21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiCalagem, gessagem e nutrição da goiabeira

Calagem, gessagem e nutrição da goiabeira

Talita de Santana Matos

Doutora em Agronomia

Elisamara Caldeira do Nascimento

Doutora em Agronomia e professora – Sesitec – MT

Rafael Campagnol

Professor de Olericultura ” Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Glaucio da Cruz Genuncio

Professor de Fruticultura ” UFMT

glauciogenuncio@gmail.com

 

Crédito Rigrantec
Crédito Rigrantec

O solo, para ser considerado produtivo, deve ser fértil (rico em nutrientes), ter boas características físicas (textura, estrutura, densidade, drenagem), boas condições de relevo e não deve conter elementos ou substâncias fitotóxicas.

Portanto, é importante salientar que um solo fértil é aquele que tem a capacidade de suprir as plantas com nutrientes essenciais, na quantidade e na proporção adequadas para o seu desenvolvimento, visando obter alta produtividade.

Além da fertilidade do solo, a produtividade da goiabeira depende de outros fatores essenciais à produção, tais como: clima, cultivares e outras características do solo, como profundidade, teor de matéria orgânica, pH, saturação por bases, acidez potencial e disponibilidade de nutrientes.

A faixa de pH ideal está entre 6 a 6,5. É a mais adequada baseada na disponibilidade/mobilidade dos nutrientes. A redução da acidez do solo promove a insolubilidade de Al e Mn, aumenta a disponibilidade de P e Mo e diminui a disponibilidade de micronutrientes, como Zn, Mn, Cu e Fe.

Dessa forma, o pH ideal é a faixa que disponibiliza a maior quantidade dos nutrientes essenciais.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Calagem

O objetivo da calagem é corrigir a acidez do solo, fornecer suprimento de cálcio (estimula o crescimento das raízes e, portanto, o aumento do sistema radicular e uma maior exploração da água e dos nutrientes do solo, auxiliando a planta na tolerância à seca) e magnésio, diminuir as concentrações tóxicas de alumínio e manganês, melhorar as propriedades físicas e biológicas do solo, propicia melhores condições para a decomposição da matéria orgânica, com consequente maior disponibilidade de nutrientes e favorece a fixação biológica de nitrogênio, como também aumenta a eficiência no aproveitamento dos nutrientes.

A quantidade ideal de calcário, assim como a escolha do produto a ser utilizado vai depender dos resultados obtidos com a análise de solo. Por meio dos resultados de pH, Al trocável, Ca, Mg e H+Al (acidez potencial) será possível indicar o caminho a seguir.

Manejo

É importante lembrar a necessidade da incorporação e homogeneização do calcário na implantação de culturas perenes, já que aplicações superficiais atuam lentamente nas camadas mais profundas, e um solo mal corrigido no início comprometerá a produtividade por muito tempo.

Para tal, a calagem deve ser realizada no preparo do solo, visto ser a última oportunidade de mobilizar o solo, partindo da premissa de que não é aconselhável revolvê-lo em pomares já implantados, nem tampouco aplicar calcário na cova de plantio, especialmente junto com fontes de fósforo.

Esta incorporação deve ser realizada à profundidade mínima de 20 cm, cerca de 60 dias de antecedência ao plantio, dependendo do poder relativo de neutralização total (PRNT) e do poder de neutralização (PN), que são as garantias do produto de alta reatividade. Muitos estudos demonstram que o efeito residual desta prática (quando realizada adequadamente) persiste por vários ciclos subsequentes.

Em pomares já implantados, o procedimento indicado pelos boletins oficiais no Brasil é uma leve incorporação do calcário nas entrelinhas, entretanto, é importante ressaltar os diversos problemas fitossanitários decorrentes dessa prática, como: ferimentos e redução do volume de raízes, com consequente risco de infecções, disseminação de doenças no pomar e favorecimento da dispersão de pragas.

Alguns trabalhos vêm demonstrando que é possível aplicar o calcário na superfície do solo, sem incorporação. Este neutralizará gradualmente a acidez em profundidade, devido ao movimento das partículas no perfil numa taxa de 01 a 02 cm por ano, se as condições de umidade e drenagem forem adequadas.

A calagem estimula o crescimento das raízes, melhorando a produtividade - Crédito Erli Ropke
A calagem estimula o crescimento das raízes, melhorando a produtividade – Crédito Erli Ropke

Gessagem

O Ca é um elemento de baixa mobilidade em solos e, sendo assim, o efeito do calcário, em geral, não é observado em camadas mais profundas do solo.Para suprir as necessidades de Ca em profundidade, a fim de evitar que as raízes se concentrem na superfície do solo, favorecendo as intempéries, utiliza-se o gesso agrícola composto basicamente por sulfato de cálcio (CaSO4.2H2O), contendo aproximadamente 32,6% de CaO e 18,7% de S, sendo fonte, além de cálcio, de enxofre.

Dessa forma, é considerado um condicionador do solo e não um corretivo. O ânion acompanhante sulfato (SO42-) imprime elevada mobilidade ao cálcio, permitindo que este nutriente chegue a camadas mais profundas do solo.

Versatilidade

Por fornecer enxofre e cálcio, dar mobilidade ao cálcio até camadas mais profundas do solo e reduzir a toxidez de alumínio em subsuperfície, o gesso é um insumo fundamental, especialmente para fruteiras de grande porte, pois favorece o crescimento e o desenvolvimento radicular.

Com isso, as plantas ficam menos sensíveis a períodos de veranico e são capazes de absorver nutrientes presentes em um maior volume de solo.O gesso pode ser aplicado junto com o calcário, mas é preferível que seja após a calagem.

A dose a ser aplicada é determinada pela interpretação da análise de solo para a profundidade de 20-40 cm ou mais profundo (e não de 0-20cm, como para calagem), e pode ser aplicado em cobertura, sem necessidade de incorporação, pois é muito móvel no solo.

A utilização do gesso deve satisfazer uma das seguintes situações: a) Teor de cálcio menor ou igual a 0,5 cmolc dm-3, b) Teor de alumínio maior que 0,4 cmolc dm-3 e c) Saturação por alumínio (m) maior que 15%.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Cálcio e enxofre são fundamentais para uma boa fertilidade

Autor Thales Barcelos Resende Engenheiro agrônomo e doutorando em Agronomia/Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) thales_br@outlook.com A principal responsável pela deficiência de alguns nutrientes...

Pesquisadores do Instituto Phytus lançam livro e aplicativo Doenças da Soja

A equipe de colaboradores e pesquisadores do Instituto Phytus desenvolveu o livro e aplicativo “Doenças da Soja“ que reúne as principais doenças incidentes na...

Uniparts, Kuhn e Magnojet – O melhor da agricultura

  Nesta edição, a Kuhn, Magnojet e sua revendedora Uniparts se uniram para mostrar aos visitantes da Femec o que fazem de melhor " agricultura....

Fazenda aumenta produtividade da lavoura e amplia área de gado com uso de sementes forrageiras em sistema integrado

Propriedade que fica localizada no município de Uruçuí, no Piauí utiliza as sementes Advanced da Soesp e tem implemento de até 10 sacas de soja por...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!