As folhas quanto mais tempo na soja, melhor

0
562

Autores

Luís Paulo Benetti Mantoan
Doutor em Ciências Biológicas/Botânica – ESALQ/USP
luismantoan@gmail.com
Carla Verônica Corrêa
Doutora em Engenharia Agronômica – ESALQ/USP
cvcorrea1509@gmail.com

As folhas apresentam importância fundamental em muitos processos fisiológicos. O principal e mais conhecido papel das folhas é a realização do processo da fotossíntese, a qual é responsável pela síntese de açúcares que atuam como fonte energética e de carbono estrutural para o crescimento. O formato achatado da maioria das folhas, combinado com a ampla distribuição da clorofila, fazem deste órgão o mais capacitado para a captura da luz solar e realização da fotossíntese.

Além da importância fotossintética, as folhas também apresentam importância para a fixação do nitrogênio e do enxofre, pois estes elementos, ao serem absorvidos pelas raízes na forma de nitrato e sulfato, são transportados para as folhas, onde ocorre a assimilação destes na forma de aminoácidos, os quais são utilizados para a síntese de proteínas.

Sendo assim, a manutenção das folhas de uma planta é imprescindível para o desenvolvimento, crescimento e produtividade de uma cultura.

Limitações

Embora o aumento no número de folhas de soja possa representar um aumento na produtividade, devido ao aumento na área foliar útil para a fotossíntese, existe um limite para isto. Um grande acúmulo de folhas de soja pode se tornar um problema, pois em se tratando de uma planta herbácea que apresenta alta produção de ramos, as folhas que ficam na metade superior da planta irão sombrear as folhas que se encontram na metade inferior, e até mesmo as folhas das plantas vizinhas devido ao curto espaçamento entre plantas.

Desta forma, as folhas que se encontram na porção de baixo da planta não serão capazes de realizar a fotossíntese, e por sua vez não poderão produzir e exportar carboidratos essenciais para o enchimento dos grãos.

Além disso, ainda existe um agravante, pois as folhas sombreadas que não forem autossuficientes em fotossíntese se tornarão drenos para as folhas da metade superior da planta que recebem constantemente a luz solar, ou seja, as folhas que se situam na metade de baixo da planta passarão a consumir os carboidratos das folhas superiores que deveriam estar nutrindo raízes e grãos em formação.

Portanto, considerando estes aspectos, é possível aumentar o rendimento da soja por meio da escolha de variedades que não apresentem grande sobreposição de folhas, garantindo assim uma otimização na absorção da luz solar.

Reflexos

A perda de folhas na cultura da soja pode representar redução significativa na produção, principalmente se a perda ocorrer durante a floração e formação dos grãos. A maior responsável pela perda no número de folhas e pela redução na área foliar útil para a realização da fotossíntese é a herbívora, causada por diversas espécies de lagartas e formigas cortadeiras, e o aparecimento de doenças foliares, tais como as causadas pelo ataque de fungos.

Em situações onde o ataque de insetos e doenças é leve ou moderado, é comum a ocorrência de redução na área foliar da soja, sem que haja a queda de folhas. Nesta situação, a perda de área foliar também representa redução na produtividade devido à redução na capacidade fotossintética. Porém, se a situação não for controlada, as folhas irão responder a esses ataques produzindo hormônios relacionados ao estresse, como por exemplo, o etileno, que induzirá à queda das folhas danificadas afim de evitar que uma doença se espalhe pela planta.

Nutrição

Outro ponto importante a ser observado com relação à manutenção das folhas na planta é a nutrição. A formação e manutenção das folhas é muito dependente do estado nutricional da planta, uma vez que a folha é um dos órgãos mais sensíveis à falta de nutrientes, sendo um dos primeiros tecidos a demonstrar os sintomas de deficiência nutricional.

Sendo assim, a falta de nutrientes como nitrogênio, fósforo, cálcio, enxofre, magnésio e outros pode levar a um retardo no surgimento de folhas ou a um mau desenvolvimento foliar, com impacto direto na produção.    

A seguir, encontra-se uma breve descrição da importância e função de alguns dos mais importantes elementos nas folhas:

Ü Nitrogênio: é um elemento essencial para a formação de proteínas e enzimas do cloroplasto, as quais são responsáveis pelo processo fotossintético. O nitrogênio também está presente na folha como parte da molécula de clorofila. Além disso, é nas folhas que ocorre o processo de transformação, por meio reações de redução do nitrato absorvido pelas raízes para o aminoácido chamado glutamato, o qual servirá de base para a produção dos demais aminoácidos.

Ü Enxofre: assim como o nitrogênio, o enxofre é um importante componente de alguns aminoácidos. Nos cloroplastos das folhas, o enxofre se encontra associado ao ferro em algumas proteínas responsáveis pelo transporte de elétrons na etapa fotoquímica da fotossíntese. É nas folhas que o sulfato absorvido pelas raízes é assimilado, por meio de reações de redução, para formar aminoácidos com o enxofre como componente.

Ü Fósforo: nas folhas é um importante elemento na conversão do ADP em ATP, molécula formada durante as reações fotoquímicas, a qual será usada como fonte de energia para a conversão do CO2 em açúcares durante a fotossíntese.

Ü Potássio: a presença deste elemento nas folhas durante a formação dos grãos é importante, pois ele atua como um ativador de enzimas da fotossíntese e também promove a translocação dos açúcares da folha para os drenos (grãos em formação). Além disso, o potássio é necessário para a abertura dos estômatos da folha, que é por onde o CO2 atmosférico irá entrar.

Ü Cálcio: componente das paredes celulares das folhas e de outros órgãos da planta. Além disso, é um importante sinalizador para eventos de estresse, como por exemplo, a indução da expressão de genes de defesa em resposta ao ataque de patógenos ou herbívoros.

Ü Magnésio: nas folhas este elemento é fundamental para a síntese da molécula de clorofila presente nas folhas.

Ü Ferro, cobre e zinco: estes três elementos apresentam importância como componentes do sistema antioxidativo, tanto de folhas como dos demais órgãos da planta. O ferro e o cobre também apresentam importância nos cloroplastos das folhas, pois ambos estão presentes em proteínas que atuam no transporte de elétrons da fase fotoquímica da fotossíntese.

Ü Molibdênio: este elemento é fundamental para a enzima nitrato redutase que se encontra nas folhas. A falta de molibdênio pode resultar na redução da assimilação do nitrogênio e na redução da formação de aminoácidos na folha.