15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAminoácidos fornecem energia à alface

Aminoácidos fornecem energia à alface

Lucas Anjos de Souza

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, campus Rio Verde

lucasanjos22@yahoo.com.br

Crédito LuizeHess
Crédito LuizeHess

Os aminoácidos são biomoléculas extremamente importantes para todos os seres vivos, e para a alface não é diferente. Os aminoácidos são os componentes básicos que constituem os diferentes tipos de proteínas que compõem a alface.

As proteínas são moléculas funcionais que executam diversas funções, como por exemplo, absorção de nutrientes e atuação da fotossíntese, processo vital para uma boa produtividade. Além disso, alguns aminoácidos são utilizados para a produção de moléculas que compõem o DNA e o RNA das plantas.

Logo, uma melhor disponibilidade de aminoácidos pode refletir em melhor capacidade de multiplicação celular e, consequentemente, melhor produtividade.

Fornecimento de energia

A maior fonte de energia para as plantas provém da radiação solar, que favorece a fotossíntese. Porém, quando não há luz ou em condições de estresses variados, as plantas podem utilizar alguns aminoácidos para geração de energia, assim como os carboidratos.

Esses aminoácidos são degradados e a energia liberada é armazenada e utilizada para que a planta continue a crescer. A degradação de proteínas para utilização dos aminoácidos como fonte energética é extremamente bem controlada em plantas, isto é, as plantas dificilmente irão degradar suas proteínas prontas para produção de energia.

Desse modo, o fornecimento de soluções com hidrolisados de proteínas e/ou aminoácidos dissolvidos poderá favorecer um melhor crescimento, já que haverá uma maior quantidade de aminoácidos disponíveis.

Para a planta, esse suprimento extra de aminoácidos é interpretado como uma fonte alternativa que poderá ser utilizada em diversas situações para produção de energia e, também, para produzir novas proteínas. É como se a planta ficasse mais bem preparada para condições de adversidades ambientais.

Quando aplicar

Em alface, a recomendação da aplicação é entre 15 e 20 dias após o transplante.É preciso levar em consideração a concentração de N orgânico do produto. No geral, em pesquisas realizadas aconselha-se a utilização de solução diluída variando entre 0,018 a 0,028% de N orgânico.

Viabilidade

O custo da aplicação é dependente da disponibilidade de instrumentos para realização do procedimento, bem como do custo do produto. Por isso, o produtor deve levar em consideração esses fatores dentro do custo de produção para, posteriormente, valorizar seu produto final.

A utilização de produtos à base de aminoácidos ou proteínas hidrolisadas pode trazer ganhos entre 5 a 10% à massa fresca da alface. Com isso, o produtor pode apresentar um produto com melhor vigor e maior aceitação de mercado. Desse modo, tais características tendem à valorização do produto e a melhores rendimentos.

A utilização de produtos à base de aminoácidos ou proteínas hidrolisadas pode trazer ganhos entre 5 a 10% à massa fresca da alface - Crédito Walter Vieira
A utilização de produtos à base de aminoácidos ou proteínas hidrolisadas pode trazer ganhos entre 5 a 10% à massa fresca da alface – Crédito Walter Vieira

Via tratamento de sementes

O tratamento de sementes com aminoácidos e/ou extratos de algas já está consolidado entre os produtores de grãos, principalmente soja e milho. No entanto, diversas outras culturas, desde florestais até hortícolas, já vem utilizando esta tecnologia com bastante sucesso.

O tratamento de sementes com aminoácidos e/ou extrato de algas é uma tecnologia que visa aumentar o desenvolvimento do sistema radicular, possibilitando à planta uma maior absorção de água e nutrientes. Com isso, a planta poderá expressar o máximo do seu potencial produtivo.

No entanto, é comum a afirmação de que o tratamento de sementes com aminoácidos e/ou extrato de algas aumenta a produtividade. Este é um ganho indireto do tratamento de sementes, pois na verdade o que se consegue com esse tratamento é garantir um melhor estande da cultura e, consequentemente, uma maior produtividade. É importante lembrar que plantas mais bem nutridas conseguem translocar mais nutrientes para as sementes, aumentando seu peso e favorecendo o aumento da produtividade.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bambu – Um dos mais promissores recursos renováveis do século 21

Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, M.Sc. e doutorando em Produção Vegetal - ICIAG-UFU ernanelemes@yahoo.com.br Lísias Coelho Engenheiro florestal, Ph.D. e professor - ICIAG-UFU lisias@ufu.br Túlio Vieira Machado Engenheiro agrônomo e mestrando...

Nutrição inteligente na produção de beterraba

Isabela Ribeiro Martins Gabriel Ferraresi Hidalgo Graduandos em Engenharia Agronômica - UNESP/FCAT Pâmela Gomes Nakada Freitas Engenheira agrônoma e professora assistente - UNESP/FCAT pamela.nakada@unesp.br O nitrogênio se destaca dentre os...

Detonator® – Lançamento da Oro Agri também será exportado para todo o mundo

Evento realizado pela primeira vez no País oferece soluções para combater plantas daninhas de difícil controle, que causam prejuízos na ordem de US$ 9 bilhões apenas...

Tecnologias utilizadas para cobertura hidropônica

Sueyde Fernandes de Oliveira Braghin Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento sueyde@ginegarpolysack.com.br   A técnica de cultivar hortaliças longe da terra vem conquistando o paladar de muitos consumidores e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!