17.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasAgricultura do Rio Grande do Sul já soma prejuízo acima de R$...

Agricultura do Rio Grande do Sul já soma prejuízo acima de R$ 423 milhões

Pecuária e indústria também registram números elevados

Ricardo Stuckert/PR

As recentes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul, principal polo agrícola do país, já deixaram um rastro de prejuízos estimado em R$ 423,8 milhões para a agricultura, revela levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). O setor agrícola é o mais impactado, conforme apontado pelo estudo, seguido pela pecuária, com perdas de R$ 83 milhões e pela indústria, registrando prejuízos na ordem de R$ 57,3 milhões. Esses números, no entanto, referem-se apenas a 25 municípios que conseguiram cadastrar informações no sistema do Ministério da Integração.

A CNM alerta que esses valores podem crescer exponencialmente à medida que as águas baixarem e os gestores locais conseguirem contabilizar os danos de forma mais precisa. Enquanto os esforços continuam voltados para preservar vidas e mitigar os impactos imediatos das enchentes, a expectativa é de que os prejuízos totais superem as atuais projeções.

Os números preocupam o produtor que terá que lidar com as repercussões do clima em suas plantações. Romário Alves, CEO e fundador da Sonhagro, empresa que se dedica a ajudar produtores a obter benefícios diante das perdas, destaca a importância de estar preparado para enfrentar tais desafios.

“Agricultura é uma atividade cheia de riscos e mesmo que se tome todos os cuidados necessários, as condições climáticas podem resultar em grandes prejuízos”, afirma Alves. Ele enfatiza, a vital importância de os produtores estarem conscientes de seus direitos e saberem como documentar os danos provocados por eventos climáticos extremos.

Segundo o especialista, para obter o benefício de frustração de safra relacionado ao crédito rural, o produtor precisa seguir uma série de procedimentos que comprovem tanto a causa quanto as perdas da colheita. Entre as medidas recomendadas estão a confirmação da razão da frustração da safra, que inclui a coleta de materiais publicados em notícias sobre problemas climáticos na região, além dos decretos de calamidade eventualmente emitidos pelo Poder Executivo Municipal.

Outro ponto relevante é a comprovação das perdas da safra. Alves propõe diversas ações, como capturar fotos e vídeos diários da propriedade rural e da plantação, requisitar imagens de satélite que evidenciem as áreas afetadas, elaborar laudos minuciosos sobre as perdas em conjunto com um responsável técnico, entre outras etapas.

“É importante que o produtor esteja bem documentado e acompanhe de perto todo o processo de comprovação das perdas”, destaca Romário. Ele ressalta a relevância de submeter as provas diretamente às instituições financeiras, acompanhadas de uma solicitação de prorrogação dos empréstimos rurais antes do vencimento, embasada em um plano de pagamento realista e na capacidade financeira do produtor.

“É impossível calcular a extensão dos danos aos agricultores do Sul. Agora, mais do que nunca, é crucial nos unirmos para auxiliar neste momento tão difícil para o Brasil”, finalizou Alves.

ARTIGOS RELACIONADOS

Inundações no Rio Grande do Sul trazem grandes incertezas para a soja brasileira

Além de todo o impacto humanitário, o evento climático trouxe grande volatilidade para os mercados de grãos, dado que o estado tem uma grande produção de soja e milho

Cooperativas agropecuárias gaúchas estão preocupadas com efeitos da estiagem

Segundo a RTC/CCGL em pesquisa junto às áreas técnicas de 21 cooperativas dia 21 de janeiro, os números são preocupantes e existe o temor de repetir a safra 2021/2022 caso não ocorram chuvas generalizadas no Rio Grande do Sul o quanto antes.

Aviões semeiam nuvens e fazem chover sobre os canaviais

Conheça a tecnologia de indução de chuvas localizadas desenvolvida pela ModClima, empresa paulista que utiliza aeronaves para “semear” nuvens e fazer cair água do céu. É a “dança da chuva” da atualidade, só que muito mais tecnológica.

Os impactos do calor e das chuvas no grão de soja

Com quase 70% da área de soja plantada, clima extremo tem prejudicado a semeadura da oleaginosa em algumas regiões do Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!