A importância do planejamento de plantio para os agricultores

Gabriela Miranda, agrônoma da foodtech Diferente, explica como um planejamento bem estruturado é fundamental para auxiliar o produtor a evitar perdas bem como se profissionalizar para alcançar maior lucratividade no negócio.

0
190

Gabriela Miranda
Agrônoma e responsável pelas compras da Diferente. Formada pela UNESP – Botucatu, possui vivência em diversos setores da agronomia como horticultura, produção de grandes culturas (milho e soja), manejo integrado de pragas e P&D.

O ato de planejar uma atividade é um movimento sensato para praticamente qualquer tarefa humana. Somente a partir desse pensamento estratégico antecipado que é possível garantir as melhores condições de uma ação tendo em vista o menor custo de tempo e monetário possíveis, além de evitar riscos desnecessários. No caso do plantio na agricultura, o trabalho conta com tantas variáveis que é possível dizer que é praticamente impossível conseguir atuar de uma maneira eficaz sem um ótimo planejamento por trás. 

Digo isso porque o mercado de verduras, legumes e frutas no Brasil está cada vez mais competitivo e exigente para os agricultores, principalmente para aqueles de pequeno porte, que são responsáveis por 70% da produção nacional. Dessa forma, é preciso que os produtores estejam atentos às circunstâncias que podem afetar a produtividade ou qualidade da lavoura.

Dentre os itens que necessitam figurar nesse planejamento estão: adubação, poda, controle de pragas e plantas daninhas, tudo isso vai impactar diretamente no custo e na rentabilidade da produção (compra de produtos, mão de obra, tempo desprendido). Além disso, devemos considerar as condições climáticas – condicionado principalmente pela estação do ano -, a alimentação da população, a qualidade do solo e sementes, o tempo necessário para a colheita, a mão-de-obra necessária e a logística de trabalho.

Um exemplo prático disso é como a variação da estação do ano impacta diretamente no plantio. No inverno, por exemplo, o consumo de verduras e legumes acaba diminuindo muito por conta da cultura alimentar brasileira no período. Se um agricultor não levar esse ponto em consideração no momento de estruturar a lavoura, acabará perdendo produtos, ocasionando prejuízos financeiros graves. Por outro lado, o verão apresenta outros tipos de desafios, como o clima instável e as suas típicas chuvas torrenciais. No caso da agricultura orgânica, é preciso ressaltar ainda o pouco investimento feito no maquinário, fator que resulta em mais complicações devido ao forte calor na época.

Soma-se a isso o fato dos agricultores também precisarem tomar conhecimento das condições climáticas no momento de escolher as opções de plantio em cada estação. Para isso, o aconselhável é, novamente, realizar um planejamento prévio, sendo ideal uma programação anual nos casos das frutas e semestral pensando nas verduras. Esse trabalho é fundamental, pois o setor varejista acaba se regulando por esse mesmo contexto para realizar o abastecimento dos itens.

Portanto, para evitar que a safra não seja totalmente comercializada, é importante que o produtor busque compradores com o mesmo zelo utilizado na hora de escolher os fornecedores mais capazes de atender às suas necessidades para o plantio. Sendo assim, encontrar parceiros de credibilidade que façam compras fixas e constantes dos alimentos é o ideal, uma vez que isso traz rentabilidade do negócio e uma estrutura financeira equilibrada para planejar a próxima lavoura.

Felizmente, uma grande notícia para o mercado é que hoje já há empresas que adquirem os alimentos considerados “fora do padrão comercial”, caso daquelas frutas com a casca um pouco danificada, mas que conseguem manter 100% dos nutrientes. Sem dúvida, esse tipo de modelo de negócio é um grande alento para pequenos e médios agricultores familiares – segmento que possui maior dificuldade de escoar toda a produção por conta das intempéries relacionadas ao clima e também de logística.

A verdade é que um planejamento bem estruturado é fundamental para auxiliar o produtor não só a evitar perdas, mas também a se profissionalizar e alcançar uma maior lucratividade em seu negócio. A otimização da agricultura não é um movimento que veio apenas favorecer o campo, mas também o segmento varejista e os consumidores em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!