28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAlgas favorecem pegamento de frutos do mamoeiro

Algas favorecem pegamento de frutos do mamoeiro

Autora

Nilva Terezinha Teixeira
Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)
nilvatteixeira@yahoo.com.br

Em função da importância econômica e da necessidade do aumento na produtividade e qualidade do produto final, novas tecnologias vêm sendo pesquisadas e adotadas pelos produtores. Entre as opções está o uso das algas marinhas.

No mercado de insumos agrícolas existem opções de produtos contendo algas marinhas, principalmente os extratos de Ascophylum nodosum e de Ecklonia máxima, que são extremamente bioativos.

Ambas contam com sais minerais, como macro e micronutrientes, e teores apreciáveis de vitaminas A, do complexo B, C, D e E, de glicoproteínas, aminoácidos, citocininas (reguladores vegetais, atuando na divisão celular e na síntese de proteínas).

São, também, fontes de antioxidantes, o que mantém a integridade das membranas celulares (que protegem as células das toxinas que ela própria produz naturalmente ou em resposta ao estresse); e estimulam os mecanismos de defesa natural das plantas, tornando-as mais resistentes aos ataques de pragas e doenças.

Além disso, são fontes de betaínas, giberelinas, ácido abscísico, ácido jasmônico, poliaminas e alginatos, o que confere estímulo ao desenvolvimento e produção vegetal e maior resistência aos fatores bióticos e abióticos.

Versatilidade

Outra opção no mercado agrícola são as algas calcárias (Lithothamnium calcareum), que são ricas em cálcio e contribuem para o melhoramento físico, químico e biológico do solo, possuem ação corretiva de acidez do solo, melhorando a assimilação dos elementos fertilizantes, assim como aumentam a atividade biológica dos microrganismos neste ambiente, disponibilizando fósforo e ativando o desenvolvimento de bactérias autotróficas, responsáveis pelo processo de nitrificação.

Tais organismos são seres fossilizados e podem apresentar até 46% de CaO, 4,2% de MgO, reatividade de 99% e PRNT de 92,6%, além de rápida ação na liberação do cálcio e magnésio e na correção da acidez e no condicionamento do solo.

Ainda, tais organismos são ricos em outros nutrientes de plantas e de bioestimulantes naturais. Levam consigo uma rica fauna marinha que muito vai contribuir para a vida microbiológica do solo agindo, inclusive, na decomposição da matéria orgânica.

Algas x calcário

Apesar das algas calcárias serem um corretivo de acidez superior ao calcário convencional, o uso mais indicado é como fertilizante, pois compõem-se de macro e micronutrientes, como o cálcio, magnésio, enxofre, ferro, molibdênio, boro, cloro, manganês, cobre, cobalto e zinco.

São, ainda, fontes de silício, um elemento benéfico que reforça a estrutura da planta, tornando-a mais resistente às pragas e doenças, ao acamamento e à falta de água, por exemplo. Contêm fitormônios, vitaminas e aminoácidos em sua composição.

Além disso, e como já se apontou, as algas marinhas melhoram a atividade microbiológica do solo. Todos estes fatores propiciam que as plantas tratadas com tal insumo sejam mais resistentes e produtivas.

Para o mamão

Porém, como empregar as algas marinhas no cultivo de mamoeiro? As possibilidades são diversas. Por exemplo, na formação de mudas, pode-se adicionar ao substrato os extratos de algas marinhas.

Como tais extratos são ricos em citocininas e auxinas, o desenvolvimento radicular será estimulado, o que proporcionará melhor aproveitamento da água e dos nutrientes.

Outra opção é aplicar o produto via foliar, irrigação ou via “drench”, principalmente quando as mudas estiverem para serem transferidas ao campo. As mudas serão mais resistentes e haverá menor necessidade de replante.

Na instalação do pomar, também é ocasião de aplicar formulados com algas. Tal uso fará com que as mudas se adaptem melhor ao campo, e o enraizamento será estimulado.

O uso no ciclo todo da planta tornará o desenvolvimento mais rápido e as plantas serão mais resistentes à seca e ao ataque de pragas e doenças.

Uma opção de uso é no pré-florescimento, o que contribuirá para formar mais flores, facilitará o pegamento dos frutos e o seu enchimento.

Em detalhes

As doses a aplicar e a forma de aplicação dependem do produto a escolher. Há indicações de se empregar 400 g por planta no plantio e 300 g por planta em cobertura (pré-florescimento). Outra sugestão é pulverizar as plantas, quinzenalmente, empregando-se 10 mL.

Resultados reais

Agora, qual o motivo dos possíveis resultados com o emprego dos formulados contendo algas? Imaginemos na formação de mudas: para formação das raízes e da parte aérea, há a formação de novas células e os hormônios que as algas contêm estimulam a divisão celular, promovendo a formação de raízes e parte aérea mais vigorosas.

Há, também, a contribuição dos nutrientes minerais, dos aminoácidos e do alginato, que proporcionarão melhores condições para o desenvolvimento das mudas.

No plantio no campo, os hormônios naturais presentes no produto estimularão o desenvolvimento das novas raízes, contribuindo para o enraizamento e fixação das plantas ao meio. Ainda, outros constituintes contribuirão para o melhor desenvolvimento das plantas: o alginato melhora a disponibilidade de água e os aminoácidos estimulam o desenvolvimento, sem contar com os macros e micronutrientes presentes.

O uso pré-florescimento é interessante, pois na formação de flores, na formação e pegamento do fruto a divisão celular é muito intensa. Os nutrientes e as auxinas e citocininas presentes nas algas favorecem e estimulam tal processo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tecnologia permite acompanhar o volume das chuvas à distância e em tempo real

Previnam-se das fortes chuvas que acontecem no verão Não é só a crise econômica que interfere diretamente no cotidiano das pessoas. As mudanças climáticas também...

Syngenta expande novas soluções de plantio para a cana de açúcar

A Syngenta anuncia o lançamento de dois produtos novos voltados para a cana-de-açúcar com a marca exclusiva da empresa, PLENE®. Plene Evolve® e Plene...

Feira Internacional de Irrigação debate necessidades agrícolas

  De 19 a 21 de setembro Campinas (SP) sediará a FiiB " Feira Internacional da Irrigação Brasil, que nesta edição apresentará o avanço da...

Livro reúne aspectos biológicos e econômicos do uso dos herbicidas à base de 2,4-D no Brasil

Substituição do 2,4-D nas culturas em que é utilizado no Brasil traria aumento de custo para a agricultura do país de 506,53%  Lançamento será durante...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!