de grande parte do Fe, reduzindo sua precipitação.

A recomendação de P pode variar em função da região de cultivo, observando características como tipo do solo, textura, teor do nutriente, carga pendente e idade da planta.

Além disso, cada Estado segue uma recomendação, como por exemplo, Minas Gerais segue as recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais – 5ª Aproximação.Já São Paulo segue as recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo (Boletim 100). Dessa forma, é necessário a consulta ao profissional da área para uma correta interpretação da análise de solo e posterior recomendação de adubação.

Adubação fosfatada aumenta produtividade - Crédito Shutterstock
Adubação fosfatada aumenta produtividade – Crédito Shutterstock

Fornecimento

Conforme descrito anteriormente, o P é pouco móvel no solo, além de ser absorvido por difusão. Por este motivo, é importante o fornecimento próximo à raiz, sob a “saia do cafeeiro“, onde há maior atividade radicular, favorecendo uma maior disponibilidade desse elemento à planta.

A aplicação no cultivo de café em sequeiro ocorre com o início do período chuvoso, para que haja maior solubilidade do nutriente, já que a água é o veículo de transporte desse elemento.

Benefícios para o cafeeiro

O cafeeiro vem se mostrando responsivo à adubação fosfatada, aliado à irrigação. Nas condições de Cerrado do Planalto Central do Brasil, foi observado maior pegamento na florada, taxa de crescimento e vigor de plantas em cafeeiros que receberam doses elevadas de P2O5.

Essa matéria completa você encontra na edição de agosto de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo de produção de inhame

A produção agropecuária brasileira é de vasta riqueza e entre as muitas plantas hortícolas cultivadas, encontram-se as do gênero Dioscorea, conhecidas como yam, ñame e inhame. São plantas perenes ou anuais, com tubérculos aéreos ou subterrâneos, de tamanho, forma e coloração variáveis.

Plantar São João – Especialista em sacos para mudas

Apesar de seu nome levar o verbo plantar, a empresa Plantar São João é uma especialista em saquinhos para mudas de viveiros, e vem...

É tempo de irrigar com consciência

Fenicafé 2018 chama a atenção para o uso consciente da água A Fenicafé " Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura, tradicional evento da cafeicultura e...

Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras reúne especialistas do setor

Há 41 anos o Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras é sucesso. Neste ano realizado de 27 a 30 de outubro na cidade mineira de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!