26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAlgas estimulam o crescimento do milho safrinha

Algas estimulam o crescimento do milho safrinha

Nilva Teresinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

Crédito Miriam Lins
Crédito Miriam Lins

Milho safrinha é aquele semeado de janeiro a abril, após a cultura de verão, normalmente a soja precoce na região Centro-Sul do Brasil. Essa época de plantio do milho surgiu no Paraná, e como não é a mais adequada para a cultura, alcançava-se baixas produtividades – daí o termo milho safrinha.

O milho safrinha foi, por muito tempo, considerado a segunda opção para o cultivo da espécie em questão. Entretanto, hoje se conseguem altas produtividades para esta nova safra de milho devido à tecnologia empregada.

Regiões de destaque

O cultivo de milho safrinha ocorre, principalmente, no Paraná e em São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e, mais recentemente, em Minas Gerais. Um fator que tem contribuído para o aumento da área de milho safrinha é a adoção do sistema de plantio direto na palhada da soja, que permite redução do tempo entre a colheita da lavoura de verão e a semeadura do milho safrinha.

Importância econômica

A importância da safrinha pode ser facilmente constatada pelos números: cerca de 70% da produção de grãos de milho no Brasil, segundo a CONAB, é safrinha.

Por ser plantado no final da época normal, o milho safrinha tem sua produtividade afetada pelas chuvas, pela radiação solar e temperatura no final do ciclo. Sabe-se que, ao atrasar a semeadura, se diminui o potencial produtivo e se assume maiores riscos de perdas na lavoura. Assim, o uso de ferramentas que permitam melhorar o enraizamento das plantas é interessante. Entre tais ferramentas tem-se as algas marinhas.

Os extratos de algas melhoram a absorção dos fertilizantese - Crédito Shutterstock
Os extratos de algas melhoram a absorção dos fertilizantese – Crédito Shutterstock

As algas

Algas marinhas são organismos vegetais, unicelulares ou pluricelulares, que fazem fotossíntese. Nutrem-se dos elementos ativos do mar e contêm altíssimos níveis de substâncias bioativas.

As algas são fontes de várias vitaminas e outras substâncias, como glicoproteínas, a exemplodo alginato e dos aminoácidos, que podem funcionar como bioestimulantes vegetais.

Ainda, as algas marinhas são ricas em estimulantes naturais como: auxinas (hormônio do crescimento que governa a divisão celular), giberelina (que induz a floração e o alongamento celular), citocininas (hormônio da juventude, retardamento da senescência).

São fontes de antioxidantes, substâncias produzidas a partir do metabolismo secundário das algas, que estimulam a proteção natural dos vegetais contra pragas e doenças. O emprego de formulados compostos de algas marinhas no sistema produtivo pode proporcionar a produção de fioalexinas (indutoras de resistência das plantas às doenças e pragas), fortalecendo os mecanismos de resistência vegetal e a vida microbiológica do solo. As algas tornam as plantas menos vulneráveis às variáveis abióticas, como temperatura, raios ultravioletas, salinidade, seca, etc.

Agregado de fertilidade

Os extratos de algas, se associados a adubos minerais, podem melhorar a absorção dos mesmos e seu aproveitamento dentro das plantas.Como as algas marinhas favorecem a divisão celular, por serem ricas em estimulantes naturais e nutrientes, o emprego melhora o enraizamento dos vegetais, o que possibilita o melhor uso do solo, de água e de nutrientes: assim o enraizamento será mais abundante e eficiente.

Entre as espécies de algas, a mais pesquisada é Ascophyllumnodosum, que se apresenta com excelente bioatividade.

A alta concentração de alginato, um polissacarídeo que compõe a estrutura da parede celular das algas e que faz com que elas armazenem água nas células e permaneçam hidratadas por todo o período que passam expostas ao sol, também é um aspecto interessante.

O alginato desempenha no solo o papel de reter água e agregar as partículas do perfil, proporcionando um ambiente ideal para o desenvolvimento das raízes e a absorção dos nutrientes.

Em resumo, pode-se considerar que as algas marinhas são portadoras de estimulantes e substâncias naturais indutoras de crescimento, complexo fornecedor de nutrientes e vitaminas que são cofatores de processos metabólicos vegetais.

As algas tornam as plantas menos vulneráveis às variáveis abióticas - Crédito Shutterstock
As algas tornam as plantas menos vulneráveis às variáveis abióticas – Crédito Shutterstock

Mais que benefícios

Assim, formulados contendo algas marinhas, quando incluídos no processo produtivo, contribuem para a maior resistência a condições adversas (frio, salinidade, estresse hídrico, pragas e doenças, etc.), devido ao efeito de sua presença na formação de fitoalexinas e no enraizamento.

Outro aspecto interessante é a influência das algas na atividade fotossintética vegetal: a sua aplicação, pela riqueza em estimulantes naturais, aumenta os teores de clorofila, pigmento responsável por tal processo. Lembre-se que as algas são ricas em estimulantes e hormônios naturais que promovem a divisão celular.

Ainda, as algas melhoram a agregação do solo, minimizando a erosão e otimizando a aeração, aumentando a capacidade de retenção e de movimentação da água, desenvolvimento de raízes, além de fertilizá-lo. O seu elevado teor de hidrocoloides também permite às algas condicionarem propriedades do solo que permitem a liberação lenta de minerais e moléculas ativas e manter a umidade do solo de acordo com a necessidade das plantas

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tecnologias no pós-colheita em café para todos: dia de campo Palinialves em Muzambinho-MG destacou Controlador Digital de Temperatura e Despolpador Ecozero

Cafeicultores se reuniram no último dia 18 de junho na Fazenda São Manuel, propriedade de Carlos Donizete Costa, em Muzambinho, no Sul de Minas Gerais, para conhecer...

Fertilizantes organominerais aumentam porosidade do solo

Fabiano Pacentchuk Engenheiro agrônomo, mestre em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) fabianopacentchuk@gmail.com Margarete KimieFalbo Médica veterinária, doutora e professora do curso de Medicina Veterinária "...

Como tornar um solo compactado em produtivo?

    Luís Carlos Hernani Pesquisador da área deManejo e Conservação do Solo da Embrapa Solos luis.hernani@embrapa.br A compactação é o estado de organização e arranjo espacial das partículas...

Controle de pragas no milho com uso de inimigos naturais

No passado, a crítica que se fazia ao controle biológico era porque a praga naturalmente chega primeiro à plantação. “A praga chega, coloca seus...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!