21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosAplicação de herbicidas para pós-plantio do cafeeiro

Aplicação de herbicidas para pós-plantio do cafeeiro

Autores

José Braz Matiello
jb.matiello@yahoo.com.br
Marcelo Jordão Filho
Engenheiros agrônomos da Fundação Procafé
Lucas Franco
José Renato Dias
Engenheiros agrônomos das Fazendas Sertãozinho

Crédito Divulgação Agrishow

O controle do mato em cafezais é uma prática importante para reduzir a concorrência das ervas com os cafeeiros, a qual se estabelece em função das plantas daninhas também necessitarem, como as plantas de café, da água, dos nutrientes e da luz, isto na mesma área onde crescem os cafeeiros.

Em plantas de café ainda jovens, na fase de sua formação, a concorrência do mato é mais danosa, pois o sistema radicular do cafeeiro é ainda pequeno e superficial e a sua folhagem não cobre o terreno, assim as ervas podem crescer bem junto às plantas de café, na linha de cafeeiros, beneficiadas pela própria adubação do café. Nessa condição, onde as plantas de café são pequenas, o mato alto abafa e reduz a luz disponível para o crescimento dos cafeeiros, os quais se tornam amarelados e pernalongas.

Controle do mato

O sistema tradicional de controle do mato na linha de cafeeiros jovens é através da capina manual, operação chamada de trilha, isto porque os herbicidas normais usados, como o glifosato e outros, causam fitotoxidez por deriva.

A aplicação de herbicidas no pós-plantio do cafeeiro pode ser feita em dois sistemas. A aplicação protegida, usando herbicidas normais, não seletivos aos cafeeiros e a aplicação de herbicidas seletivos, nestes sem proteção, não apresentam fitotoxicidade aos cafeeiros jovens.

Aplicação protegida

A aplicação protegida de herbicidas visa evitar deriva de gotas que iriam danificar os cafeeiros. A proteção anti-deriva pode ser feita por um tipo de bandeira feita com bambus e plástico, pelo uso de chapéu de Napoleão, pelo uso de bico espuma ou pelo cuidado em tombar as ervas e aplicar com bico bem rente a elas.

Pode-se, ainda, usar abas protetoras, seja em tratores, triciclos ou carrinhos aplicadores. Os herbicidas indicados em pós-emergência são o glifosato, na dose de 1,5 a 4,0 L/ha, mais eficiente para folhas estreitas e produtos mais específicos pra ervas de folhas largas, como  Flumizin 100 g), Ally, Zartan (10 g, aurora 80-130 ml), Heat (75-100 g), 2,4-D (1,5 l/ha), Clorimuron (200 g). Óleo=0,5%.

Em pré-emergência, o produto mais adequado é à base de Oxifluorfen na dose de 3,0 -6,0 L/ha, na faixa de plantio, com cuidado pra não pegar no topo das plantas novas.

Aplicação de produtos mais seletivos

O uso de herbicidas, para controle do mato, em cafeeiros jovens, vem dando bons resultados, em especial quando se combinam herbicidas específicos, mais seletivos e de efeitos complementares.

Nos últimos anos, com a carência e elevado custo da mão de obra, foram desenvolvidas alternativas de uso de herbicidas para controle do mato na linha. Inicialmente foi utilizado o produto à base de Oxifluorfen (outros) em pré-emergência. Depois foi desenvolvido o uso de produtos mais seletivos de pós-emergência, como os à base de Clethodin (outros) e Haloxifop-P-Metilico (outros), estes eficientes contra ervas de folhas estreitas, em combinação com produtos à base de Clorimuron, estes para folhas largas.

Como os herbicidas citados em pós-emergência atuam melhor em ervas mais novas e, ainda, diante da conveniência em atuar contra a sementeira, foi desenvolvida, recentemente, a combinação de três produtos, os dois de pós-emergência, mais o Goal, numa mesma aplicação.

Os resultados mostram vantagens até sobre ervas maiores, pois parece que o Goal ativou um pouco os produtos de pós-emergência, além do que, ao cair no solo, propicia maior efeito residual de controle.

As doses utilizadas na combinação dos produtos são as seguintes: para 200 litros de calda – Select 0,5 a 0,8 L, conforme o tamanho do mato + 100 g de Clorimuron + 1,5 L de  Goal, ou similar e + 100 ml de espalhante siliconado. A aplicação deve ser feita em jato dirigido, sem aplicar sobre os cafeeiros.

Erros

Os erros mais frequentes no uso de herbicidas têm sido aplicações descuidadas, intoxicando as plantas de café e aplicações em épocas inadequadas, deixando o mato crescer muito para depois aplicar os produtos.

O custo-benefício do controle das ervas se traduz em reduzir a concorrência delas com os cafeeiros, representando maior desenvolvimento e formação mais rápida dos cafeeiros e da lavoura de café.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ataque sob controle – Café tem a pior infestação de broca dos últimos anos

O Grupo Veloso Agropecuária é proprietário de três fazendas cafeeiras em Carmo do Paranaíba e Presidente Olegário, totalizando 2.200 hectares de café plantados.A produtividade...

Cultivo de banana da terra garante lucro

José Clélio de Andrade Engenheiro agrônomo, DSc.em Agronomia e pesquisador da SEAPA/EPAMIG jclelio@epamig.br   A produção nacional de banana da terra, também chamada plátanos, é estimada em torno...

Kimberlit Agrociências apresenta fertilizantes de alta tecnologia

A Kimberlit Agrociências (www.kimberlit.com), empresa líder no segmento de fertilizantes especiais, que desenvolve, produz e comercializa soluções em fisiologia e nutrição vegetal, participou do IX Congresso...

Como funciona a Safra Zero do cafeeiro?

  Estevam Antonio Chagas Reis Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras Membro e vice-coordenador geral do Núcleo de Estudos em Cafeicultura " NECAF/UFLA estevamreis@necafufla.com.br estevamreis@outlook.com Marina Chagas...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!