12.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAcompanhamento da fenologia do cafeeiro

Acompanhamento da fenologia do cafeeiro

Crédito Shutterstock

José Braz Matiello
jb.matiello@gmail.com
Rodrigo N. Paiva
Lucas Bartelega
Engenheiros agrônomos – Fundação Procafé

O conhecimento de como está evoluindo o ciclo fenológico do cafeeiro é importante, pois a análise, em certos períodos, de como se encontram os processos de crescimento e de florescimento/frutificação, vai auxiliar na indicação de práticas no manejo das lavouras.
A fenologia do cafeeiro estuda os eventos periódicos do ciclo de vida das plantas, que acontecem correlacionados com as condições do ambiente. Esses eventos podem ser agrupados em dois tipos – vegetativos e produtivos.
A parte vegetativa consta do crescimento da ramagem e da folhagem, bem como a indução e desenvolvimento das gemas florais nos ramos. O maior crescimento vegetativo ocorre de setembro-outubro até janeiro-fevereiro, com dias longos e maiores temperaturas.
Já a partir de janeiro e, principalmente, após março-abril, até junho, com dias curtos, as gemas foliares existentes são induzidas para gemas florais. Elas amadurecem e entram em dormência.
A parte produtiva começa com o abotoamento, seguindo-se a floração e a frutificação. As gemas dormentes são estimuladas por um diferencial hídrico, que ocorre com a retomada das chuvas ou irrigações, a partir de setembro-outubro. Elas crescem rapidamente e ocorre a abertura dos botões e, então, a frutificação.

Sincronicidade

Os eventos vegetativos e produtivos ocorrem simultaneamente no cafeeiro e as fases fenológicas se completam em dois anos. Ao mesmo tempo em que está ocorrendo a frutificação, na parte mais velha do ramo, uma parte nova, desse mesmo ramo, vai crescendo para suportar a frutificação do ano seguinte.
Assim, acontece uma interação entre as fases, pois quanto maior for o crescimento dos ramos, maior será a produção no ano seguinte. Por outro lado, quanto maior a produção de frutos num ano, menor será o crescimento do ramo novo.

Fenometria

Uma forma simples de acompanhar o crescimento do cafeeiro (pela fenometria) é o de marcar alguns ramos, de algumas plantas, e contar, em certos meses, como vem vindo o desenvolvimento da ramagem, avaliando-se o número de nós, isso contando a partir da parte verde do ramo, ou seja, do crescimento inicial daquele ano agrícola.
Ao mesmo tempo, pode-se avaliar, nesses ramos, o enfolhamento presente. Na tabela 1 foram incluídos o número de nós por ramo e o enfolhamento, determinados, durante os meses, na média de 21 anos (1999-2020), na Fazenda Experimental de Varginha.
Nessa tabela foram incluídos os dados médios em lavouras de safra alta e baixa. Verifica-se que o crescimento dos ramos ocorre de setembro a abril/maio e a partir daí se estabiliza. O enfolhamento nos ramos novos se inicia em setembro e permanece alto até fevereiro, daí vai caindo e chega ao mínimo em agosto.
Na figura 2 foram colocados os dados, em cinco anos, do crescimento diferencial dos ramos, na comparação entre lavouras de safra baixa e alta. Pode-se verificar que as plantas sem carga apresentam, no final do ciclo, cerca de dois nós a mais do que os de safra alta.
Nesse trabalho, da Estação de Avisos da Fundação Procafé, avalia-se, também, o crescimento dos ramos em plantas esqueletadas e tem-se verificado que, nessas plantas, os ramos crescem mais, de forma semelhante àquelas de safra baixa.

Figura 1 – Evolução do número de nós em cafeeiros ao longo do ciclo agrícola, em lavouras com carga alta e baixa. Média de 5 anos. Varginha – MG, 2021.

Gemas florais

No aspecto de avaliação da diferenciação e desenvolvimento das gemas florais, a figura 2 mostra os diferentes estágios e auxilia nas observações, para diagnosticar o que vem acontecendo no campo.
Neste último ano agrícola, em outubro/novembro de 2021, verificou-se que muitas lavouras apresentavam bom desenvolvimento de ramos novos, porém, havia baixa ou nula floração/frutificação.
A causa provável disso foi a falta de água ocorrida na fase de diferenciação floral, lá atrás, de março a junho. Isso mostra a necessidade de avaliar e acompanhar, periodicamente, os aspectos ligados à fenologia do cafeeiro.
Verifica-se que, dentro do trabalho de assistência técnica ou de consultoria, prestado aos cafeicultores, a par das avaliações já usuais, relativamente às análises de solo e folhas, o técnico deve fazer o acompanhamento das fases vegetativas e produtivas dos cafeeiros, dando base para ajustes na indicação de práticas mais adequadas, compatíveis com o desenvolvimento das plantas e do seu potencial produtivo.

Figura 2 – Estágios de diferenciação e desenvolvimento de gemas florais, em nós e ramos de cafeeiro.

ARTIGOS RELACIONADOS

Novidades para preparo do solo

Diego Weslly Ferreira do Nascimento Santos Doutorando em Engenharia Agrícola/Universidade Federal de Viçosa Haroldo Carlos Fernandes Professor titular do Departamento de Engenharia Agrícola/Universidade Federal de Viçosa haroldo@ufv.br   A forma...

Nova cultivar de café muito produtiva

Uma nova cultivar de cafeeiro, do material genético de Catucaí, foi testada e aprovada para plantio ...

Vitasoil – A cafeicultura em pleno equilíbrio

  Vitasoil representa uma nova fase para a agricultura, em especial para a cafeicultura especializada. Em Patrocínio, em 13 área comerciais, foi obtidoum ganho médio...

Uso do mulching no plantio do cafeeiro

Impulsionado pela crescente falta d'água, dificuldades com mão de obra e a busca pelo aumento de produtividade e qualidade, o uso do mulching vem...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!