20.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosAdubos fosfatados e calcário: aplicação no sulco de plantio do cafeeiro

Adubos fosfatados e calcário: aplicação no sulco de plantio do cafeeiro

José Braz Matiello
Engenheiro agrônomo – Mapa/Procafé
jb.matiello@gmail.com

Foto: Luize Hess

O fósforo, oriundo da aplicação de adubos fosfatados, é um dos nutrientes mais importantes na formação das mudas, no plantio e formação do cafezal, quando afeta o desenvolvimento do sistema radicular e da parte aérea das plantas.

O nível foliar adequado situa-se entre 0,12 e 0,15% (5% do teor de N). O problema de falta de P em plantas novas de café tem origem em falhas na distribuição ou mistura irregular do adubo fosfatado, aplicado no sulco/cova de plantio.

Aquelas plantas que ficam sem adubo disponível, por essas falhas na adubação, apresentam os sintomas de fraqueza. Ao examinar o sistema radicular das plantas deficientes, verifica-se que ele se apresenta pouco desenvolvido, com as raízes primárias sem problemas, porém, com poucas raízes finas. Amostras de solo tomadas junto às plantas com problemas mostram teores de P muito baixos.

O calcário

A calagem, por meio da aplicação do calcário, favorece o desenvolvimento e a produção do cafeeiro, com os seguintes benefícios: a) promove a neutralização do alumínio trocável (tóxico) e insolubiliza o manganês; b) fornece cálcio e magnésio, exigidos pelo cafeeiro; c) melhora o aproveitamento das adubações químicas, pela elevação do pH; d) aumenta a atividade microbiana do solo, acelerando a decomposição da matéria orgânica, sendo liberados os nutrientes; e) aumenta as cargas dependentes do pH e, consequentemente, eleva a capacidade de troca de cátions (CTC).

Assim, vão ser corrigidos, pelo calcário, os problemas de acidez elevada, associada a altos teores de alumínio e/ou manganês, e aos baixos teores de cálcio e magnésio, presentes na maioria dos solos usados para a cafeicultura, o que torna a calagem/correção do solo uma prática imprescindível ao cultivo racional dos cafezais.

Principais desafios

Os desafios da aplicação do calcário e adubos fosfatados no sulco de plantio dizem respeito ao uso de uma quantidade adequada, normalmente sendo usados 400 g de calcário e igual dose de superfosfato, por metro de sulco. Outra coisa a cuidar é a boa distribuição, em profundidade, em mistura com a terra de enchimento do sulco.

Crédito: José Braz Matiello

A aplicação do calcário e dos adubos fosfatados no sulco ou covas de plantio do café vaia conforme a área seja ou não mecanizável. Nas áreas onde o trabalho é mecanizado, a distribuição desses insumos é feita com uma calcariadeira adaptada, para jogar o calcário e o adubo fosfatado de forma mais localizada, sobre a terra do sulco aberto.

Depois, passa-se um equipamento batedor de sulco ou um subsolador, com hastes juntas, para fazer a mistura com a terra e, ao mesmo tempo, cobrir o sulco. Nas áreas manuais, a distribuição dos insumos é feita pelos trabalhadores, jogando as doses junto à terra solta que fica fora da cova.

Após, mistura-se com enxada e logo se coloca essa mistura para dentro da cova.

Produtividade

A boa formação do sistema radicular, por efeito de uma adequada aplicação de calcário e adubo fosfatado, pode representar um acréscimo de cerca de 10% nas produções iniciais dos cafeeiros, quando comparado com um plantio sem esses insumos.

Pode-se observar o resultado da calagem em experimentos diversos realizados pela equipe do ex-IBC em variadas regiões, nas tabelas 1.e 2 em seguida. Verificam-se bons retornos produtivos com a calagem e o melhor modo de aplicação foi na aplicação em área total mais a aplicação nas covas/sulcos de plantio.

Tabela 1– Aumentos de produtividade obtidos com a prática de calagem em cafezais, em diferentes regiões cafeeiras. Resultados extraídos de parcelas experimentais (Pesquisa/IBC).

RegiõesCaracterísticas das lavourasTipos de soloProdução média ( sc/ha)Aumento em %
Sem calagemCom calagem (melhor dose)
Bandeirantes-MSCatuaí amareloLVA10,523,1+120
Patrocínio – MGCatuaí amareloLVE14,926,2+75
Capelinha-MGCatuaí amareloLVH11,018,0+63
V.Conquista-BACatuaí vermelhoLVA10,921,1+93
Varginha -MGCatuaí amareloLVA10,727,9+160
Realeza -MGMundo NovoLVH15,029,3+95
Média12,124,3+ 100

Tabela 2- Modo de aplicação de calcário na formação do cafeeiro em solo LE Cerrado – Patrocínio-MG – 1985 – Catuaí 4 x 2m.

Erros e acertos

Os erros mais frequentes observados na prática são o uso de doses baixas de adubos fosfatados ou calcário ou, no caso do calcário, em área já corrigidas, onde foram lavouras velhas, aplicar uma nova dose, alta, e isso vai provocar deficiência de micronutrientes.

Também tem havido erros quando se utiliza fontes de P pouco solúveis e em doses baixas. No caso do calcário, ocorre ainda erro ao usar o tipo de calcário calcítico com baixo ou nulo teor de magnésio.

Investimento x retorno

O custo da aplicação dos adubos fosfatados no sulco ou covas de plantio pode ser avaliado da seguinte forma. Cerca de 1.300 kg de superfosfato simples por hectare, ou o equivalente em outra fonte de fósforo solúvel, e igual dose de calcário.

O adubo fosfatado está por cerca de R$ 4.000,00 por tonelada e o calcário, posto na fazenda, por cerca de R$ 200,00 por tonelada, teríamos um custo total R$ 5.460,00. Tem-se mais o custo da aplicação, que pode ficar em mais 4,0 h de trator por hectare, correspondente a cerca de R$ 400,00/ha.

O benefício é muito grande, pois as plantas com sistema radicular pouco desenvolvido vão apresentar problemas de produtividade durante muitos anos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos aplicados em grandes culturas

  É importante estudar o efeito isolado de cada aminoácido para o melhor entendimento de seu efeito fisiológico associado a cada fase de crescimento e...

6ª edição do Concurso NossoCafé tem inscrições abertas

Os vencedores de cada categoria ganham uma viagem para participar do Specialty Coffee Expo 2023, nos EUA.

Gesso corrige o solo em profundidade

O gesso apresenta solubilidade em água 150 vezes maior que a do calcário. Devido a esse alto í­ndice, não é necessária a sua incorporação...

Exportações de café do Brasil recuam 24% ante abril de 2021; receita sobe 34%

Desempenho reflete entressafra, maior demanda da indústria local por conilon e continuidade dos gargalos logísticos; valor maior vem de cotações elevadas e dólar forte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!